Ato em solidariedade aos Kaiowá

Aconteceu em Porto Alegre, neste dia 25 de setembro, protesto contra o genocídio do povo Guarani-Kaiowá.

“Nos últimos anos, os Kaiowá têm enfrentado violentos ataques contra suas vidas e a historicidade de sua terra no Mato Grosso do Sul.

Expulsos de seu tekoha (lugar onde se é) na década de 1940, em 2005, os Kaiowá iniciaram um movimento que busca a retomada do lugar de onde foram retirados. Tal movimento despertou a indignação de fazendeiros do agronegócio e parlamentares da bancada ruralista. Desde então, os Kaiowá tem vivido uma intensa perseguição cujo objetivo é claramente seu extermínio sistemático”.

Durante o ato, manifestantes leram o Artigo 231 da Constituição Federal que trata das questões indígenas.

Artigo 231 da Constituição Federal de 1988

Art. 231. São reconhecidos aos índios sua organização social, costumes, línguas, crenças e tradições, e os direitos originários sobre as terras que tradicionalmente ocupam, competindo à União demarcá-las, proteger e fazer respeitar todos os seus bens.
§ 1º São terras tradicionalmente ocupadas pelos índios as por eles habitadas em caráter permanente, as utilizadas para suas atividades produtivas, as imprescindíveis à preservação dos recursos ambientais necessários a seu bem-estar e as necessárias a sua reprodução física e cultural, segundo seus usos, costumes e tradições.
§ 2º As terras tradicionalmente ocupadas pelos índios destinam-se a sua posse permanente, cabendo-lhes o usufruto exclusivo das riquezas do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes.
§ 3º O aproveitamento dos recursos hídricos, incluídos os potenciais energéticos, a pesquisa e a lavra das riquezas minerais em terras indígenas só podem ser efetivados com autorização do Congresso Nacional, ouvidas as comunidades afetadas, ficando-lhes assegurada participação nos resultados da lavra, na forma da lei.
§ 4º As terras de que trata este artigo são inalienáveis e indisponíveis, e os direitos sobre elas, imprescritíveis.
§ 5º É vedada a remoção dos grupos indígenas de suas terras, salvo, “ad referendum” do Congresso Nacional, em caso de catástrofe ou epidemia que ponha em risco sua população, ou no interesse da soberania do País, após deliberação do Congresso Nacional, garantido, em qualquer hipótese, o retorno imediato logo que cesse o risco.
§ 6º São nulos e extintos, não produzindo efeitos jurídicos, os atos que tenham por objeto a ocupação, o domínio e a posse das terras a que se refere este artigo, ou a exploração das riquezas naturais do solo, dos rios e dos lagos nelas existentes, ressalvado relevante interesse público da União, segundo o que dispuser lei complementar, não gerando a nulidade e a extinção direito a indenização ou a ações contra a União, salvo, na forma da lei, quanto às benfeitorias derivadas da ocupação de boa fé.
§ 7º Não se aplica às terras indígenas o disposto no art. 174, § 3º e § 4º.
fonte: www.jusbrasil.com.br
caiowa site

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *