A luta das mulheres – uma ode ao 8 de março

Dançar até derrubar o capital

Por Clarisse Castilhos e Marian Pessah

Neste ano nós mulheres passamos a perna no Carnaval e fomos para a avenida no dia 01 março, afinal a nossa luta não se restringe ao dia 08, ela é permanente e cotidiana.

Primeiro ato. Com as mulheres da Via Campesina e outros grupos urbanos, okupamos a Braskem. Chegamos de surpresa e furamos o esquema quase militar do pólo petroquímico de Triunfo. Cerca de mil mulheres descemos dos ônibus, correndo pelos caminhos, empunhando nossas bandeiras e atravessando portões. Lá dentro protestamos, nos manifestamos e reunimos em grupos para refletir sobre nosso ato. Antes de continuar a luta na cidade, fizemos uma devolução simbólica da poluição gerada pela Braskem, amarrando sacos de plásticos nos portões e jogando garrafas plásticas para dentro do pátio da empresa.

Para nós a luta é também uma festa por isso estamos dentro. Muitas pessoas se perguntarão: o que tem a ver okupar uma empresa com o 8 de março? Muito. Nesse dia, que é especialmente significativo, conseguimos unir dois alvos indissolúveis: Patriarcado e Capital, as duas pernas do monstro; as duas faces da mesma moeda. Quem se OKUPA da festa somos as mulheres. Não cozinhando, servindo café, ou cuidando das crianças, mas na logística, na organização, no debate e na segurança. Algumas pessoas talvez não compreendam o que isso significa para nós, mas é aí que avaliamos o quanto avançamos e quanto ainda nos falta. É por isso que muitas de nós aprenderam a dirigir carros, mapear lugares, filmar, e até responder a entrevistas para os jornais. Okupar esses espaços que o patriarcado definiu como hegemônico dos homens.

Quem é essa tal de Braskem? Não é uma empresa de tecnologia “limpa”, que produz plástico verde, esse que não polui? “A Braskem é uma empresa brasileira do grupo Odebrecht, que depois da privatização de parte da Petrobrás passou a dominar a produção de petroquímicos no Brasil e na América Latina, explorando mão de obra barata e os recursos naturais. Em 2010 iniciou a produção do dito “plástico verde”, que usa como matéria-prima a cana de açúcar. Aí a coisa já começa a ficar enrolada porque a única diferença entre esse plástico e aquele feito do petróleo é a matéria-prima. Porém, nenhum dos dois plásticos é biodegradável! Pior ainda, para produzi-lo vai ser preciso plantar cana com todos os riscos dessa cultura, como o empobrecimento total da terra. Para o RS vai significar intensificação do monocultivo e invasão das terras da pequena agricultura. A meta é plantar 1 milhão e 800 mil ha de cana transgênica no RS já que a planta não é apropriada para regiões de clima frio.” (Manifesto Via Campesina, MTD e Levante da Juventude) A política do governo Dilma, segue sendo financiar projetos como esse, a unidade de Triunfo – RS foi construída em 80% pelo governo federal.

Não há espaço para as mulheres no ritmo e nas condições de trabalho impostas pelo agronegócio exportador nesses desertos verdes da cana de açúcar, do eucalipto e de outros monocultivos, só o que se expande é a violência e a prostituição. Assim se mantém os latifúndios impedindo, desta maneira, que as terras passem para a reforma agrária e assim para agricultura familiar.

Em suma, o cultivo de cana, expulsa mão de obra (que sempre primeiro serão as mulheres), intensifica a concentração de terras e inibe o cultivo de alimentos orgânicos, em troca da plantação de matéria-prima para combustível (ou, no caso de outras culturas, para a produção de celulose, de alimentos para animais, etc.). Suas repercussões sobre a elevação do preço dos alimentos e da produção de transgênicos para a população de baixa renda são bem evidentes.

Continuando na luta, saímos da Braskem e fomos para Porto Alegre onde nos encontramos com outros grupos urbanos. Elas tinham passado na frente do ícone da mídia capitalista, o jornal Zero Hora, onde queimaram exemplares do caderno “Donna”, um suplemento “feminino”, que tenta passar a imagem de mulheres frívolas que só se interessam por moda, receitas de cozinha, decoração de casa, etc. Aí, a situação pegou fogo e o jornal teve que fechar as suas portas. No trajeto até a praça da matriz elas deixaram suas marcas em alguns monumentos da cidade, ressaltando a posição de inferioridade a que as mulheres são descritas na história contada pelo patriarcado.

Quando nos encontramos, todas juntas, nas portas do Palácio da Justiça, queimamos soutiens e dançamos como bruxas fazendo a nossa revolução.

Nossa luta feminista, se levada as suas raízes, é a mesma da classe trabalhadora e dos povos colonizados e escravizados: nos batemos contra as bases da opressão que hoje está representada pelo capitalismo, mas que também existia antes e permaneceu no socialismo.

Capital e patriarcado estão associados e se baseiam em relações de opressão. E nós mulheres trabalhadoras, contestadoras, negras, lésbicas, e quem estiver fora da norma/lidade somos alvo do controle ideológico, representado pelas leis, pela religião, pela grande imprensa, pela moral e pela família burguesa. Como dizia Flora Tristan, “as mulheres são as proletárias do proletariado”, e já no século 19 tinha consciência de que â€
œo matrimônio significava a apropriação da mulher pelo homem”.

Nós, Mulheres Rebeldes, acreditamos num feminismo autônomo e radikal. Autônomo de donxs, senhorxs, instituições, partidos e igrejas. Radikal, porque luta para destruir o patriarcado-capitalista em suas formas de organização social, política e ideológica. Não aceita dogmas e não acredita em modelos.

Nosso objetivo é subverter a ordem patriarcal, por isso a libertação de toda a humanidade é uma conseqüência lógica, e não a troca de domínio de um grupo sobre outro.

Capital = Patriarcado
Só a luta permanente e cotidiana nos liberta

Sem feminismo não há socialismo

MULHERES REBELDES, março de 2011

– para ver as fotos da Marian, clique aqui

Рas fotos neste texto ṣo de Jefferson Pinheiro

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *