Arquivo da categoria: Heavy Hour

Heavy Hour 51 – 06.08.19 – Pra “desmascarar” o MST! Essa gente que luta pelo país!

Nossa produção foi rápida e foi atrás de duas pessoas dispostas a, enfim, enfrentar a nossa sanha justiceira para colocar um ponto final nessa baderna toda do MST! Marcelo Paiacan, morador do assentamento de Eldorado do Sul, onde produzem arroz orgânico e tentam impedir o progresso da Mina Guaíba, que vem pra trazer muita riqueza ao estado com toda a poluição que vai jogar no Rio Jacuí e na água consumida na Grande Porto Alegre, e Paulo Almeida, do assentamento de Vacaria, onde insistem com produção de orgânicos, contrapondo a lógica na terra da maçã envenenada – bando de bruxas e serpentes! -, tentam de todas as formas se esquivar de nossas colocações. Tem ainda a participação por zap-zap de Salete Carolo, também assentada e do MST, que estava a caminho da Marcha das Margaridas, mulheres unidas com o lema “Margaridas na luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência” – nota-se bem o mote de badernagem desse pessoal. Então, com uma equipe contando com nosso repórter Bruno Pedrotti, Clémentine, a antropóloga, mais Marcelo Cougo e Gustavo Türck nas pick-ups, descobrimos que… Bom, o MST não tem nada a ver com a cocaína achada no avião do Bolsonaro, não é eles que estão avançando e desmatando a floresta amazônica, não são os sem-terra que estão empregando parentes nas estruturas de governo, não é o movimento que está pressionando indígenas para largarem suas terras, eles não estão se armando, não estão manipulando a justissa… Mas não estão desistindo! O que descobrimos é que a luta vai continuar e que se pode contar com o MST para uma resistência legítima e democrática. Pátria livre!

E aqui vai o setlist do programa, bem doutrinador pra ver se os guerrilheiros venezuelanos e cubanos nos ouvem e venham nos salvar de uma vez por todas:
Pedro Munhoz – Canção da Terra
Zé Ramalho – Admirável Gado Novo
Beth Carvalho – Ordem e Progresso
Grandfúria – Cavalo
Neil Young – Wolf Moon
Victor Jara – A desalambrar
F.UR.T.O – Verbo à Flor da Pele

Heavy Hour 50 – 30.07.19 – 50° HH da nova era! 15 anos de Coletivo Catarse! Quanta lambeção…


Neste programa, atingimos uma baita meta – a de empobrecer comprando ceva e cachaça a cada uma das 50 semanas de novo Heavy Hour! Afora isso, foram muitos temas interessantes expostos desde 10 de agosto de 2018. Muitos convidados passaram pelos nossos estúdios e uma bela rede de veiculação se formou. Dessa forma, decidimos celebrar nesta edição explicando um pouco de quem somos enquanto Coletivo Catarse e apresentando músicas exclusivas de nossas produções! Para além de alguns participantes antigos – tanto de coletivo como de Heavy Hour e da rede – estivemos Gustavo Türck e Marcelo Cougo na presença de Têmis Nicolaidis, Cris Cubas, Bruno Pedrotti e Paulinho Betanzos no Estúdio Monstro (com Zé da Terreira nos curtindo)! Ouves o programa e não sabe direito o que a gente faz? Então escuta este aqui e terás uma noção de uns 15% de nossa trajetória… Vá lambeção, hein?!

Setlist Marcelo Cougo:
Trilha do filme O Grande Tambor – A Princesa é uma Senhora
Trilha do filme Caligrafia – Cuidado e Delicadeza
Trilha do filme Carijo – Bem cedo um mate
Trilha do filme Laceiros Negros estão vivos – Eu e meus camaradinhas
Trilha do filme Crenças a Céu Aberto – Crenças a Céu Aberto
Trilha da websérie Tainhas no Dilúvio – Lições de Água
Trilha do filme O Grande Tambor – Suíte Senzala

Heavy Hour 49 – 23.07.19 – Resistência indígena presente – e aqueles que a apoiam!

No Estúdio Monstro, sede do Coletivo Catarse, fomos ocupados por grandes pessoas sempre em luta. Clementine, a antropóloga, trouxe para esta edição do programa uma galera pra falar sobre uma resistência insistente e imprescindível – quem você acha que está mantendo as parcas florestas existentes hoje em pé?! Cacique Saci, da área Kaingang de Rio dos Índios, em Vicente Dutra, e a Kujà (xamã) Iracema Gá Teh fazem frente junto com uma das grandes antropólogas da atualidade, Alcida Rita Ramos, também professora da UNB, além, é claro, de graduandos baderneiros da UFRGS, André Simões (História), Milena Weber (Ciências Sociais), Pietro Bueno (Ciências Sociais) e Marina Stringhini (Ciências Sociais). Toda essa turma esteve recentemente em uma área em Faxinalzinho, norte do RS, onde ruralistas estão devastando o que resta de mata e acabando com terrenos sagrados da cultura e do chão que originalmente foi indígena (quer saber mais? https://memoriaterritorioeperseguicao.wordpress.com/2019/07/19/novo-teaser-da-resistencia-kaingang-o-fim-do-ore-xa-o-fim-do-barro-preto/).

Setlist:
Sepultura – Territory
Cérebro de Galinha – País Falido
Destruction – Betrayal
Raul Seixas – Aluga-se
David Bowie – Heroes
Led Zeppelin – Dazed and Confused

Heavy Hour 48 – 16.07.19 – Estamos velhos para sermos anarquistas?

Estamos velhos para lutar? Para entender a conjuntura? Para saber o que fazer diante do fascismo eminente? No programa desta semana, recebemos dois anarquistas parcerias, Lampião e Maya, que, junto à colaboração do jornalista e historiador catalão Ricard Vargas, vão trazer à luz a Revolução Espanhola, que completa 83 anos – uma frente anarquista que combateu o fascismo sanguinário do ditador Franco. Não por acaso, também no Estúdio Monstro, o cartunista e artista gráfico Eugênio Neves colabora na discussão, um velho e incisivo amigo do Coletivo Catarse. Na técnica, Gustavo Türck, no meio-campo, Marcelo Cougo (lançando música ao vivo, uma obra de otimismo e superação para as novas gerações), e na linha de frente, comandando a discussão, Clémentine Maréchal – a antropóloga. (arte desta edição, uma pichação sobre ilustração de Eugênio Neves, feita durante a gravação do programa)

Setlist:
Los Dolares – A las barricadas
Dead Kennedys – Chemical Warfare
Dismember – Dreaming in red
Belchior – Como o Diabo Gosta
Abuso Sonoro – Ay Carmela!
Trust – Antisocial

Heavy Hour 47 – 09.07.19 – LGBTudo!

Recebemos no Estúdio Monstro, na sede do Coletivo Catarse, o ativista do Nuances – Grupo Pela Livre Expressão Sexual, Célio Golin, para um bate-papo sobre questões de homofobia e muito mais! Teve Grêmio, Renato Gaúcho e Coligay na conversa também. Destaque para a sonolenta contribuição de Billy Valdez, correspondente do Heavy Hour direto na Nova Zelândia, o lugar onde os patetas malucos dirigem seus carros, mas que são gentis nas calçadas… Power trio do coletivo nesta edição completado com Clémentine, a antropóloga.

E teve música boa! Confere nossa setlist:
Megadeth – Dystopia
Cake – I Will Survive
Chico Buarque – Construção
Ney Matogrosso e Pedro Luís e a Parede – Noite Severina
The Datsuns – Gods are bored
Judas Priest – Electric Eye