Toura

Poesia audiovisual parte do processo criativo do espetáculo Labiríntica, livre adaptação do mito do Minotauro, porém sob a perspectiva feminina. Neste fragmento poético a Toura é uma personagem mitológica ancestral que vive no centro da terra e deu origem à toda a vida como conhecemos. Na superfície vive a Mulher Construída que segue tendências que a castram e a diminuem e se encontra, hoje, como vaca pertencente a uma manada, reprodutora, leiteira. A Toura está chamando a mulher construída para dentro do seu útero novamente para lembrá-la de que sua essência não é de vaca, mas de toura.

Aspectos técnicos
O universo da Toura e da Mulher construída é retratado através da performance, da dança e das sombras e vem, justamente para investigar o hibridismo de linguagem através do meio audiovisual. Este vídeo experimental, procura respostas para algumas inquietações: Como fazer caber em dispositivos eletrônicos a potência de uma performance ou de um obra cênica? Como dar ênfase a outras linguagens sem que o audiovisual as sobreponha? Que arte nasce deste cruzamento? O hibridismo acontece de fato?
Na cena são dois universos retratados, o da Toura: quente, terra, fogo, sombrio. Da mulher construída, água, frio, concreto. Neste jogo entre um universo e outro existe algo de cíclico, uma mensagem que fica em aberto. A proposta desta poesia visual, vem na perspectiva de ter uma continuidade investigativa, a medida em que a intenção é produzir um conteúdo artístico mais profundo, seja um espetáculo, uma performance ou um filme, chamado Labiríntica, mas que tem a sombra como linguagem condutora da narrativa.

Ficha Técnica

Roteiro, direção, produção, cenário, fotografia e edição
Têmis Nicolaidis

Assistência de direção, produção, cabelo e maquiagem
Aline Ferraz

Assistência de direção
Raul Voges

Colaboração criativa
Alexandre Fávero
Fabiana Bigarella
Lorena Sanchez

Trilha sonora original
Stefano Rodrigues

Tratamento finalização de áudio
Gustavo Türck

Agradecimentos
Aline Leão
Alexandre Fávero
Coletiva Íris
Fabiana Bigarella
Flávia Cardoso Oliva
Gustavo e Mainô Türck
Lorena Sanchez
Marcelo Cougo
Paulinho Bettanzos
Rowena FG

Apoio cultural
Aldo Coletti Cardoso Filho e Estela Nicolaidis Cardoso
Coletivo Catarse
Cia Teatro Lumbra

Produzido entre Setembro e Outubro de 2020.


Este projeto foi contemplado no Edital FAC Digital, uma parceria da SEDAC/RS e da Feevale.
Facebook: @RS.sedac, @feevale e @feevaletechpark
Twitter: @sedac_rs e @Feevale
Instagram: @sedac_rs, @feevale e @feevaletechpark
Site: www.cultura.rs.gov.br, www.feevale.br e www.feevaletechpark.com.br

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: