Coletivo Catarse com ONG ANAMA no Programa Petrobras Ambiental

A ONG ANAMA, de Maquiné, foi selecionada no Edital 2008 do Programa Petrobras Ambiental, com o projeto de Recuperação de áreas degradadas da sub-bacia do rio Maquiné, sendo um dos dois contemplados no Rio Grande do Sul. Os recursos foram disponibilizados no início deste ano.

Vá para o site da ANAMA!

Para desenvolver as ações de Comunicação, a ANAMA contratou o Coletivo Catarse, que será responsável pela realização de um vídeo educativo, pela criação de todas as peças gráficas, edição de livro e cartilha, produção de boletins informativos trimestrais e atualização do site da ONG, onde você já pode encontrar informações sobre:

– a reforma do viviero da Fepagro onde serão abrigadas as mudas que reflorestarão a mata ciliar e a germinação das primeiras sementes de árvores nativas;
– o mestre do Terno de Reis de Maquiné que foi contemplado com o Prêmio Culturas Populares 2009, do MInistério da Cultura;
– a oficina sobre biofertilizantes que reuniu diversos agricultores da encosta da Serra que estão interessados em transitar para a agroecologia;
– baixar o livro “História Natural e Cultural de Maquiné”;
– visualizar o Guia de Ecoturismo de Maquiné
– y otras cositas más.

Clique aqui e navegue por lá!


Sobre o Petrobrás Ambiental:
Este projeto reflete um anseio da comunidade, em especial daquela diretamente envolvida com o rio. As ações propostas pelo projeto foram debatidas em diversas instâncias institucionais que representam a comunidade, além de visitas específicas com agricultores proprietários de terras que margeiam o rio. Nascendo de uma demanda social e ecológica, são previstas ações nas quais a comunidade também é protagonista, participando desde a coleta de sementes para produção de mudas, cursos até o efetivo plantio e monitoramento”, explica seus coordenadores.

Devido às situações complexas envolvendo eventos climáticos extremos, relevo com alta declividade e desmatamentos, esta sub-bacia apresenta-se comprometida em sua qualidade ambiental, com o rio assoreado e ausência de mata ciliar. Pela sua importância ecológica regional e social, necessita de ações urgentes para reverter ou minimizar esse quadro.
Para intervir nesse ambiente, adotamos a visão ecossistêmica e propomos ações conjugadas e complementares:

a) reflorestamento conforme processo de sucessão ecológica, com espécies pioneiras e secundárias em áreas desnudas e adensamento com espécies climax em áreas florestadas (25.000 mudas);
b) manejo racional de abelhas nativas, responsáveis pela polinização da floresta;
c) proteção das margens e encostas (2500m) com material retirado do próprio leito do rio;
d) programa de educação ambiental para 205 pessoas, com dias de campo com alunos, professores e agricultores, além de cursos de ecologia florestal e manejo de abelhas nativas.

Foto: Dilton de Castro [Equipe do Coletivo Catarse entrevista agricultor em área assoreada do Rio Maquiné]
Logomarca: criação Coletivo Catarse

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *