MAIS QUE UM JOGO – O De León que sempre amaremos e o que esqueceremos

É impossível falar de Grêmio sem citar “El Capitán Hugo De León”, o lendário zagueiro uruguaio que ajudou a nos colocar no mapa do futebol mundial em 1983.

Nesta primeira Libertadores que vencemos em 83, contávamos com grandes jogadores e figuras que ficaram gravadas para sempre em nossa instituição e corações, sendo Renato Portaluppi o caso mais notório.

Entretanto, nenhuma imagem sintetiza tão bem a emergência do Grêmio FBPA no cenário nacional e latino-americano quanto De León segurando a taça que nos dava a América pela primeira vez enquanto um pequeno riacho de sangue desenhava em seu rosto uma daquelas imagens mágicas e raras que ficam para sempre gravadas em nossas mentes.

Hugo veio para o Grêmio em 1981, mesmo ano que a ditadura uruguaia organizou o “Mundialito”, torneio com os campeões do mundo que visava fortalecer a imagem do regime autoritário, e assim influenciar o povo uruguaio a referendar a continuação do mesmo em referendo que viria a ser realizado no ano seguinte de 1982 – e cujo resultado, felizmente, foi a vitória do “não”, marcando o início dos processos que conduziram o paisito de volta ao regime democrático.

Após vencer o Brasil na final da competição, o time uruguaio festejava a conquista com o público que havia invadido o gramado em êxtase e foi aí que De León confrontou o governo militar ao comemorar o título vestindo a camisa do Grêmio.

Hugo desagradou a ditadura ao celebrar a conquista com o uniforme do time brasileiro que ele se declarava torcedor, já que o evento tinha finalidades nacionalistas: o enredo de exaltação da ditadura uruguaia através da conquista do título foi desestabilizado pela icônica imagem do capitão De León beijando a taça vestindo a tricolor.

Aos jogadores, foi prometido pela junta militar um carro popular como prêmio, porém, pela atitude de enfrentamento de De León, ele e mais alguns atletas que atuavam fora do Uruguai não receberam a premiação.

O De León que sempre amaremos, portanto, é aquele do Mundialito que enfrentou, mesmo que talvez inconscientemente, a ditadura uruguaia.

O De León que sempre lembraremos é daquele capitão do nosso primeiro Campeonato Brasileiro em 1981, da Libertadores e do Mundial de 1983.

O Hugo de agora, talvez esquecido de como foi a ditadura em seu país – negligenciando como chegou, inclusive, a enfrentá-la – passou a declarar apoio ao neofascista, autoritarista, machista, racista e LGBTfóbico candidato Jair Messias Bolsonaro em seu twitter pessoal.

Ao Hugo de León de agora que serviu de cabo eleitoral e comemorou a eleição de um candidato tão afeito à ditadura (inúmeras são suas declarações de apoio e apreço pelo regime autoritário no Brasil) não reservaremos lugar em nossas memórias e corações.

Ao De León de 1981 até 1984, todo nosso amor, afeto e respeito.

Ao De León de 2018, nossa tristeza e esquecimento.

Movimento Grêmio Antifascista

O Repórter Popular, em parceria com o Movimento Grêmio Antifascista e a Frente Inter Antifascista, lança esta coluna para falarmos de futebol e política, desde uma perspectiva mais progressista/à esquerda. Toda semana, um texto assinado pelas próprios coletivos, alternando uma semana entre colorados e gremistas. Texto publicado originalmente AQUI.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *