O Grande Tambor na Sessão Bodoqe de Cinema XV

Após o filme, bate-papo com Juremir Machado, autor do livro História Regional da Infâmia: o destino dos negros farrapos e outras iniquidades brasileiras (ou como se produzem imaginários). Vai ser na próxima terça-feira, 26/11, iniciando pontualmente às 19h30, no Comitê Latino-Americano (Rua Vieira de Castro, 133).

Ao longo da produção do documentário O Grande Tambor, o Coletivo Catarse teve a oportunidade de desvendar um pouco do que foi a história do Rio Grande do Sul, contada não pelos invasores ou escravizadores, mas pelos descendentes daqueles que foram escravizados. Descobrimos, ou melhor, afirmamos a desconfiança de que algo estava errado com o que aprendemos na escola e com o imaginário cultural que tanto estamos acostumados. Foi uma experiência incrível que nos fez entender mais da nossa identidade gaúcha. O tambor nos abriu portas espirituais e mostrou que não era apenas um instrumento de percussão, mas um guia para um mundo desconhecido e muito poderoso e inevitável para quem entra em contato com o Sopapo. (texto retirado da postagem O caminho do Sopapo, para lê-la, clique aqui).

Venha assistir ao filme e participar desta conversa!

—————————-

A Revolução sem mitos

historia-rs-infamia-juremirHistória regional da infâmia – O destino dos negros e outras iniquidades basileiras (ou como se produzem os imaginários) é um livro que contesta os mitos que por séculos sustentaram o imaginário acerca da Revolução Farroupilha. Juremir Machado da Silva, romancista, professor universitário, ensaísta, historiador e tradutor, juntamente com uma equipe de dez pesquisadores, se debruçou sobre 15 mil documentos para trazer à luz este minucioso estudo sobre as verdadeiras causas da Guerra dos Farrapos.

Assim como Jorge Luis Borges em sua História universal da infâmia, Juremir tira do pedestal da glória os grandes heróis da Revolução – Bento Gonçalves, David Canabarro, general Neto, Vicente da Fontoura, entre outros – e os devolve ao plano terreno dos mortais, revelando como interesses pessoais corroeram o lema revolucionário de “liberdade, igualdade e humanidade”. O autor também questiona a origem dos recursos financeiros que possibilitaram a Revolução Farroupilha. Por trás dos discursos abolicionistas havia o sistemático financiamento da luta armada com a venda de negros e promessas vazias de liberdade aos cativos que nela lutassem. (saiba mais)

—————————-

página do acervo do filme O Grande Tambor
blog do projeto

e-flyergrande-tambor

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.