Bruno Cortez e o gol mais importante do ano!

Por Grêmio Antifascista.

Comemoramos no último dia 30 a conquista de mais um campeonato gaúcho pelo Grêmio, entretanto, o maior feito nesta conquista não foi o tricampeonato mas a postura do lateral-esquerdo Bruno Cortez ao vestir a camiseta com a inscrição “Vidas Negras Importam” durante a comemoração.

Sabemos o alcance que uma imagem de um jogador do esporte mais popular no país pode ter – lembremos do jogador de futebol americano Colin Kaepernick que em protesto ao racismo nos Estados Unidos, começou a se ajoelhar durante a execução do hino nacional antes das partidas em 2016 e que (re)acendeu debates sobre o tema. Ao vestir a camiseta com o lema antirracista Bruno Cortez visibilizou e amplificou a pauta do racismo e da necessidade de debate do mesmo. A questão é fundamental para compreendermos nossa sociedade não somente porque fomos o maior país escravocrata do mundo, mas também porque os corpos negros continuam sendo os que mais sofrem injustiças e desigualdades econômicas, políticas e sociais.

Ao contrário do que se quer fazer crer (tomemos para nós gremistas o triste e marcante caso Aranha em 2014), o racismo não é uma exceção. O racismo estrutural está associado à gestão da morte (ou necropolítica) em curso no país ao longo da sua história e enormemente reforçado pelo bolsonarismo atualmente. O genocídio preto não é um efeito colateral da política, ela é a política de estado e quem acaba por regulá-la é o racismo estrutural.

Uma das inúmeras formas de se combater o racismo é também a projeção da imagem e mensagem de que “Vidas Negras Importam” como fez o Cortez – assim como seu filho, o xodó da torcida Cortezinho, que comemorou em casa o título com uma camiseta igual ao pai. Evidentemente só a mensagem neste episódio não é suficiente para desmantelar o racismo entranhado na polícia, judiciária e de modo mais amplo nas subjetividades do brasileiro (em especial dos sulistas), mas publicizá-la é essencial para que o tema nunca caia no esquecimento e não seja “domesticado” com a ideia de que sempre se trata apenas de um caso isolado.

Bruno Cortez fez o gol mais importante do Grêmio no ano mesmo sem ter marcado durante os 90 minutos regulares da final.

Vidas Negras Importam!

Movimento Grêmio Antifascista

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: