03/09/2020 – 19h Live da abertura da exposição Arte Kaingang Kamé e Kanhru

No canal de Youtube da humana Sebo, Livraria e Galeria

Segue a chamada:

Para os kaingangs da Reserva Kondá e Toldo Chimbangue localizadas em Chapecó, seria mais adequado escrever o nome da cidade da seguinte forma “Sãpe ty kó”, que significa “chapéu de palha”.
No centro desta cidade, não apenas os kaingangs foram apartados social e geograficamente (ambas as reservas se situam à margem, na fronteira noroeste) mas também linguisticamente: aconteceu com o estádio e a rua Índio Kondá que agora, domesticados, se tornaram simplesmente Rua Condá e Arena Condá.
Com muita honra a Humana Sebo Livraria Galeria recebe em seu espaço não apenas as peças criadas e laboradas pelas mãos kaingangs mas também o gesto mais do que necessário, reparatório, de se ocupar os espaços de arte e cultura com a produção simbólica e artística desta importante etnia que, atualmente, está entre as cinco mais numerosas do Brasil.
Trazer os trabalhos kaingangs à uma galeria de arte – porque arte é o que eles e elas produzem – não porque a galeria é melhor que o meio-fio da calçada mas porque tardou o tempo de olhar com a devida atenção para essa riquíssima produção, hoje reconhecida e valorizada, por exemplo, na Europa, embora ainda ignorada por muitos de nós. Além disso, há aqui também um gesto espiritual e histórico de se reverenciar aos nossos antepassados primeiros.
A mostra conta com o apoio da Fundação Nacional do Índio (FUNAI) e da artista Silvia Baggio, que realiza um importante trabalho de orientação e estímulo à produção junto aos kaingangs.
Os(as) artistas indígenas produziram objetos – utensílios como cestos, lanças, peneiras, adornos, colares – que estão à venda ao longo da exposição. Levando em consideração a pandemia que nos atravessa junto ao frio e à fome, tão presentes no cotidiano kaingang, propomos unir esforços para a venda dos trabalhos: todo o recurso angariado com as vendas será transferido para a Associação dos Artesãos Kamé e Kanhru da Reserva Kondá.
A exposição não faz parte da programação de aniversário da cidade de Chapecó: no dia 25 de agosto de 2020, o homem branco comemorou os 103 anos do município, observando uma peça legislativa de nº 1147 de 25 de agosto de 1917. A arte e o árduo exercício de sobrevivência kaingang nos lembra que o que se chama Chapecó já existia como espaço demográfico muito antes da chegada do imigrante branco que promoveu um verdadeiro genocídio étnico, que ainda hoje persiste, considerando a falta de políticas públicas para a saúde, a habitação e a existência kaingang.

Live de abertura da exposição:
Data: 3 de setembro de 2020, quinta-feira, às 19h
Com: Janaína Corá, Kelita Rodrigues e Silvia Baggio
Transmissão: desde a página do Youtube da Humana Sebo e Livraria

Visitações:
De 4 de setembro a 31 de outubro de 2020; de segunda a sexta-feira, das 10 às 18h; sábados, das 9 às 12h, entrada franca (serão admitidas apenas 2 pessoas por vez para visitação por conta dos cuidados necessários à contenção da pandemia);

Ficha técnica:
Realização: Associação dos Artesão Kamé e Kanhru da Reserva Kondá e Humana Sebo Livraria Galeria
Apoio: Fundação Nacional do Índio (FUNAI)
Organização: Janaína Corá, Silvia Baggio, Kelita Rodrigues
Texto: Janaína Corá
Fotografias e catálogo: Germano Denardi

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: