Lançamento do documentário Ka’aguy Rupa

O coletivo audiovisual Mbyá-Guarani Comunicação Kuery, o Coletivo Catarse e a Fundação Luterana de Diaconia – FLD convidam para a estreia do documentário Ka’aguy Rupa.

Quando: 15 de novembro, quarta-feira (feriado)
Horário: a partir das 16h 30min.
Onde: Tekoá Pindó Mirim – Aldeia Mbyá-Guarani de Itapuã, em Viamão/RS
Entrada franca e gratuita

Programação:
16h 30min: caminhada orientada pela aldeia
17h 30min: roda de mate e degustação de comidas tradicionais (kaguijy, jety mbixy, mandi’o, mbojapé)
18h: apresentação do grupo de canto e dança Nhamandu Nhemopuã (Nascer do Sol)
19h: lançamento do documentário Ka’aguy Rupa (28 min, 2017, legendado em português)
Após a exibição acontecerá uma roda de conversa sobre o filme.

Como chegar:
Ônibus sai do terminal Leonardo Truda. Descer passando o Parque Estadual de Itapuã, pedir ao cobrador que avise a parada da aldeia. Subir a ladeira, Estrada Gravata 529. Ponto de referência: Posto da Corsan.

ATENÇÃO!!!
O projeto disponibilizará transporte gratuito até a aldeia. Vagas limitadas. As inscrições podem ser feitas pelo fone 51 998943098 (com Tiago) até segunda-feira, dia 13.11, às 12h (Nome completo, telefone e RG).

Sinopse:
A mata (ka’aguy) é condição para a existência dos Mbyá-guarani. Por isso, o coletivo audiovisual de jovens mbyá Comunicação Kuery decidiu fazer um documentário sobre a ka’aguy ouvindo a sabedoria dos mais velhos e registrando as aldeias onde vivem no Rio Grande do Sul. Falar sobre sua importância para a alimentação, a medicina e para a espiritualidade de seu povo:

“Nhanderu (Deus) nos criou para vivermos na mata. Tudo que tem nela nos beneficia. É de onde tiramos nosso remédio tradicional. Vivemos num lugar onde tem mata, mas já não é como antigamente porque desde que os jurua (brancos) tomaram nossas terras, eles só querem lucrar com as matas, ganhar dinheiro. Nós Mbyá-guarani somos parte da natureza, vivemos e morremos com ela. Isso os jurua não compreendem. Olhando assim parece que ela não tem muito valor, mas para Nhanderu e para nossos sábios é o que temos de maior valor no mundo”.