A palavra como faca

O machucado na carne e no espírito deve ter o direito de machucar com a palavra aquele que lhe infringi dor. Ou aquele que, sendo seu irmão pela natureza humana, se omite diante da tragédia dos seus e segue indiferente. Violentamente Pacífico é um video de Gabriel Teixeira realizado no Bairro da Paz (Periferia de Salvador-BA), entrevistando Ras Mc Léo Carlos, morador local. No youtube é apresentado como arte-educador, libertário, um homem que resiste com violência pacífica. Palavra que corta. Palavra que se mete carne a dentro das idéias, incomoda e, se não faz sangrar faz pensar:

Veja este e outros mais em Agência Subverta!

One thought on “A palavra como faca”

  1. Desde garota sempre fui refratária quanto aquela história que alguns (talvez mais puros que eu) argumentam de que devemos separar a “mensagem do mensageiro”. Pra mim uma mensagem está contida dentro de um contexto e nesse contexto o mensageiro é personagem principal e não um mero veículo.O que esse rapaz diz é fundamentalmente verdade, claro, mas não é uma verdade que prima pela originalidade dentro do seu meio. Torna-se um grande “lugar comum” dentro daqueles que fazem “hip-hop”, “rap” ou afins. É quase um mote. Um amontoado de palavras que muita embora lance suas flechas contra a Elite, faz inconscientemente o papel que essa própria Elite reserva ao “Protesto”.Esse é o tipo de Protesto que a Elite gosta. Um protesto emitido através de uma linguagem extremamente colonizada que, se traduzido para o inglês, pode muito bem ser de um negro ou “xicano” de Nova Yorque ou Los Angeles. Uma linguagem de gueto, reservado ao gueto e fadada a colonizar o gueto, mesmo que através de um suposto grito do oprimido. Um apanhado de manchetes de jornais entremeado de “broda” e “tá ligado?”.Posso parecer elitista, porém tenho uma opinião bastante sólida sobre essas coisas. A “virulência”, o “protesto”, a “indignação” do “hip-hop” dos “brodas” paulistas e do Funk carioca, tem como propósito único a perda da identidade e restringir esses protestos ao próprio gueto. Tipo, fiquem aí reclamando, esperneando, pois nessa forma não haverá ressonância em outros segmentos sociais. Pratiquem o “jus isperneandi” e que fique por isso mesmo.Não vejo tanta relevância no MC Leo, porém como diziam Darcy e Brizola ser o “PT a Esquerda que a Direita gosta”, esse é o tipo de Protesto que as Elites adoram.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *