Machi Celestino Córdova inicia sua última greve de fome e seca

Liderança espiritual Mapuche deixa suas consideradas últimas palavras, que transcrevemos ao português e difundimos aqui, gravadas poucas horas antes de iniciar a sua última greve de fome e seca. Isso significa que Celestino Córdova não ingerirá nem alimentos nem líquidos, portanto, a decisão leva ao colo do Estado chileno a escolha de assassinar uma autoridade ancestral Mapuche ao invés de libertá-la da prisão e aceitar a proposta de cárcere privado em sua residência.

Tradução:
Mari mari kom pu che!

Aqui fala Machi Celestino Córdova, autoridade espiritual Mapuche. Devo lhes entregar minha última mensagem há algumas horas de iniciar a greve seca como uma forma de conseguir meu descanso físico nesta terra, mas também sendo consciente que minha vida continuará reiniciando na outra dimensão da existência das vidas no universo, como claramente confirma nossa cosmovisão Mapuche, e me colocando à disposição de nosso kaül wenu mapu chew esperando no futuro voltar à encarnação com a finalidade de continuar lutando assim como me coloquei à disposição do meu Povo Nação Mapuche – e também o não Mapuche – para o serviço da humanidade sem discriminação racial pelo meu papel de Machi. Assim, também, devo lhes recordar a toda a sociedade e os Estados e os governantes de todo o mundo que, se os governantes tivessem realmente mandatado no mundo espiritual e não sob a eleição terrenal, haveria suficiente sabedoria sobrenatural para resolver distintos assuntos sociais, mas, como aquele governante não tem suficiente sabedoria em resolver os distintos conflitos sociais, por não estar à altura, finalmente me matará. Mas, o mais importante, é ter presente que minha vida ou minha morte dependem do meu Povo Nação Mapuche e o não Mapuche em Resistência, a que não me cabe nenhuma dúvida que responderão duramente e firmemente por nossas crenças espirituais Mapuche, pela liberdade de todos os presos políticos Mapuche e não Mapuche, pelos direitos de dignidade do Povo Nação Mapuche, pela revolução dos nossos territórios ancestrais, pelos antigos e recentes caídos nas mãos do Estado chileno. Estou disposto a dar a vida.
Chaltumay – Muchas gracias.

Fonte da foto de destaque: NUE

Fonte: mapuexpress.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: