O Ventre Livre começa a tomar forma

saiba sobre o projeto Ventre Livre.

Na quinta-feira, dia 28 de maio, estivemos na casa onde vai ser a sede do Ponto de Cultura Ventre Livre começando os trabalhos de constituição do espaço físico do projeto. Tem bastante trabalho pela frente incluindo reformas e limpezas, mas devagar tudo o que foi planejado no papel começa a tomar forma.


Temos a consciência – e alguma experiência – que o trabalho comunitário, principalmente quando não somos moradores da região, é demorado e que a confiança das pessoas precisa ser conquistada através do trabalho. Muito justo.



Na Vila Jardim especificamente esse primeiro contato com a comunidade está acontecendo via Posto de Saúde Divina Providência, parceira do projeto. A participação de pessoas como a Vera, Genilda, Rose, Sílvia, Eduardo, Rosmere, Iara, estão sendo fundamentais.

Primeiras conversas

A partir das reuniões iniciais pudemos conhecer a Escola Crianças do Futuro surgida da associação de alguns moradores que constituiram um espaço de educação que oferece à comunidade jardim de infância, cursos de artesanato, administração e culinária. É um lugar muito especial, construído com muito carinho. Pela conversa que tivemos com a coordenadora da Escolinha, a Vani, deu pra senti que iremos fazer um intercâmbio muito rico.

Conhecemos, também, a gráfica do Roberto e tivemos a oportunidade de encomendar uma faixa provisória para identificar o Ponto. Desde contato percebemos que a demanda gráfica é um dos serviços que poderemos contar dentro do bairro incentivando, assim, a economia local.

Do trabaho de seleção do Agente Cultural e da limpeza da casa conseguimos faz a aproximação com as pessoas da vizinhança. A Iara (agente de saúde) conseguiu a água pro chimarrão e articulou com a Andréia e a Zefa algumas cadeiras. A Crescer, escola particular de ensino fundamental que fica localizada em frente à casa, emprestou uma mesa. O Ibanês – morador da Vila há 60 anos – trouxe a sua filha para a escolha do Agente Cultural de Saúde, declamou um poema gauchesco e se colocou à disposição. O Quincas, serralheiro, nos emprestou ferramentas e fez um orçamento para o portão da casa e o Ademir, após uma bela prosa, se colocou à disposição para qualquer coisa. Essas iniciativas nos confirmaram que a rua é um espaço fundamental de convivência, incentivando os valores humanos da vida em comunidade.

Expectativas


O próximo passo será a reforma da casa que necessita um novo forro, piso, pintura, instalação elétrica e a construção de 1 laboratório fotográfico. A Engenheira Civil Patrícia Fenocchio, o Engenheiro Eletricista Marco de Oliveira, a estagiária de Arquitetura Mariana Brandelli e o administrador Carlos Gama visitaram a casa e voluntariamente desenharam a planta das novas instalações e levantaram os materiais necessários para conseguirmos apoio junto à lojas de tintas, construção….Além disso, precisamos mobilizar voluntários para a mão-de-obra. Tudo dando certo a previsão é que em 2 meses a casa deva estar operacional.


Por enquanto era isso, seguimos trabalhando, logo teremos mais novidades.

Um comentário em “O Ventre Livre começa a tomar forma”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *