MAIS QUE UM JOGO – O fascismo é uma realidade material!

Entre a segunda metade do século 19 e os anos 1960, as ciências humanas conheceram um período de forte desenvolvimento. O começo da aceitação da Linguística no meio acadêmico, o surgimento dos estudos que deram origem aos fundamentos da Semiótica, a Sociologia, a Antropologia, enfim, as ideias do ser humano, os seus pensamentos e os processos de formação, que vão refletir nas suas práticas, começaram a entrar na ordem do dia do mundo científico. Os estudos iniciais de Freud, que abriram caminho para a análise da mente humana para além da perspectiva médica tradicional, e que influenciaram a Psicologia Analítica junguiana (que, por sua vez, consolidou a ideia do humano como um ser simbólico, ainda mais do que pensante, na perspectiva do filósofo alemão Ernst Cassirer). Tudo isso serve hoje pra nos auxiliar na tentativa de entendimento do que está acontecendo no mundo, a partir da verdadeira marcha obscurantista que estamos vendo nos últimos anos.

A sentença inicial deste escrito traz um detalhe de ordem gramatical que objetiva uma concepção semântica específica no enunciado: o termo fascismo está grafado com inicial minúscula, porque queremos tratar deste fascismo, analisado enquanto conjunto de ideias e práticas adotadas por muitas pessoas, desde sempre, mas que de maneira nenhuma admitiriam ser chamadas de fascistas. Isto porque, no imaginário popular, o adjetivo fascista transfere a relação para o campo do sistema ideológico político formal, consubstanciado no Fascismo, com inicial maiúscula. É possível entender, estabelecida essa relação, que as pessoas não queiram ser definidas como fascistas. Salvo casos em que se verifica notória perturbação mental, não é comum que alguém saia às ruas com camisetas estampando fotos e mensagens de gente como Mussolini, Franco, Salazar. E, claro, falamos isso sem esquecer a pequena ode dita em plenário a um dos maiores torturadores que o Brasil já teve a desventura de produzir (não é necessário explicar, imagino).

Feita essa introdução genérica, que parece ser necessária para estabelecer os limites do assunto, apresentamos a questão efetiva que pretendemos trazer ao debate. E fazemos isso com uma pergunta: a quem interessa frear o combate ao fascismo? E especificamente na esfera de que partem as ações de resistência que temos por referência, pergunta-se: por que o fascismo não deve ser combatido no âmbito do futebol? Esta última pergunta se justifica no momento em que a Frente Inter Antifascista é atacada publicamente, sob o frágil argumento de que não se deve usar qualquer símbolo do clube para ações políticas. Dois atos dessa contraofensiva merecem destaque: (a) um primeiro artigo publicado pelo conselheiro e ex-dirigente do Internacional Roberto Teixeira Siegmann no importante fórum virtual “Espaço Vital”, em que propõe uma análise histórica – muito superficial – das relações entre figuras da política institucional com o clube¹; (b) uma reunião de lideranças coloradas ocorrida na última terça-feira em um tradicional restaurante do bairro Menino Deus, com o objetivo de discutir as ações tidas como indevidas da Frente. Esta reunião é referida pelo conselheiro precitado em outro artigo no mesmo Espaço Vital², no qual o articulista, por desconhecimento ou alguma razão que nos foge ao conhecimento, parece confundir as coisas no espaço político interno, associando a Frente Antifascista a um Movimento político que vem angariando apoio dentro das diferentes esferas do Clube, que, não obstante não tenha o nome declinado, supomos saber qual seja.

Não podemos receber como surpresa a reação das forças conservadoras do Internacional a um  processo de oxigenação das esferas políticas do clube, que deveria, ao contrário ser visto como salutar. As áreas de poder sempre foram um espaço reservado às confrarias, aos grupos de amigos/as, que indicavam parentes e correligionários/as (sim, correligionários/as) a fim de demarcar o território. Quando essa estrutura começa a ser abalada e a democratização efetiva avança, é natural a reação das elites. O que nos causa profunda estranheza é a motivação político-ideológica que fica evidente nessa grita. Como já deve estar claro, o Fascismo (com inicial maiúscula) não é um sistema político vigente. Não temos notícia de um Partido Fascista Brasileiro, por exemplo. Ou seja, o fascismo que se busca combater é um composto de subjetividades, não um sistema político objetivo. Não se imagina que alguém seja contra a adoção de medidas contra o racismo no espaço destinado ao futebol. Ou contra a homofobia, pela erradicação da pobreza etc. Essas discriminações, se tomadas em conjunto, autorizam que se chame quem as pratica de fascista, numa abstração do termo. Ou não? Com isso, não parece absurdo dizer que a partir do momento em que se usa o (frágil) argumento de que os símbolos do clube não podem ser usados por uma ação que combate o fascismo, em face das limitações normativas internas sobre a utilização do clube para fins políticos, está se admitindo o Fascismo (com inicial maiúscula) como campo político possível. Nesse sentido, cabe lembrar o que ocorreu nas últimas eleições gerais, quando várias iniciativas, muitas das quais extremamente autoritárias e até ilegais, foram tomadas para impedir que se adjetivasse o campo político que acabou saindo em grande parte vitorioso nos pleitos de fascista. Ao impedir, com amparo jurisdicional, inclusive, que se atacasse certas candidaturas como fascistas, porque isso estava supostamente em desacordo com a legislação eleitoral (direitos de resposta concedidos, determinação de proibição de veiculação de peças etc.), não se estaria reconhecendo que essas candidaturas atendiam a essa condição? Parece evidente que se o Fascismo não é um partido e sequer uma corrente política, não há prejuízos à lei quando se qualifica dessa forma uma plataforma específica. Ou será que havia de fato uma (ou mais) candidaturas fascistas?

A mesma análise pode ser feita na esfera do clube. Não sendo o Fascismo uma força política atuante do ponto de vista formal, em que ponto há o ataque às regras estatutárias e normativas do clube ao criar um grupo de combate à prática do fascismo (com letra minúscula) com o uso de símbolos colorados? Combater individualmente as práticas discriminatórias (racismo, homofobia, intolerância religiosa), é válido e estimulado, mas reagir contra elas de forma coletiva, reunidas sob o nome histórico do fascismo é ação política que fere as normas?

Fica bastante claro que a reação às ações da Frente Antifascista originada na torcida do Internacional tem outros objetivos, que não propriamente a defesa do clube contra o uso indevido de sua imagem para fins políticos. Há evidentemente a intenção de preservar, ou, por outra, de retornar a um estado de coisas anterior, em que as elites dominavam o ambiente do clube. Para conter o avanço das forças progressistas no Inter, o conservadorismo lança mão de todos os recursos, inclusive atos desesperados para buscar na legislação interna as possibilidades de evitar que o clube se democratize que volte a ser, também na prática, o Clube do Povo.

¹https://www.espacovital.com.br/publicacao-36986-o-internacional-de-ildo-meneghetti-hugo-chavez-olivio-dutra-e-jair-bolsonaro

²https://www.espacovital.com.br/publicacao-37010-internacional-anti-oportunismo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *