Linha de São Jorge

Em Porto Alegre a cultura anda escondida atrás das portas pequenas e abertas de poucas casas noturnas, sem convite e sem porteiro.

“Meu São Jorge desfraldado
Meu São Jorge pendurado
Na parede do meu quarto
Dai-me força pra lutar, proteção ao nosso lar
e o pão fruto do meu suor
Canto para quem quiser ouvir meu canto
Manto para quem quiser vestir seus santo
Todo canto, todo santo, todo manto,
Todo homem navegando quer um porto
Quando à noite o sol se esconde em desencontro
Quando a lua em pedaços e assombros
Todo canto, todo pranto, todo santo, todo homem
Todo homem é divino e profano
Toca fumaça pro céu
Toca sopapo pro Ogum
Pipoca e bala de mel”

Conheça o Clube Caiubi.

Fala que o brasil te escuta

Equipe da TV Brasil passou uma semana gravando 11 roteiros em Santa Maria
MAUREN RIGO, Diário de Santa Maria

A mulher sobe um degrau e passa por um enorme pano que serve de porta para o coreto da Praça Saldanha Marinho, coberto por tecidos pretos e brancos. Ela se senta em um banco e faz um grande desabafo para pessoas totalmente estranhas. Sabe que aquilo que acabou de dizer chegará a ouvidos distantes. Ela não se importa, apenas se sente aliviada.– Era uma inquietação que eu tinha. É estranho falar de sua vida sabendo que muitas outras pessoas conhecerão tua história – conta Loiva Schansis, que, minutos antes, revelou ser adotada e ter muita vontade de reencontrar os seis irmãos, que não vê há 30 anos.A experiência passada por Loiva foi a mesma que chamou a atenção de muita gente que cruzou a praça na semana passada. Um cartaz convidava as pessoas a falarem sobre culpa, revelar segredos ou fazer desabafos. As mais corajosas, entravam no coreto acompanhadas pelo som de sinos de igreja e compartilhavam suas histórias em um confessionário. Nada fugiria de uma confissão convencional, não fosse pelo detalhe que o padre era, na realidade, um câmera. As filmagens de revelações como as de Loiva são parte de um projeto para o programa televisivo Ponto Brasil e serão exibidas pela TV Brasil no segundo semestre.

O vídeo feito no coreto é um dos 11 roteiros rodados na cidade em uma parceria da TV OVO com outros grupos da produção audiovisual brasileira. A iniciativa é desenvolvida pelo canal TV Brasil e pelo Ministério da Cultura. Na prática, um equipe da emissora roda uma série de programas em diversos Estados. No Rio Grande do Sul, apenas Santa Maria foi beneficiada com o projeto do programa, que tem sede em Brasília.Parcerias – Para fazer os vídeos, a TV OVO contou com a ajuda do Cineclube Lanterninha Aurélio, além de quatro grupos de outras cidades: o Artestação (Rio Grande), o Ação Cultural Integrada (São Luiz Gonzaga) e o Quilombo do Sosapo e o Catarse (ambos de Porto Alegre). Foram cerca de 25 pessoas envolvidas. Segundo Paulo Tavares, que já fez parte da TV OVO e hoje é produtor executivo do projeto, a ideia é que se trabalhe de forma coletiva na produção dos vídeos.– Este é um projeto cultural e colaborativo. A gente (equipe da TV Brasil) vai a pontos de cultura, como Santa Maria, e propõe aos grupos diversos temas para serem abordador nos vídeos – conta ele.

Na cidade, foram escolhidos temas como culpa, que norteou a produção no coreto. Também foram feitas gravações na rodoviária, no Theatro Treze de Maio, na beira do Arroio Cadena, na Cesma e em uma sucata.Tirando os temas, há liberdade na escolha do tipo de produção, como documentário, ficção, animação etc. Cada programete terá entre 1 e 3 minutos.– Esta atividade dá projeção à cidade. Os vídeos partem de uma ideia estrangeira e pré-determinada, mas que tem realização local, já que vão mostrar para o Brasil lugares bem santa-marienses – diz Marcos Borba, da TV OVO.

Com o Quilombo, a entrega do Sopapo

Dentre os vários projetos em andamento juntamente com o Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo, destacam-se a Ópera dos Sopapos e a Ação Griô.
No intermeio, surgirá um grande documentário sobre o que é o Sopapo, o que este instrumento representa e a relação dos Griôs com a história do negro no Rio Grande do Sul.
O vídeo a seguir é apenas um fragmento de uma história que está para ser escrita – e a Catarse registrará com seus olhos, suas lentes.

A Catarse está apoiando formação de produtora no Cristal

No Cristal está surgindo, em incubação no Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo, a Produtora CVP – Cristalizar Vídeo Produções.
É um grupo que vem se formando a partir de oficinas de produção cultural e de produção audiovisual – esta última ministrada pela Catarse.
Acesse o blog http://produtoracvp.blogspot.com/ e conheça um pouco dessa iniciativa.

Vem mais informações por aí.