Seja um fiasco de vez em quando!

por Tiago Bueno

Eu começo a escrever e gostaria de falar por meio da espontaneidade, com meu coração aberto e trazer coisas que sejam verdadeiras. Eu gostaria de bater um papo contigo, como um amigo, como teu irmão. E eu gostaria também de tomarmos um café juntos, pois acho que isso se faz em família. E somos da mesma família. Uma família de propósito.

Meu propósito é permitir que as pessoas sejam quem elas são e que se sintam bem-vindas e aceitas do jeito que são. Não me sentiria bem criticando, julgando, apontando erros nos outros. Não gosto que façam isso comigo e não gosto de fazer isso com os outros.

Hoje saí para dar uma volta com uma amiga e fomos almoçar. Lá no restaurante me serviram tão pouca salada que fiz um “fiasco”. De vez em quando irei fazer um fiasco. Há margem pra errar e pra fazer papel de ridículo. Eu gostaria também de fazer mais vezes papel de ridículo. Não sempre, mas de vez em quando. Gostaria de sair da “pose” e ser tão humano quanto qualquer outro. Acho que irei fazer fiasco com mais frequência, errar mais vezes, fazer coisas diferentes, me desafiar. É tão chato viver de forma contida, preocupado com o que os outros pensam a nosso respeito. Eu quero dar passos maiores, me desafiar a quebrar essa concha que me faz ser um ser humano normal.Por que temos medo de sermos diferentes? Quero ser um caboclo, andar com facão na mão, fazer fogo todas as noites, cantar, rezar e dançar.

Quando morei na Praia do Rosa, vi o quanto aquele lugar estava mais livre dos estereótipos que aprisionam as pessoas nas grandes cidades. Pude experimentar ser mais eu. Agora, de volta à cidade, quero fazer mais fiascos e enfrentar o medo de desagradar os outros. Não irei prejudicar ninguém, obviamente. Mas também não irei me adaptar à obrigação de ser normal, contido e reprimido.

Acho que a estrada é um bom lugar para se ter boas experiências de liberdade. Depois delas, você volta diferente. A sociedade espera por nós. Espera por pessoas inspiradas, desobedientes, desviadas, que rastrearam sua própria submissão e que ousam saltar para fora da trilha conhecida. Vem comigo, dar fiasco e fazer papel de ridículo! Quem sabe assim nos conectamos com nosso verdadeiro código interno, capaz de nos levar para além da obrigação de ser normal.

Tiago Bueno é professor e pesquisador sobre Inteligência e Preparação Emocional de Jovens e Adultos. É também autor do livro “Ser quem você é: como usar a comunicação não-violenta” e criador do áudio diário “Vento da Liberdade”. Publica em seu blog Laboratório Itinerante de Diálogo Regenerativo.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: