Arquivo da tag: Heavy Hour

HH02-2018 – a cidade que queremos no Coletivo Catarse

Ouça o segundo programa de 2018 – heavy metal, política, ideologia, qual cidade queremos…

– sextas, ao vivo, no facebook.com/programaheavyhour na live, e no site do Coletivo Catarse a partir das 16h
– sábados no rockpedia.com.br às 18h
– e também no osubsolo.com

Porto Alegre Hardcore


A noite do dia 16 de junho era pra ser um encontro de alguns integrantes do Coletivo Catarse, responsáveis pelo Heavy Hour, no show coletivo no Go Brew, prestigiando a cena local e celebrando a Hempadura, banda do Billy Valdez (integrante mais calado e mais hardcore do power trio formado ainda por Gustavo Türck e Marcelo Cougo). Porém, o verdadeiro heavy hour está à solta nas ruas de Porto Alegre, e dois dos nossos colegas foram assaltados antes dos shows e não puderam comparecer. Coube a mim fazer a representação e a resenha do espetáculo. Claro que não estava numa boa e depois de remoer a merda que tinha acontecido com os amigos me fui para o local.

Cheguei no final da apresentação da Renascida e não pude curtir muita coisa. De qualquer forma, é bom dar um destaque pra gurizada de Canoas que está desde 2012 na estrada. Aqui um vídeo deles:

Antes ainda, teve a Outra Providência, dos extremos (Norte e Sul) de Porto Alegre, mandaram seu hardcore mais cruzão, que podemos sacar um pouco através do videoclipe de Ruas Vazias:

A banda Troll, formada pelos experientes Rodrigo Ruínas (vocal), Phil Barragan (guitarra), Cássio Quines (bateria) e Isaías Fussa (baixo), trouxe peso, velocidade, reflexões existenciais e alegria de estar no palco, ajudando a espantar os demônios do frio e do medo que assolavam minha alma naquela noite. Foi muito bom ouvir e ver a banda em ação. Muito bom bater um papo com o Rodrigo e ver que a música também ajudou a espantar os diabinhos que nele habitavam – e que a arte é um caminho pra expressão de vida. Vida longa pra Troll, e espero que em breve possamos ter registrados alguns dos petardos que foram detonados nesse show.

Porto Alegre Hardcore//embedr.flickr.com/assets/client-code.js

Troca rápida de palco e chega a hora da Hempadura. Começando com Tradados como Gado e na cola, Cidadão de Bem, seguindo com uma sequência devastadora, como a vigorosa e necessária 5 tiros, que, ao vivo, impressiona ainda mais, além de alguns clássicos de outros registros fonográficos tipo Palanque de Mentiras, Proletariado e Mercado da Morte. A banda nos brindou com um momento especial, quando convidaram Átila Velasquez, mestre do rap freestyle, para reproduzir o clima de Sorria, RAP gravado no mais recente álbum Artigo 331. Mais uma letra fundamental nesses tempos de fake news (que de news nada têm, visto que a mentira e a manipulação sempre foram importantes armas usadas pela mídia a favor dos poderosos). Em cima do palco, uma gurizada nova e ligada nas mensagens diretas da Hempadura, banda cada vez mais madura. Na plateia, a resposta foi das melhores com muita empolgação e refrões cantados com vontade. Hempadura foi pro jogo com Billy Valdez, no baixo e backing vocals, Bodão Artenula, nas guitarras e vozes, Kalleb Sanches, nos vocais e cada vez melhor no palco, e o raçudo Ériton Castilhos, na bateria, que, mesmo lesionado, fez o hardcore correr pesado, no seu kit sem tons.

Depois dessa demonstração de arte engajada, vieram aqueles que eram a grande atração da noite, Ponto Nulo no Céu, direto de SC, fazendo seu som pesado e melodioso, muito bem tocado e com grande interação e interesse do público, que enchia a casa e certamente saiu muito satisfeito com tudo o que viveu aquela noite. Banda com estrada longa, trabalho consistente que se reflete no palco e deve servir de exemplo a quem segue esse caminho: perseverança e trabalho constante!

Parabéns para os envolvidos, o trabalho da The Warriors Prod, o pessoal do som, que só pecou um pouquinho no baixo, muito baixo, em meio ao caos sonoro que se instala nesses eventos. Parabéns também para a galera que compareceu e se portou muito bem, atenta ao que rolava no palco, dando aquela moral pra quem se esforça tanto na produção de cultura em Porto Alegre.