Todos os posts de Coletivo Catarse

Parada Livre 2018 precisa de apoio

Sem contar com recursos públicos desde 2017, este ano, com o tema RESISTIR PARA NÃO MORRER, seus organizadores estão solicitando apoio geral.

“Caros e caras amigas,

Me dirijo a vocês para tratar de uma questão muito importante referente à Parada Livre que está marcada para ocorrer dia 18 de novembro próximo. Como é de conhecimento, desde 2017 a Parada não vem recebendo apoio financeiro do poder público. O ano passado fizemos uma parceria e contrato com uma produtora privada que se responsabilizou para a captação dos recursos. O contrato previa dois anos (2017 e 2018). Dia 29 de outubro, 21 dias antes do evento, fomos surpreendidos pela produtora, que nos enviou um ofício informando que estavam declinando do contrato e não mais cumpririam com sua parte, responsável pela captação de recursos e responsável pela infraestrutura do evento (palco, som, gerador, trios, segurança, gradil, gazebos, banheiro químicos e PPCI). O custo desta estrutura fica em torno de R$ 30.000,00.

Temos um contrato firmado e vamos acionar a Justiça, mas como sabem no momento não teremos tempo para resolver de forma prática a situação posta. O coletivo de entidades se reuniu e decidiu que, em decorrência do cenário político que vivemos, principalmente da última disputa eleitoral, quando as questões envolvendo os LGBTTs foram usadas de forma perversa pela candidatura da direita – vide questões como “kit gay, ideologia de gênero” -, manteremos o evento para dia 18/11. Avaliamos que a não realização da Parada Livre seria uma perda e um retrocesso incalculável para a população LGBTT e para democracia, pois é um evento que já é referência na cidade. Não temos outra data disponível, e a divulgação já está na rua, o que impossibilita a transferência.

Neste ano, o slogan era “Qual é teu Privilégio”, o qual mudamos para “RESISTIR PARA NÃO MORRER”, em decorrência dos casos de agressões que vêm ocorrendo pelos discursos de ódio que saíram do armário, se torna ainda mais importante e necessária como marco político e de resistência dentro da nova conjuntura política brasileira. Por essas razões, não podemos abrir mão de colocar milhares de pessoas nas ruas em defesa dos seus direitos, portanto, gostaríamos de contar com o apoio financeiro de todas e todos para que possamos realizar o evento.

Para isso, disponibilizamos para contribuição financeira conta do Nuances para que possam se somar nesta corrente que estamos mobilizando para a superação dessa situação.

Banrisul
Agência: 0040
Conta Corrente: 06047614.0-4
CNPJ: 74.875.873/0001-84
Grupo Pela Livre Expressão Sexual.

Agradecemos e convidamos a todos e todas a estarem dia 18 na Redenção.

Célio Golin”

“As transnacionais não são invencíveis”

Brasil | Sociedad | Ambiente

Con José Renato Barcelos
La lucha contra Monsanto muestra que se puede

“Las transnacionales no son invencibles”

Nuevamente la oficina de Jair Krischke es punto de encuentro. Allí conocí a José Renato, Abogado por la Pontificia Universidad de Porto Alegre, doctorado en derecho ambiental y asesor de la Fetag de Rio Grande del Sur. Con él conversamos sobre los desafíos que enfrentan los defensores de los bienes comunes en Brasil y en toda América Latina.

-¿Cómo surge tu interés y sensibilidad por la defensa del medio ambiente?
-Hace bastante tiempo que estoy vinculado a los movimientos de defensa ambiental, con las cuestiones agrarias y el tema de la tierra.

Todo surge porque noto una agresión creciente y cotidiana contra el ambiente.

Estoy vinculado hace mucho a los trabajadores rurales, he sido asesor de la Federación de Trabajadores de la Agricultura (Fetag) y también de algunos sindicatos y a través de ellos, sobre todo de los pequeños agricultores, pude observar el drama que la falta de respeto al medio ambiente genera a sus familias.

Hay personas que mueren por los agrotóxicos; o que enferman y se van deteriorando lentamente con dolencias que afectan el sistema nervioso central.

Cada vez se ven más y más casos de este tipo.

Estas cosas son las que motivan el accionar legal contra las grandes corporaciones que forman parte de esta red de intereses a la que poco le importan los trabajadores, sus familias y el ambiente.

Las semillas, su valor y su apropiación

-¿Qué pasa con la patente de las semillas y la concentración de las mismas en unas pocas compañías transnacionales?
-El tema de las semillas es puntualmente sensible para todos los que defendemos una agricultura sustentable.

Para nosotros la semilla está rodeada de un halo de sacralidad, mientras que el modelo hegemónico (el del agronegocio) la ve como mercadería, como una commodity.

Este es el trasfondo de una serie de problemas, incluso desde el punto de vista simbólico, porque le quita el derecho a la tierra de generar vida nueva, destruye pensamientos y construcciones culturales que se remontan a las comunidades originarias, a los primeros agricultores, a milenios de historia de la agricultura que ha permitido la supervivencia de la especie humana.

Recordemos que esta agricultura moderna inauguró una matriz químico- dependiente, a partir del período de post guerra, que se apropió de las semillas para controlar el sector agrícola y por consiguiente toda la cadena de alimentos desde lo económico.

Eso nos demuestra lo gigantesco de nuestro desafío para poder preservar las semillas criollas, un material genético criollo capaz de soportar las variaciones del clima. En esto está involucrado el tema de la soberanía y la seguridad alimentaria también.

La maquinaria del agronegocio

-No es sencillo romper el paradigma semilla / agrotóxicos / agricultura en manos de 5 o 6 transnacionales y de su ejército de “científicos” fundamentalistas que pregonan contra la ecología, la agricultura orgánica o familiar…
-Para nada. Se trata de un engranaje cuyo motor principal es el dinero y el poder. Una investigadora muy prestigiosa de la Universidad de Harvard, la doctora Sheila Jasarnoff, dice que el control de las semillas es la nueva forma de imperialismo.

Ella compara, muy acertadamente, los procesos de los antiguos imperios romano y otomano con el de las corporaciones transnacionales, que no solo detentan la propiedad de las semillas, sino que producen el veneno, promueven y viven de la agricultura industrial que no genera trabajo, que contamina, etcétera.

Con este modelo de producción la humanidad ha ido perdiendo la diversidad de sus alimentos. Si vas al supermercado verás que nuestra alimentación está basada en tres o cuatro cultivos: el trigo, la soja, el arroz y el maíz y por ahí nos quedamos.

Hay una disminución de la base genética y esto también trae problemas a los agricultores porque ya no hay una gran variedad de cultivos y la calidad es menor.

El paquete del veneno

-¿Qué pasará en Brasil, que ya era el mayor consumidor de agrotóxicos del mundo, al aprobarse el proyecto de ley que busca ampliar el uso de venenos, algunos de los cuales han sido prohibidos en otros países?
-Es una demencia, porque ya tenemos una ley que regula el uso de agrotóxicos en toda la cadena del proceso, que es muy buena pero que no ha logrado sortear el poder económico que está involucrado.

Tanto es así que estas grandes corporaciones invierten en promover cambios en las legislaciones de los países donde operan, pero no producen en sus países de origen, porque allí ya se han dado cuenta del daño que generan y por lo tanto los prohíben.

En Estados Unidos y en Europa (regiones de origen de las corporaciones productoras de agrotóxicos) se está dando una lucha persistente y sistemática contra estos productos.

Francia ya implementó un marco temporal (hasta 2020) para el uso de agrotóxicos y de su corolario, los eventos transgénicos.

Acá en Brasil, pero también en América Latina, vamos en franco retroceso en este sentido. El proyecto de ley, conocido como “el paquete del veneno”, permite el uso de glifosato y otros agrotóxicos que la OMS ha declarado cancerígenos.

Este proyecto, entre otras cosas, propone cambiar el uso de la palabra agroquímico por productos fitosanitarios, un eufemismo que apunta a mostrar a estos venenos como si fueran remedios.

La bancada ruralista quiere acabar con las connotaciones negativas de la palabra agrotóxico. Es un grupo poderoso con infinitos recursos financieros, es un movimiento mundial que intenta comercializar los agrotóxicos de manera cada vez más intensa.

En esa lucha estamos, y no es nada sencilla.

Una investigación realizada en el norte de Brasil, en el municipio de Lucas do Rio Verde, Goiás, encontró vestigios de glifosato en 62 madres que estaban amamantando.

Es decir que la propia madre al amamantar está administrando veneno a su bebé.

Estas corporaciones no tienen ningún tipo de responsabilidad social. Las enfermedades resultantes de la exposición a agrotóxicos como el glifosato deberán ser tratadas por el sistema de salud público y seremos todos los brasileños y brasileñas quienes deberemos asumirlo.

El uso indiscriminado de agrotóxicos implica un costo social elevadísimo que no podemos admitir como sociedad.

El ambiente, un tema olvidado

-La composición actual del Congreso brasileño, extremadamente conservador y corrupto, con una bancada ruralista fuerte que impone su visión, no hacen el escenario fácil para los ambientalistas. Pero tampoco la izquierda se ha pronunciado a favor del cuidado del ambiente o de la soberanía alimentaria…
-La izquierda brasileña nunca se apropió de las cuestiones ambientales o ecológicas. De hecho la sociedad entera no lo hizo, al menos no de forma comprometida.

Los partidos de izquierda o de centro no enarbolan la bandera de la causa ecológica como política de Estado, mucho menos los de derecha. Eso no sucede en otros países, como los del norte de Europa.

Es necesario que el Estado se movilice y determine, junto con los movimientos sociales afines, políticas internas que se rijan por principios ecológicos.

Irónicamente el mejor ministro de Agricultura que tuvo Brasil, que generó una serie de políticas públicas orientadas a la defensa del ambiente y de la soberanía alimentaria fue José Sarney Hijo, un político de derecha.

Internacionalizar la lucha

-La articulación entre organizaciones de la sociedad civil es fundamental para enfrentar la mafia del agronegocio…
-Sin lugar a dudas tenemos que tejer alianzas con todos los movimientos sociales.

No hay forma de enfrentar este modelo sin ampliar el arco de alianzas con movimientos como el feminista, el de los quilombolas, los negros, los consumidores.

Miremos lo que sucedió con Monsanto, una transnacional que a través de los transgénicos y los agrotóxicos ha contaminado al mundo.

Ahora, luego de varios años de resistencia de los movimientos ambientalistas y sociales que denunciaron su accionar, se ha visto afectada económicamente.

Tuvo una caída sustancial de sus ingresos, lo que hizo que la alemana Bayer la adquiriera, no solo para sacarla del medio sino para apropiarse de sus patentes.

Lo que tal vez no calculó Bayer es que no le será fácil sacarse la mala publicidad que durante años los consumidores y los luchadores sociales le hicimos a Monsanto.

Este caso es una prueba de que como sociedad organizada tenemos nuestro poder. Y con el avance de las comunicaciones podemos internacionalizar con mayor facilidad nuestros combates.

Descubrir las fisuras de estas grandes corporaciones es el desafío, porque son extremadamente poderosas pero no invencibles.

 

– originalmente publicado REL UITA, clique aqui

MAIS QUE UM JOGO – De engano em engano

Conselho Deliberativo do S.C. Internacional tornou inelegível, pelos próximos 10 anos e para qualquer clube esportivo, Vitório Píffero e outros 3 três dirigentes

Final do ano de 2014, 13 de dezembro, um sábado de clima instável em Porto Alegre. No pátio do estádio Beira Rio um grito ecoava: O campeão voltou, ôôôô! Era como um mantra. O Clube havia reinaugurado seu estádio havia poucos meses. Uma negociação complicada que chegou a envolver a então Presidenta da República, pois seria uma das praças da Copa do Mundo. Uma semana antes o Colorado conseguia sua classificação direta à Taça Libertadores da América. Sábado dia 13 de dezembro era o dia das eleições. Marcelo Medeiros representava a situação, que apesar de muitas críticas, entregou um estádio novo em folha e o time classificado no maior torneio continental. Do outro lado estava Vitório Píffero, para quem era destinado o canto, o mantra da volta do campeão…Muita gente alertava para os riscos dessa eleição. Não poucas vezes se ouviu que a intenção do grupo que se lançava como favorito era de se locupletar às custas do Clube. Não adiantava falar, pois o mantra era mais forte. Não sem um tanto de razão. Píffero foi Vice Presidente de Futebol e Presidente do Inter nos anos mais vitoriosos. Havia um sentido no mantra, o que tornava mais difícil abrir os olhos do sócios sobre os perigos que rondavam essa candidatura e seu grupo de apoio. A vitória de Píffero foi muito grande, com mais de 70% dos votos a favor. Grande também foi o estrago que tal gestão causou. Goleada histórica em GreNal, após demissão esdrúxula do treinador, rebaixamento inédito, aumento da dívida do Clube, perda da credibilidade, imagem comprometida perante os amantes do futebol, entre outras. Tudo isso regado a muito favorecimento pessoal com uso de cartões corporativos e saques em dinheiro vivo. Isso é que sabemos. O que supomos não podemos escrever. Mas um dia se saberá. Nessa semana que finda uma parte dessa dívida começa a ser paga com o julgamento via Conselho Deliberativo onde o Presidente e mais 3 Vices foram tornados inelegíveis por 10 anos em qualquer entidade esportiva. Também foi aprovado que o Inter vai buscar na justiça o ressarcimento dos prejuízos causados. A exclusão do quadro social tramita na Comissão de Ética do Conselho e ainda há o Ministério Público, onde podem acontecer muitos outros desdobramentos.

Agora fazemos um corte para as eleições no país. Um candidato dito mito, que hipnotiza seus seguidores, os quais parecem surdos, cegos e infelizmente não mudos, nada enxergam de antidemocrático, nada ouvem de homofóbico e racista, nada leem de machista e fascista, e tudo repetem de chavões maniqueístas e violentos. Diferente de Píffero, tal candidato nada fez de importante nos 30 anos de vida política a não ser enriquecer o seu bolso e o de seus filhos. Minto, fez sim: espalhou ódio por onde esteve. Nós Colorados tivemos nossa temporada no inferno e conseguimos nos recuperar com grande dificuldade. Ainda estamos na luta! Será que o Brasil vai conseguir se erguer depois que o fascismo tomar conta das instituições (não que ele não esteja arraigado em uma série de agentes) pelo voto? Pelo ódio, pela cegueira e pela intolerância? Mais uma vez se ouve as vozes do passado, não chamando pelo campeão mas pelo torturador que se constrói de fake news.

A luta ainda não acabou, temos dois dias pra evitar o pior. Mas seja qual for o resultado, as forças populares vão precisar se organizar desde baixo, como sempre foi, para enfrentar esse passado que apresenta por vezes em notícias mentirosas nas moderníssimas redes sociais em celulares e computadores e também na rua, onde seu estrago ultrapassa o nível do emocional e mental e vai definitivamente na carne.

Frente Inter Antifascista

O Repórter Popular, em parceria com o Movimento Grêmio Antifascista e a Frente Inter Antifascista, lança esta coluna para falarmos de futebol e política, desde uma perspectiva mais progressista/à esquerda. Toda semana, um texto assinado pelas próprios coletivos, alternando uma semana entre colorados e gremistas. Texto publicado originalmente AQUI.

Lição de arrogância (ou: como descer à lama sem perder a empáfia)

Por Rodrigo Navarro, retirado originalmente do site Somos Todos Clube do Povo

Temos ouvido que ontem foi um dia histórico para o Sport Club Internacional e, mais do que isso, para o futebol brasileiro. Triste, muito triste. É lamentável que tenhamos chegado ao ponto de comemorar a punição de ex-dirigentes por atos de improbidade. Quem ganha com isso? Claro, diante de tudo o que aconteceu, comemora-se o que deve ser um marco no processo de moralização e transparência do clube, mas podemos nos alegrar em abstração? Eu não me alegro.

Os termos em que se deu a condenação dos ex-dirigentes já se tornaram públicos antes mesmo do fim da sessão do Conselho Deliberativo, portanto desnecessário “chover no molhado”. Da mesma maneira com os fatos que levaram a esse resultado. A torcida colorada já sabe o que o ex-presidente Píffero e os seus companheiros de gestão fizeram (e deixaram de fazer) para que lhes fosse imposta a sanção aplicada ontem. Ou melhor, a torcida sabe o que veio a público até agora, pois dizem pessoas melhor informadas que há mais, inclusive no âmbito das investigações promovidas pelo Ministério Público, mas nesse mérito nem vou entrar.

Eu quero me ater, neste momento, à atitude do ex-presidente Vitório Píffero. Imaginava-se que alguém que é levado ao plenário para responder acusações pesadíssimas que lhes foram feitas pelos seus pares (a Comissão Especial que investigou o caso) tivesse uma postura menos arrogante do que aquela a que nos acostumamos a ver. Erramos feio! O homem subiu à tribuna mais prepotente do que nunca. Em pouco mais de meia hora, disse diversas vezes que a única acusação que respondia era a de “saber de tudo”. E a sua defesa limitou-se à afirmação de que de nada sabia. Penso em esmiuçar um pouco mais essa “tese” de defesa, mas não encontro maneira, porque não há como extrair algo mais das palavras (não) ditas pelo ex-presidente. A ironia, que se constitui numa característica do dirigente punido, esteve presente na sua manifestação em muitos momentos. Ao dizer, por exemplo, que para algumas pessoas o custo de 100 reais para uma refeição pode ser considerado baixo, Píffero escancarou a sua inadequação para dirigir o Clube do Povo. E nem estou falando aqui da situação do país, em que milhões passam fome, me refiro apenas à condição de um homem que se manifesta diante de um plenário que hoje pode ser considerado plural, composto de pessoas de várias camadas sócio-econômicas. Respondendo diretamente a um conselheiro que se manifestou naquele momento, disse o ex-dirigente: “Depende do restaurante que tu vai.” Por aí se vê o pensamento elitista de alguém que já presidiu o clube mais popular do Rio Grande do Sul.

A maior surpresa, porém, para mim, estava reservada para o momento final da sua fala. Ao ter o seu pedido de prorrogação de tempo indeferido pela Mesa do Conselho, Píffero, notadamente nervoso, a tal ponto que o Marcelo Cougo e eu acharmos que ele poderia ter um mau súbito a qualquer momento, fez referência a mim, Rodrigo Navarro, ao conselheiro Arthur Caleffi e a um terceiro conselheiro, nomeado apenas como Guilherme, dizendo ter em mãos um B.O. (Boletim de Ocorrência), lavrado contra nós, por conta de suposto envolvimento e um processo de extorsão de um empresário que realizou serviços no Parque Gigante durante a sua gestão. Disse que teríamos exigido dinheiro desse empresário e ameaçado que se ele não “entrasse no esquema” (que esquema seria ele não disse), colocaríamos a Polícia Federal no encalço dele. Essa conversa teria acontecido num café localizado no Hospital de Clínicas. Mais sobre isso não posso falar, porque o que relatei aí é basicamente o que foi dito por ele.

É importante deixar bastante claro que o ex-presidente cometeu, no meu entendimento, o crime de calúnia, ao imputar a mim e aos outros dois conselheiros citados, uma conduta criminosa da qual não temos o menor conhecimento. Para ilustrar o absurdo das acusações, o conselheiro Caleffi e eu, embora sejamos colegas de Conselho, nos conhecemos pessoalmente na reunião de ontem. A gravidade da atitude do ex-presidente aumenta quando sabemos que a reunião de ontem foi transmitida ao vivo aos sócios e sócias – outro marco importantíssimo na história do clube, eis que esse procedimento foi adotado pela primeira vez -, e, segundo informações que obtivemos lá mesmo, a transmissão estava sendo vazada em tempo real para a imprensa. Ou seja, além de nos caluniar frente aos nossos colegas conselheiros e conselheiras, as acusações tiveram um alcance que sequer podemos mensurar neste momento. Obviamente, de minha parte, ele terá de responder por isso, da mesma forma que outras pessoas eventualmente envolvidas. Espero que os conselheiros Caleffi e Guilherme também o façam.

Não quero me alongar demasiadamente neste texto, que tem por objetivo apenas mostrar que o ex-presidente Vitório Píffero, além de continuar sendo a pessoa arrogante e prepotente que conhecemos e de ter gerido muito mal o clube na sua última passagem pela presidência, do que não deixa dúvidas a condenação de ontem, ainda agiu ontem como um caluniador e tudo isso diz muito do que aconteceu no Inter nos anos recentes que antecederam 2017.