Arquivo da tag: Gustavo Türck

Heavy Hour 16 – 20.11.18 – estreia na RádioCom de Pelotas! Dia da Consciência Negra e muito papo!

Com Charlotte Dafol, fotógrafa e musicista, que dá seus pitacos e fala do trabalho na Agência de Notícias das Favelas, do Rio de Janeiro, tem ainda a participação do Professor e semiólogo Vinícius Romanini, falando da estética bolsonarista whatszapeana, teve ainda entrada ao vivo, direto da Marcha Zumbi Dandara em Porto Alegre, da Mariana Gonçalves, que é da Rádio A Voz do Morro, e – ufa! – o retorno de Jedi, Billy Valdez voltando da tour da Hempadura e…não falando nada!

Ah! E tem mais uma dica de Bibliografia Social do Livreiro Bolívar (51-989.050.672)!

Este programa estreia a rede com a RádioCom de Pelotas, 104.5 FM, uma satisfação tremenda pra gente e que rendeu duas músicas do filme que produzimos por lá, lançado em 2010, O Grande Tambor. O Heavy Hour vai ao ar todas as quartas-feiras, a partir das 20h – na Rockpedia segue nos sábados às 18h e todas as quartas, também, já à tarde, vai para o Mixcloud e site do Coletivo Catarse e osubsolo.com.

Músicas neste programa:
Bloco 1
A Princesa é uma Senhora – trilha sonora do filme O Grande Tambor
Caetano Veloso – Black or White/Americanos

Bloco 2
Ratos de Porão – Expresso da Escravidão
Commandantes – Makhnovtchina
Criolo – Cria de Favela
Leviaethan – Drinkin Death

Bloco 3
Suíte Senzala – trilha sonora do filme O Grande Tambor

Bloco 4
Dona Conceição ft MC Pérola Negra – A Onda é Negra
Sepultura – Territory

heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour
coletivocatarse.com.br
@coletivocatarse

Heavy Hour 15 – 14.11.18 – Vamos falar de racismo? De novo?! Sim, porra!!!

Um programa com o coordenador estadual da UNEGRO, Dilmair Monte. Papo sobre a Grande Marcha Zumbi Dandara, dia 20/11, e mais uma sugestão do Livreiro Bolivar, A Liberdade É Uma Luta Constante, de Angela Davis. Estamos total novembro… Ah! E novidades na criação da Rede Heavy Hour! Vamos a Pelotas e Santa Maria!

Quem toca neste programa:
Bloco 1
Mangueira – samba enredo 2019 “Eu quero um Brasil que não está no retrato”
Sepultura – Symptom of the Universe
Tango Feroz – El Amor és más Fuerte

Bloco 2
Living Colour – Type
THC Core
Visão Vermelha – Sputiniks
Balboa Punch – Paying with the Life

Bloco 3
System of a Down – Chop Suey!
The Doors – The End live in Toronto 1967

Audiovisual para transformar – Parte 2 – nos bastidores do documentário Cores ao Vento, navegando junto pela arte de Silvio Rebello

Num segundo módulo de oficina em Tapes, propusemos a produção de um documentário sobre a obra de Silvio Rebello. Uma realização Prefeitura e Secretaria de Educação e Cultura de Tapes, numa coprodução Coletivo Catarse, Clube da Sombra e Lagoa TV.
Silvio Rebello foi um artista plástico Tapense. Escultor, pintor, trabalhava com fotografia, projeção de imagens. O talento dele parecia não caber na cidade e, de fato, não coube. Tem obras dele espalhadas Brasil afora e em acervos de pessoas e artistas reconhecidos daqui também. Viveu na Bahia por algum tempo o que influenciou muito sua obra, inclusive trazendo motivos africanos e imagens ligadas aos orixás. Era uma pessoa que enxergava longe mas que estava muito perto de todos por ser extremamente humilde e simples. Parte da população desta pequena cidade não conhece o artista e sua obra, porém quem conhece o admira e ainda se transforma com o legado que deixou.

Assista ao documentário: Cores ao Vento – Navegando pela obra de Silvio Rebello

Como trouxe no outro relato, Tapes já foi, em algum tempo passado recente, uma rota artística bem frequentada por artistas plásticos, músicos, escritores. Em nossas investigações pela cidade, existe uma preocupação muito grande que esse resquício de memória desapareça. Silvio Rebello nos pareceu um registro muito significativo para dar início a salvaguarda dessa história.
A proposta era desenvolver um documentário curta-metragem sobre a obra de Silvio Rebello e um making of do filme. Parte do documentário e o making of realizamos através do segundo módulo da oficina de produção audiovisual, para que os jovens que participaram do primeiro módulo pudessem ter contato com uma produção audiovisual mais elaborada, que trouxesse um conteúdo artístico e se prestasse a ser mais livre e menos encaixotada aos padrões de documentário convencional.

A questão da falta de referências é muito forte nesses jovens. Ter acesso a internet não significa ter acesso a diversidade de conteúdos. Tivemos que, nos poucos dias disponíveis, desconstruir conceitos e enquadramentos, repensando a maneira que enxergamos e reproduzimos o entorno. Para poder filmar, primeiro observamos e isso por si só, já modifica. “Quando o cara não faz muita coisa ligado a cultura, o cara não dá bola. Quando o cara comeca a se ligar no audiovisual, hip hop…qualquer coisa que o cara começa a fazer, ligado a arte, o cara começa a dar valor a qualquer arte em si”, reflete João. Esse me pareceu o depoimento central da experiência desses jovens a partir das oficinas de audiovisual e de tantas outras que tem acontecido na cidade. O empoderamento é visível e a vontade de continuar produzindo também.

Todo o trabalho que fizemos em Tapes visava a autonomia criativa e produtiva dos envolvidos, mas me parece que o grande desafio desses jovens é como, sem o auxílio do poder público ou de terceiros, conseguir se mobilizar para realizar. Como entender que essa continuidade depende (também e principalmente) deles?

Penso que um bom início é rever o que eles fizeram  e acreditar que seja possível isso se repetir com ou sem ajuda. Hoje eles tem acesso fácil a ferramentas audiovisuais, as dominam inclusive, nasceram dentro de uma época em que essa linguagem é a principal, ou seja, eles tem tudo para serem protagonistas de suas próprias histórias, fictícias ou documentais, o que resta é uma questão de autoestima e isso, para mim, significa praticar, praticar, praticar….

Assista ao making of: Bastidores de um Documentário – Navegando Junto pela Obra de Silvio Rebello


 

Projeto Resistência Kaingang – Diário de Viagem (dias 1 e 2)

Aqui começam as publicações que vão contar um pouco da jornada da equipe do projeto em setembro de 2018:

Dia 1 e 2: T.I Serrinha (RS) 24 e 25 de setembro: Sobre os passos de Alcindo Peni Nascimento… Primeiros momentos.

O primeiro dia da nossa estadia nas Terras Kaingang foi um dia de reencontros da companheira Iracema Gatén Nascimento com seus parentes que lutaram junto com ela e com seu pai Alcindo Peni Nascimento nas retomadas de Nonoai, Mangueirinha e Serrinha.

1--Iracema-e-Livia
Iracema Gáten Nascimento e sua prima Lívia Nascimento caminhando na T.I Serrinha

Heavy Hour 14 – 09.11.18 – Agro é pop o cacete! o negócio vai acabar com o Brasil!

Um programa que traz – de novo – o livreiro Bolivar, oráculo, e o antropólogo Pablo Quintero, venezuelano, estudioso da causa indígena e que usa relógio de pulso Casio em 2018. Com contribuição do falante Leonardo Melgarejo e sua lógica didática e concatenada, pra dizer a todos que… estamos na meeeeerdaaaa!

Que som rola neste episódio?
Inraza – Sociexit
Led Zeppelin – The Battle Evermore

Caetano Veloso – Long Way
Kreator – When the Sun Burns Red
Killah! – Vibe Demente

Rage Against The Machine – Freedom
Out In Style – Lucid Dream
Bizibeize – Eu não quero ter que ser
Audiozumb – A Voz

Judas Priest – Breaking the Law
Drop Inside – Sem Repostas
Vivar – Daydreaming
Yngwie Malmsteen e Tim Ripper Owens – Mr. Crowley