Placenta medicina sagrada

Por Barbara Mainoí

Honro profundamente a irmã dos meus filhos, sua placenta. Quanta cura, quanta medicina. Me emociona pensar que, além de um bebê, gerei também um ser só para nutri-lo, para ser sua guardiã e nosso canal de comunicação.

Não vou entrar em detalhes de toda a imensidão de cura que ela traz, até porque não sou placenteira, sou uma mãe apaixonada por essa medicina. Mas recomendo essa busca, a todes nós. Afinal, quem de nós aprendeu sobre ela? Quem de nós teve a oportunidade de ver, saber, carregar consigo sua placenta? Nossa geração cesárea aprendeu que placenta é resíduo hospitalar. E NÃO É! Placenta é medicina, é sabedoria, é conexão, é guardiã dos nossos filhos. Ela tem o código genético do bebê, carregando nas suas células toda medicina que pode acompanhar mãe e bebê por toda a vida, e não apenas deles como de toda a linhagem materna daquele bebê.

A placenta do Arumã, depois de ter tido partes ingeridas nos primeiros 2 dias pós parto, foi transformada em tintura e depois ofertada a mãe Iemanjá no seu dia. Essa medicina já chegou a algumas pessoas, auxiliou uma irmã na entrada da menopausa, e sempre está presente nas medicinas preparadas para qualquer fim na família. Uma lunação antes do parto da Sebastiana, Arumã começou a tomar homeopatia da sua placenta e vi claramente como ela ajudou ele a fazer essa transição da chegada da irmã.

Com a placenta da Sebastiana, recebemos o presente de explorar ainda mais seus usos, que compartilho aqui para que chegue a mais e mais gente, espalhando essa semente do resgate dessa medicina sagrada.

🌱 Ingerir pura ou batida em sucos. A ingesta da placenta pela mãe no pós parto imediato auxilia na recuperação física e energética. Só passando pela experiência pra saber a energia que se ganha no momento em que se come a placenta. O corpo responde na hora. Preferi, nas duas vezes, comer ela pura e crua, meu corpo pediu e respeitei, foi incrível! Compartilhei com quem estava presente no parto, inclusive Arumã foi o primeiro a provar a placenta da irmã. Não tirei foto do prato no pós parto, então essa foto já é de uma parte congelada.

🌱 Encapsular. O processo de desidratação e encapsulamento permite que a puerpera siga se beneficiando dessa medicina durante os dias e semanas que seguem após o parto. Ela tem hormônios e nutrientes que ajudam o corpo a restabelecer o vigor, o útero a voltar ao seu lugar, repor o ferro e, ainda, a formar o sistema imune do bebê, que recebe toda essa informação pelo leite materno. Sinto, ainda, que nos faz bem, a mim e à minha filha, ter por perto sua placenta e poder sentir ela ainda nutrindo seu ser. Estou amando receber diariamente a força desse cuidado.

🌱 Tintura mãe. A tintura é minha medicina favorita. Ela preserva, em meio alcoólico, toda sua informação por toda nossa jornada. Aqui fizemos uma tintura da placenta e outra do cordão, cada uma com sua função. A partir da tintura, pode-se preparar homeopatias, que vão atuar nos níveis mais sutis.

🌱 Arte. A medicina da beleza. Aqui fica o agradecimento mais que especial à nossa parteira Naby Lah por ter trazido esse olhar amoroso e belo pra nossa placenta e ter nos presenteado com essas lindezas. O que fizemos aqui foi

  • carimbo, com o próprio sangue
  • tamborzinhos com as membranas que envolvem a placenta (essas membranas também são medicinais, mas optamos pelo artesanato pela dificuldade de armazenar no clima úmido de Ubatuba)
  • filtro dos sonhos com o cordão umbilical
  • pintura da minha chanupa com o sangue

🌱 plantar ou outra forma de oferta-la de volta à Terra. Preservamos uma parte congelada (a da foto) para uma cerimônia de retorno a pachamama. Algumas pessoas enterram no local do nascimento, outras em uma árvore centenária, algumas preferem plantar uma nova árvore onde ela é plantada. Ainda não senti como vai ser dessa vez, com Arumã o chamado foi para a água e fizemos esse rito de entrega ao mar. Vale a pena ler sobre as diferentes cerimônias e rituais em diversas culturas pelo mundo, é muito lindo.

Seja como for, honremos nossas placentas. Curemos nossas linhagens. Aha!

Este slideshow necessita de JavaScript.

 

Fotos de arquivo de Barbara Mainoí

* Para saber mais assista a live de Roxana Valdez (Mama Luz) aqui;
* Indicação de leitura: Placenta: o mais feminino de todos os remédios, de Cornelia Enning;
* Medicina da placenta, acesse aqui.

 

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: