Arquivo da categoria: Cultura

Audiovisual para transformar – Parte 1 – o primeiro contato

Este ano tive a oportunidade de ministrar, através da Secretaria de Educação de Tapes, 2 módulos de uma oficina prática de produção audiovisual na cidade. No princípio, a intenção era uma atividade que envolvesse apenas o uso de dispositivos celulares, porém, extrapolou as minhas mãos, e tomou uma dimensão que me faz refletir sobre o sentido da minha prática profissional e sobre minha responsabilidade enquanto comunicadora, educadora e artista.

No Módulo 1 da oficina, que passei a chamar de Oficina Prática de Produção Audiovisual “com-o-que-se-tem”, encontrei 2 turmas de jovens, uma do ensino fundamental regular e outra do EJA. Turmas de jovens adultos que estudam na rede municipal e que chegam na atividade sem ter muita noção do que iriam fazer ali.

Eu não conhecia a realidade de Tapes, muito menos desses jovens que, como em qualquer lugar do mundo, são muito desafiantes. Porém, tinha uma certeza, a vontade de despertá-los, a partir do audiovisual, um olhar mais sensível sobre o contexto que estão inseridos. Finalizar, ou não, uma peça audiovisual era secundário.

O que aconteceu na prática foram encontros onde conseguimos assistir e destrinchar conteúdos audiovisuais consumidos por nós, refletir sobre estética, linguagem, roteiro e gêneros. Realizamos dinâmicas, exercícios práticos de filmagem e edição. Percebi neles um foco e uma vontade de realização bem importante que me deu a segurança para arriscar propor a aventura de fazer um filme.

A turma da noite escolheu uma ficção de suspense e a do dia, um documentário. Em quatro encontros unificamos os conceitos dos grupos em relação a produção audiovisual e nos outros 6 encontros pré-produzimos, filmamos e editamos estes 2 filmes. Uma primeira experiência deste tipo para aqueles 24 jovens desta pequena cidade gaúcha, tão bela mas tão distante de aparelhos culturais como cinemas e teatros.

Mais importante que os detalhes dos processos, que tiveram muitas particularidades e curiosidades, foram as minhas surpresas. Encontrei um ambiente fértil para a  realização de trabalhos audiovisuais mesmo que os atores não tivessem muito a noção da complexidade que circunda a produção audiovisual. Foram lá e fizeram. Finalizamos um documentário de 17 minutos, A casa da última rua, que hoje, 2 meses depois do lançamento, já soma mais de 4 mil acessos(!) e, também, A vida de Kameyom, uma ficção de 5 minutos que não foi veiculada e ficou apenas acessível para os participantes da oficina.

Nessa minha experiência em Tapes, pude sentir que um dos fatores responsáveis pelo sucesso das oficinas é a qualidade da educação do município. Escolas com uma estrutura privilegiada e jovens com uma capacidade cognitiva incrível. Tinham iniciativa, demonstravam criatividade na solução de problemas, escuta e diálogo, qualidades que muitas vezes não encontramos em profissionais. Me surpreendi, pois encontrei jovens, na sua maioria, interessados. Alguns sem perspectiva, mas uma grande parte abraçando a oportunidade que pintava na sua frente. Isso me surpreende, pois eu imaginava que isso não fosse possível em pessoas de 15, 16 ou 17 anos. Em um grupo um pouco menor, não rolou somente o interesse, mas a vontade por mais. E isso é transformador. A cabeça de alguns ali naquela turma pode extrapolar os limites da cidade e de si mesmo, viram reconhecido o seu trabalho e passaram a enxergar a si e ao seu mundo de maneira diferente. Isso é um caminho sem volta.

No momento que percebemos o poder que o realizar uma peça que valoriza a nossa realidade tem, nos valorizamos também e se nos valorizamos, não nos deixamos escravizar tão fácil. Politicamente, esta é a razão pela qual governos de direita sucateiam a educação. Por isso a necessidade de se diminuir ou até mesmo acabar com iniciativas e estruturas culturais.

Tapes já foi, em algum tempo passado recente, uma rota artística bem frequentada por artistas plásticos, músicos, escritores. Acredito que um lugar tão abundante de belezas naturais e com essa ligação histórica com a arte, não perde do seu DNA a sua potência criativa. Me parece que só precisa daquela mão no queixo que vira o seu olhar para um outro lugar, onde estão coisas lindas, onde está sua verdadeira identidade cultural. Esse encontro me parece fundamental para se viver.

Assista A casa da última rua:

Do resultado deste primeiro módulo, partimos para uma nova proposta que seria o Módulo 2 da oficina. Esta é outra história que em breve compartilho por aqui.

Em breve: Audiovisual para transformar – Parte 2 – nos bastidores do documentário Cores ao Vento, navegando pela arte de Silvio Rebello

doc-silvio-rebello-capa

Estreia do documentário Cores ao Vento – navegando pela arte de Silvio Rebello

Hoje, 06/11/18, na cidade de Tapes, será lançado o documentário Cores ao vento – navegando pela arte de Silvio Rebello, uma realização da Secretaria Municipal da Educação e Cultura e a Prefeitura de Tapes, numa coprodução do Coletivo Catarse, do Clube da Sombra e da Lagoa TV.

O filme retrata num tom poético o universo colorido do artista plástico tapense, que dedicou sua vida a arte nas suas mais variadas formas. Transitou na escultura, pintura, fotografia e música. Retratava a paisagem da cidade de uma forma muito peculiar e, ainda, a cultura negra, numa mescla de referências do Rio Grande do Sul e Bahia, lugar onde morou e trabalhou por alguns anos e que transformou significativamente sua produção.

Este filme é uma homenagem e um resgate. Procura dar o devido valor a um artista tão importante e, igualmente, salvaguardar o legado artístico, somando a um conjunto de iniciativas que buscam este mesmo objetivo, como é o caso da recém criada Fundação Silvio Rebello.

Vale ressaltar que o filme foi produzido concomitante a uma oficina de produção audiovisual com jovens da cidade, que, além de produzirem imagens para o documentário, realizaram o seu making of, que em breve estaremos divulgando com um relato sobre este processo.

Projeto: Coletivo Catarse Apresenta – “Inseguro Animal” – banda Rivadavia

Apresentamos a banda RIVADAVIA de Porto Alegre, lançando seu clipe para música Inseguro Animal.

Coletivo Catarse Apresenta, é um projeto de entrevistas na qual a banda fala sobre o processo de criação da música, do clipe produzido, a ideia por trás da produção e uma breve apresentação da banda.

Confira o videoclipe:

Ficha técnica da entrevista:
Imagens | Edição: Billy Valdez

Ficha técnica clipe:
Realização: Catarse Coletivo de Comunicação
Direção: Billy Valdez e Jo Reis
Produção: Billy Valdez, Jo Reis, Si Perla e Rivadavia
Roteiro: Jo Reis
Imagens, Montagem, Color Grading e Finalização: Billy Valdez
Áudio gravado no 261 Estúdio
Mixagem e masterização por Jamur Souza e Rivadavia
Música por Jo Reis e Rivadavia
Letra por Jo Reis
Produção musical por Jamur Souza e Rivadavia
Rivadavia é: Jo Reis – voz Liu Barros – guitarra Jamur Souza – bateria Deleoni Grandini – baixo Teclados por Diogo Barcelos

Carijo nos fundos da forqueta

Era Lua Minguante, e o tempo estava bom em Maquiné:
nem muito frio nem muito quente, com pouca umidade. Saímos do Mato Dentro, espaço agroflorestal e de ensaios da banda ButiaDub, e cruzamos o rio algumas vezes até chegar na casa do “Cachorro”.

Luciano Corbellini, dono do apelido e da propriedade,
já nos recebeu carregando os ramos da erva podada. Sob a orientação do mestre Moisés da Luz, um dos grandes nomes do projetos carijo, e na companhia dos amigos começamos a preparar a erva.

Foi um carijo pequeno e aconchegante: instalamos lonas
ao redor do galpão para evitar os ventos da madrugada e num grupo de oito pessoas carijamos cerca de quinze quilos de erva. Apesar de quantidade pequena, a erva ficou com um sabor suave como as lembranças do churrasco, dos sambas e toques de capoeira que rolaram.

Confira abaixo alguns registros:

Carijo na floresta da Forqueta