Filmografia Social – Matilda é uma pessoa e não uma filha…

Talvez o pior tipo de abandono seja aquele sem ruptura de presença. Onde exista todas as condições para uma pessoa ser amada, acolhida e respeitada por outro, que, por sua vez, opta por rejeitá-la. Pode-se dizer que é um sadismo dos mais requintados, um poder que se exerce, que se é esfregado na cara e que deixa marcas profundas. Muitas vezes esse abandono não é percebido, mas corrói silenciosamente e passa a ser causador de muitos outros problemas. Outras vezes, vira uma ira descontrolada sendo a mais barulhenta das revoltas. Porém, para Matilda foi diferente.

Esta fábula delicada, com pitadas de terror, conta a história desta pequena gigante que, a partir do seu abandono, descobre seu grande poder.

Matilda é uma criança esquecida por sua família ignorante. Sua mãe passa os dias no Bingo, e seu pai é um trambiqueiro que compra peças de carros roubados e conserta usados vendendo-os a preços superfaturados. Desde muito cedo, a menina aprendeu a se virar sozinha, cozinhar, ler e escrever e, no meio dos pais e do irmão, que só se importam com seus universos particulares, passou a dominar sua vida, aguentando constantemente ofensas e violências. Um dia, muito tempo depois de já ter lido muitos livros que tirava sozinha da biblioteca pública, implorou para o pai a colocar numa escola, já que estava com 6 anos – e seus pais acreditavam que tinha 4! Enfim, Matilda conseguiu ingressar numa escola dirigida por uma mulher tão opressora quanto sua família, porém com uma professora amável e incentivadora, a única que vê em Matilda o grande fenômeno que ela é. Todo estímulo negativo que a menina recebe, ela canaliza e transforma em um superpoder que movimenta, apenas com seu olhar, objetos e pessoas. Com isso e com sua inteligência excepcional, consegue dar uma lição na diretora e em seus pais no estilo Another Brick in the Wall, fazendo um levante de crianças, também oprimidas por este mesmo sistema. Afinal de contas, ela aprendeu, observando seu entorno, que se uma pessoa é má, merece uma lição.

Este desenrolar da história é contado com muitos exageros, forças sobrenaturais e fatos inexplicáveis para o bom senso de quem gosta de filmes em que tudo deve ser factível, porém Matilda é a própria metáfora. Matilda é o furacão silencioso que inicia naquele lugar mais íntimo e solitário que habita em qualquer um de nós, mas que poucos têm a coragem de acessar. Matilda é aquela criança não planejada que os pais não tem paciência ou aquela planejada, mas que serve só para ser mostrada, que seus pais não sabem por onde começar a educar. Ela é a criança deste século que já fala por si e sabe escolher sozinha e que adultos não sabem como lidar com isso. É também a inocência transformadora e sincera que arrebata e que ninguém deveria perder na vida, nem aos 100 anos de idade.

NOSSA AVALIAÇÃO
Gênero:
fantasia/comédia
Temática Social: abandono, família, escola
Público-alvo: um filme para crianças, daqueles para assistir comendo pipoca com a família no fim de semana.
Roteiro: 
(bem construído dentro da proposta de um filme de fantasia. Engraçado, perspicaz. Como não procura tirar o riso fácil, ser bobinho, prende adultos também. Além da parte cômica, existem muitas cenas tensas que são muito bem feitas e lembram filmes de terror)
Dramaturgia: 
(o filme tem grandes atores como Danny DeVito – que também dirige -, Rhea Perlman e Pam Ferris. Figurinos e cenários bem produzidos, é um daqueles filmes que remonta filmes clássicos de Hollywood)
Aprofundamento da Questão Social: 
(pontuada do início ao final do filme. Começando com a chegada da família do hospital e que eles a esquecem no carro, até a última cena em que a própria Matilda elabora seus papéis de adoção e seus pais biológicos assinam, passando sua guarda à professora. Eles não enxergam sua inteligência, a mandam fechar o livro e ver televisão, ou, simplesmente ignoram suas necessidades em detrimento de qualquer bobagem. Isso tudo colocado sempre de uma maneira bem exagerada, porém, como muitas vezes vemos absurdos reais e pensamos: “se colocassem isso num filme, diriam que é um absurdo”, talvez o termo não seja exagerado, mas, como falei no texto acima, a própria metáfora desta questão social)

 

Por Têmis Nicolaidis

– Filmografia Social é um conteúdo apoiado pela Graturck – perícia social, consultoria e cursos (www.graturck.com.br) e é publicado simultaneamente no site/redes do Coletivo Catarse e no site/redes da Graturck todas as quartas-feiras

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *