As novas experiências de inexperientes oficineiros


Como já falamos, estamos desenvolvendo ofinas de vídeo com crianças, adolescentes e até mesmo adultos em duas comunidades.
Uma é em São Leopoldo.
A Têmis e o Rafael Vespo estão trabalhando com o Vlady – um parceirão nosso – uma oficina de animação com a gurizada.
Dessa, vai sair uma experiência atuada e apresentada por eles.
No momento, o Vlady está trabalhando expressão corporal e fazendo com que eles tomem noção dos personagens, além de instigar a criatividade em cima do roteiro.
Acho que vai sair um filme super bom.
Aguardem que a gente publica por aqui!

E a outra é na Vila Santa Rosa, no bairro Rubem Berta.
O lugar é tão longe que o ônibus tem que ir pela Freeway.
Chegando lá, a sensação é de que se está em uma outra cidade.
A Têmis mesmo já deu a tal da gafe: “Vou pegar o ônibus, então, para voltar para Porto Alegre”.
A risada foi geral: “Tá certo, então vou lá em casa pegar a enxada pra capinar…” – responderam.
É, essa inexperiencia toda traz algumas situações engraçadas – que poderiam até ser constrangedoras, se não fosse a bela natureza das pessoas com quem estamos nos envolvendo.
Em uma das explicações que fiz sobre o processo de edição, fui falar sobre o computador como ferramenta: “E aí? Todo mundo tem computador em casa?”.
É.
Lá estava eu, depois que terminei a pergunta, me indignando com estapafúrdio questionamento: “Rapaz, olha onde tu tá, burrão! Desce desse pedestal pequeno-burguês de quem mora nos altos do Petrópolis! Filhinho de papai, guri de apartamento…” – brigava comigo minha consciência.
Consciência esta muito mais feroz do que meus interlocutores.
A gurizada caiu na gargalhada!
“Ih, tio! AHAHAHAHAAHAH, nem brinca com isso! Tá nos tirando?”.
Tá certo, tá certo.
Meu lapso foi para saber se todos conheciam computador, se tinham acesso.
E minha ingenuidade pequeno-burguesa foi respondida: sim, todos sabiam e tinham acesso a computador.
Aliás, isso foi outra coisa que nos chamou a atenção.
Há várias Lan Houses pela Santa Rosa, mais do que qualquer outro estabelecimento comercial…
Bem, o lance é que está sendo uma experiência sensacional.
É muito bonito ver a ânsia de aprender nos olhos daquela gurizada.
Com a chegada de equipamentos (é um projeto do MinC), só imagino a reação da galera, pois a Têmis levou uma claquete e foi um negócio…

Na seqüência tem mais relatos.
Na foto, Têmis, Rafael (de costas) e Vlady (de barba) na rodinha em São Leopoldo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *