O velho novo jeito da BM de lidar com manifestações

[Jornalismo B] Na tarde dessa terça-feira, 24/02, houve um protesto descentralizado em Porto Alegre – um ato no Centro e outro em frende à vila São Pedro (a cachorro sentado). Segue material produzido pelo Jornalismo B e vídeos mostrando a ação desproporcional da Brigada Militar e um depoimento de Domício Grillo.

EM MOBILIZAÇÃO DESCENTRALIZADA DO BLOCO DE LUTAS, 3 MIL MARCHAM NO CENTRO E REPRESSÃO DEIXA FERIDOS NA AVENIDA IPIRANGA

mafia-busaoDuas mobilizações descentralizaram a luta pela redução da tarifa do transporte público na noite desta terça-feira (24), em Porto Alegre. O Bloco de Lutas convocou oficialmente um protesto para a frente da Prefeitura da capital gaúcha, mas algumas organizações optaram por levar a cabo algo que já vinha se desenhando desde o início do ano: a realização de atos fora do Centro da cidade.

Essas organizações, encabeçadas pelo Movimento Unificado, tentaram trancar a Avenida Ipiranga na altura da Vila São Pedro, buscando construir um diálogo mais próximo com aquela comunidade. Porém, a via ficou fechada por poucos minutos: logo a Brigada Militar reprimiu o protesto com Cavalaria e Batalhão de Choque, entrando na comunidade atrás dos cerca de 50 ativistas que procuravam abrigo contra as bombas. De acordo com manifestantes, casas foram invadidas pelos policiais na busca pelos militantes. Rodrigo Brizola, do coletivo Vozes Libertárias, conta como foi: “O Choque nos encurralou nas vielas da Vila São Pedro e jogou muitas bombas de gás e de estilhaço. Também deram tiros de bala de borracha”, explica.

Diane Porto, que faz parte da Frente Quilombola e que também estava no ato da Avenida Ipiranga, comentou depois o que viu: “Eu vi um ódio inexplicável nos olhos daqueles policiais. Tinham sede de bater. Avançaram contra crianças, mulheres com crianças no colo, idosos, empurraram com seus cavalos e escudos para dentro da vila, onde não seria vista a totalidade da brutalidade. Ali, descarregaram toda a pressão que sofrem de seus comandantes. Me doeu a pancada na cabeça, doeu mais ver os companheiros apanhando miseravelmente, doeu ver tanta criança ali. E essas crianças sofrem isso diariamente”.

Três pessoas acabaram detidas: dois ativistas do Movimento Unificado e um do Utopia e Luta, todos sob alegação de “desacato”. Dois foram feridos pela polícia, sendo que um desses ativistas tinha suspeita de fratura na região do ombro. Segundo outros manifestantes, ele teria sido agredido por seis policiais. O outro havia sido atingido no rosto por uma bala de borracha. Muito machucados, foram encaminhados ao Hospital de Pronto Socorro (HPS), mas, mesmo depois de duas horas de espera, não foram atendidos. Acabaram levados à Delegacia de Polícia, e encaminhadas depois ao IML, para fazer exame de corpo de delito, sendo depois liberados.(…)

– leia toda a matéria, clique aqui

Vídeo da ação da Brigada na vila São Pedro:


Brigada Militar interrompe protesto na Avenida Ipiranga from Mídia Capoeira on Vimeo

Depoimento de Domício Grillo:

“pra galera que perguntou como eu estou, após o ato violento e insensato da policia militar, que já tinha a situação sob controle durante o ato contra o aumento da passagem na Vila São Pedro ou Cachorro Sentado. Na realidade ato que a policia impediu com seus métodos já conhecidos pelo povo da Cachorro Sentado e de outras vilas da cidade, mas como era um ato, um protesto dessa vez a munição foi não letal e eu até pude gravar um video após a palhaçada toda…”

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *