Arquivo da tag: Cultura

Heavy Hour 19 – 11.12.18 – Cultura Hip Hop: sempre da resistência!

Negra Jaque e DJ Zonattão, as grandes presenças deste programa, que fala um pouco – o que deu! – da história do hip hop. Os blocos de som estão montados na cronologia de uma evolução do rap vindo dos states e chegando no protagonismo feminino em petardos da própria Jaque, Stefanie e TRIZ, entre outros. Zonattão, o DJ de Bento, também deixa sua contribuição com uma das faixas de seu trabalho entre scratches, mixes e samplers. No bloco Bibliografia Social, o Livreiro Bolívar (51-989.050.672) indica uma obra do Professor Adílson Moreira, “O que é racismo recreativo”. Tá forte a coisa, não é mesmo?

Apresentação de Gustavo Türck (@GustavoTurck), Billy Valdez e Marcelo Cougo.

Bloco 1
Eu Acuso! – Idade Mídia
Run DMC e Aerosmith – Walk this Way
Public Enemy e Anthrax – Bring the Noise
Dr. DRE e Snoop Dogg – The Next Episode
Body Count – Black Hoodie

Bloco 2
Negra Jaque – Deus que Dança
DJ Zonattão e Tabordex – As 3 Siamesas
Stefanie – Mulher MC
DNA – As belas rosas estão presentes

Bloco 3
Cássia Eller – Nós
38milmanos – Cotidiano Difícil
Elza Soares – O que se cala
TRIZ – Elevação Mental

Confere ae e te comunica com a gente!
heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour

Pelotas, a cidade do Tambor de Sopapo

Quando o Heavy Hour estreia nas ondas da RádioCom, 104.5 FM de Pelotas – ouça aqui! -, na mesma semana, a prefeitura da cidade a decreta Cidade do Tambor de Sopapo.

Parabéns aos mestres Giba Giba e Baptista! Parabéns a suas famílias e amigos, a tantos outros dessa história contada aqui, no filme O Grande Tambor:

Sabe-se que é um ato político, mas se soma ao de 2013, que instituiu a Medalha do Mérito Mestre Batista – clique aqui para ver o decreto.

Soma-se a tantas outras iniciativas que existem desde já praticamente uma década – e mais! E se está enxergando um ressurgimento, quem sabe uma redenção.

Que a história e o trabalho de todos siga neste passo, nesta batida!

Heavy Hour 16 – 20.11.18 – estreia na RádioCom de Pelotas! Dia da Consciência Negra e muito papo!

Com Charlotte Dafol, fotógrafa e musicista, que dá seus pitacos e fala do trabalho na Agência de Notícias das Favelas, do Rio de Janeiro, tem ainda a participação do Professor e semiólogo Vinícius Romanini, falando da estética bolsonarista whatszapeana, teve ainda entrada ao vivo, direto da Marcha Zumbi Dandara em Porto Alegre, da Mariana Gonçalves, que é da Rádio A Voz do Morro, e – ufa! – o retorno de Jedi, Billy Valdez voltando da tour da Hempadura e…não falando nada!

Ah! E tem mais uma dica de Bibliografia Social do Livreiro Bolívar (51-989.050.672)!

Este programa estreia a rede com a RádioCom de Pelotas, 104.5 FM, uma satisfação tremenda pra gente e que rendeu duas músicas do filme que produzimos por lá, lançado em 2010, O Grande Tambor. O Heavy Hour vai ao ar todas as quartas-feiras, a partir das 20h – na Rockpedia segue nos sábados às 18h e todas as quartas, também, já à tarde, vai para o Mixcloud e site do Coletivo Catarse e osubsolo.com.

Músicas neste programa:
Bloco 1
A Princesa é uma Senhora – trilha sonora do filme O Grande Tambor
Caetano Veloso – Black or White/Americanos

Bloco 2
Ratos de Porão – Expresso da Escravidão
Commandantes – Makhnovtchina
Criolo – Cria de Favela
Leviaethan – Drinkin Death

Bloco 3
Suíte Senzala – trilha sonora do filme O Grande Tambor

Bloco 4
Dona Conceição ft MC Pérola Negra – A Onda é Negra
Sepultura – Territory

heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour
coletivocatarse.com.br
@coletivocatarse

Cordel do Fogo Encantado: a primeira vez do estagiário

Em uma tarde comum de trabalho no Coletivo Catarse, o estagiário colocou um reggae pra tocar. Lá pelas tantas, alguém comentou:

“Nossa, essa música lembra muito Cordel do Fogo Encantado”!

“Não sei que banda é essa, mas pode ser que tenha inspirado eles”, respondeu o estagiário.

“Não acredito que tu não conhece o Cordel do Fogo Encantado! É uma banda de Pernambuco que fez um baita sucesso nos anos 2000 e que tinha se separado, mas voltou este ano e vem tocar aqui em Porto Alegre dia 29 de Novembro no Opinião!” – esta colocação definitivamente despertou a curiosidade do estagiário.

“Vamos fazer uma cobertura e acho que seria muito legal também se tu ouvisse o primeiro álbum, que considero o melhor, pela primeira vez e descrevesse a experiência!” – o estagiário concordou, colocou um fone de ouvido e apertou o play…

Sinos e gritos iniciam o álbum Cordel do Fogo Encantado. A impressão é de um pesadelo apocalíptico no Sertão. Retirantes em uma carroça contam – no melhor estilo de teatro popular nordestino – suas histórias de vida e morte.

Começa uma batucada poderosa, mais tarde também se somam outros instrumentos de percussão como pandeiro, agogô e triângulo.

As músicas não se restringem ao clima sombrio, por vezes assumem tons alegres – remetendo a festas populares como São João – ou contornos românticos.

A forte presença de manifestações da cultura popular talvez seja um dos traços mais marcantes da obra. Além disso, elementos comuns a boa parte do país – como o pandeiro e o sabiá – trazem uma ideia de brasilidade muito forte.

As poesias de cordel – como “Aí se sesse” – que vão sendo declamadas entre e durante as músicas não só ajudam a quebrar o ritmo, mas também valorizam e difundem a sabedoria de grandes mestres contadores de histórias.

A natureza é tema recorrente de diversas canções: o vento, a pedra e o fogo são personagens de diversas histórias cantadas. A chuva e a seca são colocadas de forma a revelar uma terra de extremos. Por vezes a seca é devastadora; mas, quando vem, a chuva é tanta que até o boi nada.

Aliás menções como, o boi, o canavial e o carroceiro são comuns e vão revelando a vida no sertão.

O misticismo também é um traço extremamente marcante. O álbum passa uma ideia ritualística, como se evocasse os espíritos do sertão para que revelassem seus segredos mais profundos.

Nesse aspecto, percebe-se a influência de uma longa tradição de pajés, curandeiras e profetas. Figuras históricas e míticas como Antônio Conselheiro e o Rei Dom Sebastião também assinam as profecias declamadas:

“Herdeiros do novo milênio
Ninguém tem mais dúvidas
O sertão vai virar mar
E o mar sim
Depois de encharcar as mais estreitas veredas
Virará sertão

Antônio tinha razão
Rebanho da fé

A terra é de todos e a terra é de ninguém
Pisarão na terra dele todos os seus
E os documentos dos homens incrédulos
Não resistirão a Sua ira

Filhos do caldeirão
Herdeiros do fim do mundo
Queimai vossa história tão mal contada”

O álbum é sensacional, extremamente poético sem ser enfadonho ou elitista; muito pelo contrário. As culturas populares nordestinas ajudam a cantar as histórias de forma interessante e cativante. A alternância entre o tom profético apocalíptico, alegre, festivo e romântico faz com que o álbum não fique repetitivo.

Mas vale dizer que, pela ritualística e teatralidade, que ficam evidentes até mesmo em um som gravado, deve ser MUITO mais afudê ao vivo!

Audiovisual para transformar – Parte 1 – o primeiro contato

Este ano tive a oportunidade de ministrar, através da Secretaria de Educação de Tapes, 2 módulos de uma oficina prática de produção audiovisual na cidade. No princípio, a intenção era uma atividade que envolvesse apenas o uso de dispositivos celulares, porém, extrapolou as minhas mãos, e tomou uma dimensão que me faz refletir sobre o sentido da minha prática profissional e sobre minha responsabilidade enquanto comunicadora, educadora e artista.

No Módulo 1 da oficina, que passei a chamar de Oficina Prática de Produção Audiovisual “com-o-que-se-tem”, encontrei 2 turmas de jovens, uma do ensino fundamental regular e outra do EJA. Turmas de jovens adultos que estudam na rede municipal e que chegam na atividade sem ter muita noção do que iriam fazer ali.

Eu não conhecia a realidade de Tapes, muito menos desses jovens que, como em qualquer lugar do mundo, são muito desafiantes. Porém, tinha uma certeza, a vontade de despertá-los, a partir do audiovisual, um olhar mais sensível sobre o contexto que estão inseridos. Finalizar, ou não, uma peça audiovisual era secundário.

O que aconteceu na prática foram encontros onde conseguimos assistir e destrinchar conteúdos audiovisuais consumidos por nós, refletir sobre estética, linguagem, roteiro e gêneros. Realizamos dinâmicas, exercícios práticos de filmagem e edição. Percebi neles um foco e uma vontade de realização bem importante que me deu a segurança para arriscar propor a aventura de fazer um filme.

A turma da noite escolheu uma ficção de suspense e a do dia, um documentário. Em quatro encontros unificamos os conceitos dos grupos em relação a produção audiovisual e nos outros 6 encontros pré-produzimos, filmamos e editamos estes 2 filmes. Uma primeira experiência deste tipo para aqueles 24 jovens desta pequena cidade gaúcha, tão bela mas tão distante de aparelhos culturais como cinemas e teatros.

Mais importante que os detalhes dos processos, que tiveram muitas particularidades e curiosidades, foram as minhas surpresas. Encontrei um ambiente fértil para a  realização de trabalhos audiovisuais mesmo que os atores não tivessem muito a noção da complexidade que circunda a produção audiovisual. Foram lá e fizeram. Finalizamos um documentário de 17 minutos, A casa da última rua, que hoje, 2 meses depois do lançamento, já soma mais de 4 mil acessos(!) e, também, A vida de Kameyom, uma ficção de 5 minutos que não foi veiculada e ficou apenas acessível para os participantes da oficina.

Nessa minha experiência em Tapes, pude sentir que um dos fatores responsáveis pelo sucesso das oficinas é a qualidade da educação do município. Escolas com uma estrutura privilegiada e jovens com uma capacidade cognitiva incrível. Tinham iniciativa, demonstravam criatividade na solução de problemas, escuta e diálogo, qualidades que muitas vezes não encontramos em profissionais. Me surpreendi, pois encontrei jovens, na sua maioria, interessados. Alguns sem perspectiva, mas uma grande parte abraçando a oportunidade que pintava na sua frente. Isso me surpreende, pois eu imaginava que isso não fosse possível em pessoas de 15, 16 ou 17 anos. Em um grupo um pouco menor, não rolou somente o interesse, mas a vontade por mais. E isso é transformador. A cabeça de alguns ali naquela turma pode extrapolar os limites da cidade e de si mesmo, viram reconhecido o seu trabalho e passaram a enxergar a si e ao seu mundo de maneira diferente. Isso é um caminho sem volta.

No momento que percebemos o poder que o realizar uma peça que valoriza a nossa realidade tem, nos valorizamos também e se nos valorizamos, não nos deixamos escravizar tão fácil. Politicamente, esta é a razão pela qual governos de direita sucateiam a educação. Por isso a necessidade de se diminuir ou até mesmo acabar com iniciativas e estruturas culturais.

Tapes já foi, em algum tempo passado recente, uma rota artística bem frequentada por artistas plásticos, músicos, escritores. Acredito que um lugar tão abundante de belezas naturais e com essa ligação histórica com a arte, não perde do seu DNA a sua potência criativa. Me parece que só precisa daquela mão no queixo que vira o seu olhar para um outro lugar, onde estão coisas lindas, onde está sua verdadeira identidade cultural. Esse encontro me parece fundamental para se viver.

Assista A casa da última rua:

Do resultado deste primeiro módulo, partimos para uma nova proposta que seria o Módulo 2 da oficina. Esta é outra história que em breve compartilho por aqui.

Em breve: Audiovisual para transformar – Parte 2 – nos bastidores do documentário Cores ao Vento, navegando pela arte de Silvio Rebello

doc-silvio-rebello-capa