Arquivo da tag: Billy Valdez

Heavy Hour 21 – 08.01.19 – pela deselitização do futebol!

Pra começar um novo ano, em época de especulações mil, vamos falar de futebol, o esporte mais popular do Brasil, mas em franco processo de elitização. Neste programa, recebemos Welington da Silva, conselheiro recém empossado no Internacional, pertencente ao grupo O Povo do Clube, e João Hermínio Marques, advogado, gremista e ex-presidente a Frente Nacional de Torcedores. O papo foi da lama exposta no Inter, passando pela crítica contumaz à elitização nos estádios e chegando na liberação ou não do álcool nos estádios. Nosso âncora, Gustavo Türck, gremista atuante, também foi muito opinativo… A dica do livreito Bolívar, no espaço Bibliografia Social, foi da obra de Umberto Eco, O Fascismo Eterno. E teve muito petardo sonoro também.

Setlist:
Paranoid – Black Sabbath
Megalomaniac – Incubus
Mistério do Planeta – Novos Baianos
Da ponte pra cá – Racionais MCs
The Clairvoyant – Iron Maden
Amizade – Fundo de Quintal
Hells Bells – AC/DC

Heavy Hour 20 – 18.12.18 – o que rolou nos outros 19 programas?! Retrospectiva chinfrim do HH!

Este programa finaliza nossas produções de estúdio para um recesso merecido. Marcelão, Billy e Bruno Pedrotti falam, do Estúdio da Lua, no Coletivo Catarse, o que acharam de bacana nos Heavy Hours realizados neste ano até aqui – beeeeeem meia boca, hein?! 😉

Mas a sonzeira pegou!!! E tem participação da nossa eterna antropóloga Clémentine Maréchal, do projeto Resistência Kaingang, e dica de livro do Livrei….ops! Nada, Bolívar de férias nesta edição, mas a colega Cris Cubas traz a obra Calibã e a Bruxa, de Silvia Federici, no nosso momento Bibliografia Social.

Quem quiser ouvir todos os nossos programas, curte aqui no Mixcloud mesmo a lista! Hasta!

Bloco 1
Eu Acuso! – Idade Mídia
Anthrax – Madhouse
Belchior – Como o diabo gosta
Judas Priest – Diamonds and rust

Bloco 2
Planet Hemp – Testdrive de freio de camburão
Joan Baez – Here`s to you, Nicola and Bart
Distraught – Loked forever
Led Zeppelin – The rain song
Megadeth – Dystopia

Bloco 3
Truckfighters – Majestic
ButiaDub – Confusão da Nação
Raul Seixas – Meu amigo Pedro

Confere ae e te comunica com a gente!
heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour

Heavy Hour 19 – 11.12.18 – Cultura Hip Hop: sempre da resistência!

Negra Jaque e DJ Zonattão, as grandes presenças deste programa, que fala um pouco – o que deu! – da história do hip hop. Os blocos de som estão montados na cronologia de uma evolução do rap vindo dos states e chegando no protagonismo feminino em petardos da própria Jaque, Stefanie e TRIZ, entre outros. Zonattão, o DJ de Bento, também deixa sua contribuição com uma das faixas de seu trabalho entre scratches, mixes e samplers. No bloco Bibliografia Social, o Livreiro Bolívar (51-989.050.672) indica uma obra do Professor Adílson Moreira, “O que é racismo recreativo”. Tá forte a coisa, não é mesmo?

Apresentação de Gustavo Türck (@GustavoTurck), Billy Valdez e Marcelo Cougo.

Bloco 1
Eu Acuso! – Idade Mídia
Run DMC e Aerosmith – Walk this Way
Public Enemy e Anthrax – Bring the Noise
Dr. DRE e Snoop Dogg – The Next Episode
Body Count – Black Hoodie

Bloco 2
Negra Jaque – Deus que Dança
DJ Zonattão e Tabordex – As 3 Siamesas
Stefanie – Mulher MC
DNA – As belas rosas estão presentes

Bloco 3
Cássia Eller – Nós
38milmanos – Cotidiano Difícil
Elza Soares – O que se cala
TRIZ – Elevação Mental

Confere ae e te comunica com a gente!
heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour

Os ucranianos da Jinjer em Porto Alegre

Na última quinta-feira, 6 de dezembro, a capital dos gaúchos recebeu, num evento da Abstratti Produtora, o show da banda ucraniana Jinjer, que excursionou pela América Latina nos meses de novembro e dezembro.

Mas quem é Jinjer?

Eles são uma banda de um país desmembrado da antiga União Soviética, no qual, hoje, a direita está no comando – e uma direita bem aos moldes estadunidense/israelense -, e uma onda fascista vem crescendo cada vez mais. Ou seja, um país mergulhado em crise já faz alguns anos (hmm… essa história parece bem familiar), e há uma disputa política explícita entre Rússia e União Europeia/EUA bem feia.

Mas onde a banda Jinjer se enquadra nisso? Pode ser no fato de a vocalista Tatiana Shmailyuk ser vegana e atéia, ou com suas letras mesmo não sendo diretamente de cunho politico, mas com sentido bem contestador contra certas opressões, e até mesmo em algumas entrevistas ela ser a favor de uma sociedade sem fronteiras, mais humana e igual – isso faz pensar que eles possam ser enquadrados em uma posição mais para a “anarcoesquerdopatia”…

Também pesquisando um pouco mais sobre a banda nesse contexto político, descobre-se que, em 2015, eles participaram de festivais na Rússia, onde foram muito bem vistos e notados, mas, ao retornar para a Ucrânia, uma onda de nazifascistas começou a perseguir e ameaçá-los, inclusive tendo alguns shows cancelados.

Mas a banda vem numa crescente desde sua estreia em 2009, sendo notada e arrecadando críticas positivas e trilhando caminho sem medo de se reinventar a cada álbum lançado – mesmo que pareçam estar em busca do seu metal, pois fazem um estilo heavy metal progressivo, rápido, melódico e agressivo ao mesmo tempo, com pitadas de groove e reggae que se escutam nos sons.

E Porto Alegre pode conferir o porquê deles serem uma banda que vem se destacando na cena metal, com seu power trio instrumental fenomenal, preciso, cheio de técnica e rápido com muita energia. O baixista é um monstro e, ao mesmo tempo, chamava o público pro agito. E o vocal da Tatiana?! Até parecia que se estava escutando o álbum direto do CD, uma voz linda que oscilava do vocal limpo e cantado aos grunidos rasgados, uma front womem de respeito.

Sobre o show, foi fácil notar a falta de “pogos” e “circle pits”, houve alguma coisa muito tímida e desengonçada apenas – segundo Elisa Diehl Roleziera, agitadora de “pogos”, “os metaleiros não sabem pogar”. De fato, o público desse show foi bem interessante, com alguns metaleiros daqueles que só balançam cabelos, loucos por músicas com técnicas, em outro lado, aquela galera new metal das antigas e uma nova geração afim de pular e fazer roda, e a galera bem da grade, de uma nova safra de frequentadores de shows que apenas levantavam o celular parecendo estar apenas querendo capturar os momentos do show para compartilhar em suas redes sociais e não vivenciar o momento. Isso já virou uma rotina nos shows e às vezes até ajuda a compor fotos… Mas, no geral, foi um público meio morno, mas que interagia com a banda sempre que solicitado.

O repertório preencheu 1 hora, o que pareceu de bom tamanho, afinal, não era uma dessas superbandas – mas quem esteve presente com certeza curtiu, pois o som estava lindo, alto e se conseguia ouvir perfeitamente os vocais e a pressão do instrumental sem agredir os ouvidos, isso é uma maestria que poucos operadores conseguem realizar em uma banda de som pesado.

O único ponto baixo mesmo do show e que certamente a banda não curtiu nem um pouco foi o fato do seu merchandising ter ficado preso no Uruguai…

Jinjer em Porto Alegre

(clique nesta foto  para ir à galeria)

*texto e fotos de Billy Valdez
**um agradecimento especial à amiga fotógrafa Aline Jechow, que emprestou um cartão de memória, porque o cabeção aqui foi para o show sem conferir seu equipamento

Heavy Hour 18 – 04.12.18 – O que está acontecendo na Nicarágua?!

Daniel Ortega, uma liderança da Revolução Sandinista na Nicarágua, que tirou o país do buraco na década de 1980, hoje é tratado como tirano. Mas por quê?! Virou o fio? O que está rolando nesta república centro-americana que os estadunidenses há décadas metem a mão? Neste programa, a nicaraguense Ana Marcela Sárria, socióloga e pesquisadora, traz uma perspectiva beeeem interessante – controversa, diriam os velhos comunistas daqui. Temos também, direto de lá, a participação com um depoimento de Madeleine Carácas, coordenadora universitária pela democracia e justiça, e o nosso grande e velho comunista, o Livreiro Bolívar, com mais uma dica no nosso bloco Bibliografia Social – pra falar com ele, manda recado pelo 51-989.050.672. O livro da semana é “Bibliotecas no Mundo Antigo”, de Lionel Casson.

Apresentação de Gustavo Türck (@GustavoTurck), Marcelo Cougo e Billy Valdez.

Bloco 1
Julio Reny e Expresso Oriente – Sandina
Rest in Chaos – Ego Riser
Rage Against the Machine – Testify
Dupla Penetração – Gato Preto

Bloco 2
Gladiator – Red
R.E.M. – It´s the end of the world
Jinjer – Pisces

Bloco 3
Furia Rockpauleira – Vida de Verme
Black Sabbath – War Pigs

Te comunica com a gente!
heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour