A Persistência do Tempo

Estivemos no show do Anthrax aqui em Porto Alegre. Este aqui é um pequeno texto resenha da noite de 10 de novembro.

Mas vai ser um pouco diferente. Não vamos falar sobre a grande escolha do setlist, que terminou com um petardo, INDIANS, ou sobre a grande apresentação de quase todos os músicos, do baixista e baterista ao “dono da banda”, Scott Ian, que se apresentou na sua perfeita guitarra-base, ou sobre o esforço do vocalista Joey Belladonna em interagir com uma tímida e insuficiente plateia (não houve bis pela passividade ao final!) – mas muito contente de estar ali – e com a constrangedora forma do guitarra solo, mais parecendo um membro de banda de pagode aos passinhos de batuque do que de uma banda fantástica, de sons contundentes, de heavy metal clássico, que ele mesmo, nos dedos na guitarra, contribui imensamente.

Minha relação com Anthrax começa lá no meu segundo grau, em meados da década de 1990, com o álbum Persistence of Time. Ouvi em uma cassete gravada de um CD alugado em locadoras que existiam por toda a cidade. Copiei a fita em outra, uma BASF Cromo Extra II. Nunca a escutei muito, mesmo que gostasse do som. Minha praia no heavy metal era mais Metallica mesmo, quase exclusivamente, entre outras preferências que se constituíam via mundo do pop e rock and roll – como Led Zepellin, por exemplo. E fui me afastando naturalmente.

Sinceramente, hoje, ouvir algumas originais das músicas tocadas no Opinião naquela noite não me agrada tanto, porque o som parece mais ir para o lado de um Iron Maden ou de bandas que flertavam com o hard rock do que com aquele peso das guitarras base do Metallica. Mas Persistence of Time, mesmo com um uptempo alto, me agradava – e ainda agrada.

E no Opinião, neste novembro de 2017, mais de 25 anos depois, me encontrei com um tipo de som que, realmente, faz parte de mim. Ainda mais com esta versão ao vivo de músicas que transpassaram a história do grupo e que persistem no tempo.

Estou há 3 anos de volta ao heavy metal, tendo produzido mais de 80 programas de webrádio – o Heavy Hour – sobre o tema. Ou seja, me inserindo novamente na “cultura”. Várias vezes colocamos sons do Anthrax, mas nunca tinha ido a um show da banda. Realmente foi revigorante!

A nota ruim fica ainda pela presença entre a plateia de gente vestindo adereços do Pantera – que tem membros da banda declaradamente nazi-fascistas. Entende-se que o público do heavy metal seja erudito, com certo grau de intelectualidade – ou completamente ignorante mesmo, por não entender nada do inglês e curtir mesmo o tal do bate-cabeça e o bolo (headbang e moshpit). No caso do que vimos, todos presentes pareciam ter as letras bem afinadas e completas no seu inglês individual. O que suscita um estranho raciocínio: esses fãs do Pantera, que possivelmente compartilham de seus valores, como será que ficaram ao ouvir – e quiça até mesmo gritar – o refrão DIE FOR THE INDIANS! que encerrou a apresentação como uma assinatura clara de que Anthrax e o heavy metal são, sim, ativistas?

Mas é Porto Alegre. Nada me surpreende.

As fotos são de Billy Valdez e o texto de Gustavo Türck.

Imagens: Billy Valdez