A cultura brasileira entrou numa frias

Por Rodrigo Navarro:

Em 1913, quando os ares da Grande Guerra já prenunciavam os estertores da Belle Époque, A Sagração da Primavera botou pra quebrar – literalmente – o Champs-Élysées.

Alguns anos depois, exatamente um século atrás, do lado de cá do Atlântico, ao dizer o poema Os Sapos, de Manuel Bandeira, para uma plateia influenciada pelo conservadorismo eugenista e racista de Monteiro Lobato, Ronald de Carvalho abalou a estrutura da elite cultural paulistana.

Para além da ruptura dos modelos tradicionais da arte vigentes na época, esses dois eventos têm em comum o fato de terem sido idealizados por gente da alta classe. Quando levou ao palco o espírito pagão da grande obra de Stravinsky, Nijinski já era um bailarino consagrado, polêmico, mas consagrado. E o Ballet Russo de Sergei Diaghilev já se inscrevia entre as principais companhias europeias. Por aqui, embora a Semana de Arte Moderna tenha se realizado em 3 e não em 5 dias, como era a ideia original, não deve ter sido baixo o valor do aluguel do Teatro Municipal.

Fato mais importante ainda, que une esses dois momentos decisivos da história da arte, é a busca dos elementos populares para a construção de uma obra capaz de questionar os cânones. Cabe, então, uma pergunta: por que razões as manifestações populares necessitam do aval das elites para alcançar o status de arte? Quando a Bossa Nova arrancou aplausos entusiasmados do Carnegie Hall, no palco não estavam presentes os mestres daquela arte. E quantas pessoas não teriam se surpreendido ao saber que aquela música complexa e refinada tinha origem nos terreiros e quintais dos morros, quilômetros acima das badaladas praias da zona sul do Rio?

As manifestações populares constituem a essência da alma cultural de um país. Quando as elites e estruturas governamentais são inteligentes, o que não significa necessariamente dizer que são boas, elas usam a arte a seu favor, ainda que por meios questionáveis, como fez o governo dos EUA, via CIA, com o Expressionismo Abstrato de Jackson Pollock e Mark Rothko nos anos iniciais da Guerra Fria. Quando o governo é Bolsonaro, o que significa necessariamente dizer que é mau, se promove o ataque sistemático e violento à cultura e à classe artística e o sucateamento de todas as politicas de financiamento e incentivo à arte.

Enquanto isso, continua sem resposta a pergunta feita pelo Arnaldo Antunes: como explicar a Lei Rouanet pra quem ainda não entendeu a Lei Áurea?


Rodrigo Navarro Lins de Aguiar é técnico do Ministério Público da União desde 1994, mesmo ano em que se formou em Direito, na Ritter dos Reis. Fez Especialização em Direitos Humanos e Trabalho na Escola Superior do Ministério Público da União (2019/2020) e, no Instituto Brasileiro de Estudos, Pós-Graduação Lato Sensu em História e Cultura Afro-brasileira. Foi diretor da Seção Sindical-RS do Sindicato dos Servidores do MPU entre 2017 e 2018 e colabora, sem cargo , com o Sindicato dos Trabalhadores do Judiciário Federal no RS. Colabora em Coletivos e escreve em alguns blogs e espaços de debates políticos.

#31

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: