Uma reflexão sobre Poder Coercitivo

Se há golpe, este poder está envolvido – seja com polícia, exército ou judiciário. O braço forte, mão inimiga, do Estado – paralelo ou não -, é o aríete das ações escusas que historicamente afligem os povos da América Latina. E agora não tem sido diferente. Em duas lives, o Coletivo Catarse propôs um debate estrutural e de efeito deste poder, que não pode ser ignorado ou analisado superficialmente. Não é à toa que regimes totalitários se apoiam em bases de repressão ou ditadores de ocasião procuram usurpar pelo militarismo a sensação de democracia com ameaças seguidas a pleitos eletivos.

Nesta primeira discussão, a conversa foi no espaço do Podcast do Coletivo Catarse, com o policial civil e vereador de Porto Alegre, Leonel Radde, e com o especialista em segurança pública e Direitos Humanos, Marcos Rolim.

Já a segunda live marcou a (re)estreia do Heavy Hour! Com um debate mais pesado, mas mais soltinho – ou não -, reuniu na mesa virtual – além dos ébrios heavyhouristiqueiros – Victor Ribeiro, direto do Rio de Janeiro, documentarista com ênfase em coberturas de ações policiais, Luiza Correa de Magalhães Dutra, mestra e especialista em segurança pública, cidadania e diversidade, Clarice Zanini, advogada e ativista principalmente dos direitos à moradia, e, para falar da situação absurda na Colômbia, Emanuel Girlado Betancur, professor e documentarista. Vale dar o play aqui ou colocar na sua TV ou smartphone e curtir também as músicas!


SERVIÇO DAS LIVES:

Poder Coercitivo em pauta – Live #01
O que é, para que serve, quem opera e por quê? Polícia? Quem precisa?

Nesta primeira live (qui, 01/07, 19h) – de uma série de duas -, o Coletivo Catarse abre o seu podcast para fazer uma proposta de discussão acerca deste poder que é o responsável por manter a ordem – mas quem quer, não é mesmo, evitar desordem?

No Braziu e na América do Sul de hoje, não são poucas as vezes que se evoca o fim das polícias militares ou então se dá o alarme das forças paralelas, da milícia ou até mesmo do comprometimento das estruturas de segurança com determinada ideologia. Afinal, o que compõe esse poder e como ele funciona? Por que são tantas as evidências das vezes que tanto o exército como a polícia se voltam contra suas populações, bancando não só condutas lesivas, mas até mesmo golpes de Estado?

Nesta proposta mais estrutural, a primeira live traz Marcos Rolim, sociólogo e especialista em segurança pública, com ampla atuação no campo dos Direitos Humanos, e Leonel Radde, policial civil, de posicionamento antifascista, e vereador pelo PT em Porto Alegre. Com apresentação de Gustavo Türck e Marcelo Cougo e apoio técnico de Billy Valdez.

  • Marcos Rolim, doutor e mestre em Sociologia (UFRGS), com pós-doutorado pela mesma instituição. Especialista em Segurança Pública pela Universidade de Oxford (UK) e jornalista (UFSM). Foi presidente das comissões de Direitos Humanos da Assembleia Legislativa do RS e da Câmara dos Deputados. É professor do mestrado em Direitos Humanos da UniRitter, membro fundador do Fórum Brasileiro de Segurança Pública, membro da Assembleia Brasil da Anistia Internacional e dos conselhos da ONG Artigo 19 e do Centro para a Promoção dos Direitos Humanos (CPPDH), órgão vinculado à Uneco, com sede em Buenos Aires. É autor de vários livros, entre eles: “A Síndrome da Rainha Vermelha: policiamento e segurança pública no século XXI” (Zahar, 2006) e “A Formação de Jovens Violentos: um estudo sobre a etiologia da violência extrema” (Apris, 2016).

  • Leonel Guterres Radde é Policial Civil, Antifascista, Zen Budista, Aikidoka, vegetariano e vocalista da banda Calibre. Se destaca por ser um ponto fora da curva: é um policial civil de esquerda e declaradamente está em defesa dos direitos humanos. Leonel é reconhecido nas redes sociais pelos seus vídeos em resposta aos desmontes dos governos federal e estadual e por disputar espaço com influenciadores digitais da extrema direita. Essa característica conferiu ao candidato um dos melhores engajamentos orgânicos nas redes sociais durante a campanha. O vereador do PT possui uma trajetória interdisciplinar, trabalhou como ator durante 15 anos, cursou história na Universidade Federal do Rio Grande do Sul e teve uma longa carreira na Policia Civil enquanto aumentava seu conteúdo acadêmico através de mestrado em Direitos Humanos. Atualmente, tem se destacado na Câmara Municipal de Porto Alegre por ter um mandato combativo na defesa do serviço público.

Live #02 sobre Poder Coercitivo e… (re)Estreia do Heavy Hour!
O Coletivo Catarse traz, nesta segunda (12/07), 19h, o Heavy Hour de volta! Em formato diferente, live e com 2h de músicas e temas pesados! Nesta (re)estreia, entra na série Poder Coercitivo em pauta, somando à discussão mais estrutural feita anteriormente, mas trazendo agora os efeitos nefastos na sociedade. Quem sofre com a pancada do Estado? E por quê? Junto à equipe heavyhourística, teremos Victor Ribeiro, documentarista e ativista com ênfase em registros audiovisuais de ações da polícia, Luiza Correa de Magalhães Dutra, especialista em segurança pública, cidadania e diversidade, Clarice Zanini, advogada, e, direto da Colômbia, Emanuel Girlado Betancur, professor e documentarista.

Um comentário em “Uma reflexão sobre Poder Coercitivo

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: