Artistas se manifestam em defesa da TVE e FM Cultura

No dia de ontem, 20 de dezembro, um grupo de artistas esteve presente no Palácio Piratini e conseguio\u se manifestar contra a extinção da Fundação Piratini – TVE e FM Cultura – dentro das dependências do palácio.

UTF-8''Vozes do Laranjal  no Palácio Piratin.jpeg

Seguem o manifesto e fotos (Billy Valdez).

MANIFESTO PELA TVE, FM CULTURA E FUNDAÇÕES ESTADUAIS

Nós, músicos gaúchos, realizamos um ato de ocupação simbólica do Palácio Piratini na tentativa de fazer chegar aos olhos e ouvidos do governador José Ivo Sartori nossa mais absoluta indignação com a política de fechamento das emissoras e de desestruturação da comunicação pública do Estado do Rio Grande do Sul.

O fechamento da TVE e da FM Cultura representa o mais cruel silenciamento de nossa voz artística, de nossa produção intelectual e a ampliação do abismo já existente entre os criadores gaúchos e a população do estado, que tem o direito de se ver e de se reconhecer na comunicação pública sem o intermédio de patrocinadores ou agentes mercadológicos.

A TVE é a única emissora pública em canal aberto, e a FM Cultura é a única emissora FM que veiculam nossas músicas e nossas ideias sem restrição de credo, estilo ou ideologia. A nossa identidade, assim como a criatividade gaúcha, seja urbana ou seja rural, não devem ser limitadas ao enquadramento e formatação apenas em emissoras com fins lucrativos, cuja grade de programação e distribuição de horários é ditada pela supremacia conceitual do centro do país.

Em todos esses anos, em diferentes governos de diferentes orientações políticas, nunca tivemos nossa voz silenciada de forma tão brutal como se pretende fazer agora. A identidade e a criatividade de nossos artistas, de variadas tendências estéticas e artísticas, não pode simplesmente ser segregada da vida das pessoas que vivem no Rio Grande do Sul.

Mas a gravidade do fechamento das emissoras públicas da Fundação Cultural Piratini não reside somente no silenciamento das vozes de artistas e de intelectuais gaúchos. A extinção das emissoras públicas também afeta diretamente a economia da cultura local. Essa mesma que faz o Rio Grande do Sul grandiosos e digno. Afeta a artesania de novas possibilidades de vida e de trabalho e sobretudo nega a vocação da Fundação Cultural Piratini como cabeça de uma grande rede estadual de emissoras públicas, universitárias, educativas e comunitárias que possibilitam não somente a expressão da população gaúcha por si mesma, com seus diferentes sotaques e modos de vida, mas atua no fechamento da única via de escoação de nossa produção cultural, na mais absoluta contramão da tendência mundial de produzir riquezas a partir do capital sustentável proveniente de uma economia da cultura saudável e de uma indústria criativa vibrante.

Encerramos o nosso manifesto agradecendo a todas as pessoas que apoiam nossa causa democrática e cidadã e declaramos que NÃO ACEITAMOS A EXTINÇÃO DAS TVE, DA FM CULTURA, DA FUNDAÇÃO CULTURAL PIRATINI E das demais fundações estaduais. Não há o que justifique esta violência contra o povo gaúcho, sua história e sua própria identidade. Gritamos, pois nosso direito constitucional e nosso papel cidadão está sendo agredido!

VIVA A TVE E VIVA A FM CULTURA!

VIVA A FUNDAÇÃO CULTURAL PIRATINI!

VIVAM AS FUNDAÇÕES ESTADUAIS!

VIVA O ESTADO E O POVO DO RIO GRANDE DO SUL!

COLETIVO DE ARTISTAS PELO DIREITO À COMUNICAÇÃO PÚBLICA

(clique na imagem abaixo para ir à galeria de fotos)

Manifesto pela TVE e FM Cultura

%d blogueiros gostam disto: