Arquivo da tag: Memória

Audiovisual para transformar – Parte 1 – o primeiro contato

Este ano tive a oportunidade de ministrar, através da Secretaria de Educação de Tapes, 2 módulos de uma oficina prática de produção audiovisual na cidade. No princípio, a intenção era uma atividade que envolvesse apenas o uso de dispositivos celulares, porém, extrapolou as minhas mãos, e tomou uma dimensão que me faz refletir sobre o sentido da minha prática profissional e sobre minha responsabilidade enquanto comunicadora, educadora e artista.

No Módulo 1 da oficina, que passei a chamar de Oficina Prática de Produção Audiovisual “com-o-que-se-tem”, encontrei 2 turmas de jovens, uma do ensino fundamental regular e outra do EJA. Turmas de jovens adultos que estudam na rede municipal e que chegam na atividade sem ter muita noção do que iriam fazer ali.

Eu não conhecia a realidade de Tapes, muito menos desses jovens que, como em qualquer lugar do mundo, são muito desafiantes. Porém, tinha uma certeza, a vontade de despertá-los, a partir do audiovisual, um olhar mais sensível sobre o contexto que estão inseridos. Finalizar, ou não, uma peça audiovisual era secundário.

O que aconteceu na prática foram encontros onde conseguimos assistir e destrinchar conteúdos audiovisuais consumidos por nós, refletir sobre estética, linguagem, roteiro e gêneros. Realizamos dinâmicas, exercícios práticos de filmagem e edição. Percebi neles um foco e uma vontade de realização bem importante que me deu a segurança para arriscar propor a aventura de fazer um filme.

A turma da noite escolheu uma ficção de suspense e a do dia, um documentário. Em quatro encontros unificamos os conceitos dos grupos em relação a produção audiovisual e nos outros 6 encontros pré-produzimos, filmamos e editamos estes 2 filmes. Uma primeira experiência deste tipo para aqueles 24 jovens desta pequena cidade gaúcha, tão bela mas tão distante de aparelhos culturais como cinemas e teatros.

Mais importante que os detalhes dos processos, que tiveram muitas particularidades e curiosidades, foram as minhas surpresas. Encontrei um ambiente fértil para a  realização de trabalhos audiovisuais mesmo que os atores não tivessem muito a noção da complexidade que circunda a produção audiovisual. Foram lá e fizeram. Finalizamos um documentário de 17 minutos, A casa da última rua, que hoje, 2 meses depois do lançamento, já soma mais de 4 mil acessos(!) e, também, A vida de Kameyom, uma ficção de 5 minutos que não foi veiculada e ficou apenas acessível para os participantes da oficina.

Nessa minha experiência em Tapes, pude sentir que um dos fatores responsáveis pelo sucesso das oficinas é a qualidade da educação do município. Escolas com uma estrutura privilegiada e jovens com uma capacidade cognitiva incrível. Tinham iniciativa, demonstravam criatividade na solução de problemas, escuta e diálogo, qualidades que muitas vezes não encontramos em profissionais. Me surpreendi, pois encontrei jovens, na sua maioria, interessados. Alguns sem perspectiva, mas uma grande parte abraçando a oportunidade que pintava na sua frente. Isso me surpreende, pois eu imaginava que isso não fosse possível em pessoas de 15, 16 ou 17 anos. Em um grupo um pouco menor, não rolou somente o interesse, mas a vontade por mais. E isso é transformador. A cabeça de alguns ali naquela turma pode extrapolar os limites da cidade e de si mesmo, viram reconhecido o seu trabalho e passaram a enxergar a si e ao seu mundo de maneira diferente. Isso é um caminho sem volta.

No momento que percebemos o poder que o realizar uma peça que valoriza a nossa realidade tem, nos valorizamos também e se nos valorizamos, não nos deixamos escravizar tão fácil. Politicamente, esta é a razão pela qual governos de direita sucateiam a educação. Por isso a necessidade de se diminuir ou até mesmo acabar com iniciativas e estruturas culturais.

Tapes já foi, em algum tempo passado recente, uma rota artística bem frequentada por artistas plásticos, músicos, escritores. Acredito que um lugar tão abundante de belezas naturais e com essa ligação histórica com a arte, não perde do seu DNA a sua potência criativa. Me parece que só precisa daquela mão no queixo que vira o seu olhar para um outro lugar, onde estão coisas lindas, onde está sua verdadeira identidade cultural. Esse encontro me parece fundamental para se viver.

Assista A casa da última rua:

Do resultado deste primeiro módulo, partimos para uma nova proposta que seria o Módulo 2 da oficina. Esta é outra história que em breve compartilho por aqui.

Em breve: Audiovisual para transformar – Parte 2 – nos bastidores do documentário Cores ao Vento, navegando pela arte de Silvio Rebello

doc-silvio-rebello-capa

Estreia do documentário Cores ao Vento – navegando pela arte de Silvio Rebello

Hoje, 06/11/18, na cidade de Tapes, será lançado o documentário Cores ao vento – navegando pela arte de Silvio Rebello, uma realização da Secretaria Municipal da Educação e Cultura e a Prefeitura de Tapes, numa coprodução do Coletivo Catarse, do Clube da Sombra e da Lagoa TV.

O filme retrata num tom poético o universo colorido do artista plástico tapense, que dedicou sua vida a arte nas suas mais variadas formas. Transitou na escultura, pintura, fotografia e música. Retratava a paisagem da cidade de uma forma muito peculiar e, ainda, a cultura negra, numa mescla de referências do Rio Grande do Sul e Bahia, lugar onde morou e trabalhou por alguns anos e que transformou significativamente sua produção.

Este filme é uma homenagem e um resgate. Procura dar o devido valor a um artista tão importante e, igualmente, salvaguardar o legado artístico, somando a um conjunto de iniciativas que buscam este mesmo objetivo, como é o caso da recém criada Fundação Silvio Rebello.

Vale ressaltar que o filme foi produzido concomitante a uma oficina de produção audiovisual com jovens da cidade, que, além de produzirem imagens para o documentário, realizaram o seu making of, que em breve estaremos divulgando com um relato sobre este processo.

Pra não esquecer: Cine Marighella

No aniversário do assassinato de Carlos Marighella, segue uma coprodução do Coletivo Catarse com o Professor de História Laurence West, diretor do filme (Sinopse: Cine Marighella busca resgatar a memória de um herói brasileiro. A prisão do então deputado Carlos Marighella, em maio de 64, marca de forma intensa a trajetória de lutas do baiano que virou referência mundial na luta contra a opressão.).

Trailer:

Filme completo:

Heavy Hour sobre o tema:

Filmografia Social – O Grande Tambor precisa bater!

Num momento em que se inicia o mês da Consciência Negra e que se elege presidente um racista confesso, nada mais certo que indicarmos uma produção nossa: O GRANDE TAMBOR.

Neste documentário em longa-metragem, denso, forte, há uma jornada que começa contando a história de um instrumento que foi a base do samba considerado gaúcho, mais cadente, mas que foi sumindo a partir da década de 1970 pela massificação cultural e pela “carioquização” do carnaval nacional. A partir disso, vamos retornando no tempo e observando as origens da ocupação do povo negro no território gaúcho – uma violenta narrativa de escravidão e genocídio, com sequestro de sua prática religiosa para consecução de objetivos mercadológicos do ciclo do charque.

O Grande Tambor recupera a ideia de que a Revolução Farroupilha não foi revolução coisa nenhuma e detalha o papel decisivo do infame Duque de Caxias – um herói da horda fascista vitoriosa no último pleito presidencial – no massacre de Porongos, apresentando a carta enviada aos comandantes brancos do batalhão conhecido como Lanceiros Negros.

Uma viagem de desmistificação. Assista atento, aberto a ouvir muita informação e prováveis contrapontos ao que você sempre entendeu como certo.

NOSSA AVALIAÇÃO
Gênero: documentário etnográfico
Temática Social: racismo
Público-alvo: gaúchos interessados em sua história, pessoas de outros estados que acreditam que o Rio Grande do Sul é a Europa do Brasil e que aqui não há negros, músicos interessados em percussão, pessoas que gostam de carnaval e samba
Roteiro: 
(o caminho é bem delineado, a jornada vai detrás para frente no tempo e descortina as camadas históricas da contribuição do povo negro na cultura e realidade do Rio Grande do Sul e Brasil, mas pela duração pode ser considerado muito massante)
Dramaturgia: 
(a fotografia não é das melhores, com diferenças entre câmeras e personagens, sem definição de linguagem, o áudio também demandaria melhor tratamento, o filme parece esteticamente não finalizado, mas isso tudo pela opção de se valorizar o conteúdo, que tem uma boa construção emotiva, de momentos de respiro para reflexão e vários ápices catárticos)
Aprofundamento da Questão Social: 
(a razão da existência deste filme é exatamente ser uma obra que aprofunda a questão do racismo na construção histórico-cultural do Rio Grande do Sul, é pleno neste sentido)

Assista ao filme:

Confira todo o material do projeto aqui no site, clique aqui.

Por Gustavo Türck

– Filmografia Social é um conteúdo apoiado pela Graturck – perícia social, consultoria e cursos (www.graturck.com.br) e é publicado simultaneamente no site/redes do Coletivo Catarse e no site/redes da Graturck todas as quartas-feiras

Santo Oscar Romero, o martírio da fé pela opressão politiqueira

Por Jacques Alfonsin (originalmente publicado aqui).

A relação entre fé e política se encontra em causa atualmente, no Brasil, pela intensa campanha que os partidos e as/os seguidoras/es dos candidatos vitoriosos no primeiro turno das eleições estão fazendo junto a autoridades religiosas na disputa de votos.

Por uma coincidência notável, o Papa Francisco reconheceu como santos, no domingo passado, entre outras pessoas, Paulo VI e Dom Oscar Romero, arcebispo em El Salvador, assassinado pelo aparato militar de extrema direita liderado por Robert d´Aubuissom, ex major do exército salvadorenho, no dia 24 de março de 1980, quando celebrava missa.

Dom Oscar era um ferrenho opositor do regime de governo então imposto ao país, no qual o violento abuso da polícia política oficial não hesitava em torturar e matar quem ousasse contrariar suas ordens. Padres, religiosas/os e integrantes das comunidades de base, por sua dedicação pastoral, presença militante junto a movimentos populares e vítimas da repressão oficial, em pública afinidade com o arcebispo, eram alvo frequente dos desmandos do esquadrão da morte, organizado para combater qualquer sinal de rebeldia.

Um tempo histórico muito semelhante ao que viveu o Brasil durante a ditadura imposta ao país em 1964 e hoje celebrada pelo candidato Bolsonaro, à presidência da República, no segundo turno das nossas eleições.

Conhecido internacionalmente, justamente por sua coragem e aguerrida defesa dos direitos do povo pobre de El Salvador – à semelhança do que aqui fizeram Dom Paulo Evaristo Arns, Helder Câmara, Pedro Casaldaliga e Tomaz Balduino, entre outros, em defesa das vítimas da ditadura – a morte do agora reconhecido como santo fez surgir uma onda de indignação interna e externa sobre aquele país. Havia uma rumorosa exigência de apuração legal e julgamento dos responsáveis pelo assassinato. O governo de El Salvador permaneceu surdo a toda essa pressão, inclusive aumentando o seu sistema de repressão contra seus opositores e opositoras.

Como Santo Oscar, no meio intelectual, contara com um forte apoio de Ignacio Ellacuria, um jesuíta que chegou a ser reitor da UCA (Universidade Centro Americana), esse também foi morto juntamente com mais quatro padres uma doméstica e sua sobrinha, em 1989. Nem a movimentação e a pressão externa da ONU conseguiu serem apuradas as responsabilidades pelo assassinato de Dom Oscar Romero e punidos os responsáveis pelas chacinas. Guardadas as diferenças, o mesmo aconteceu recentemente aqui no Brasil, quando o Comitê de Direitos Humanos daquela Organização pretendeu garantir ao ex-presidente Lula habilitar-se à condição de candidato às eleições deste ano.

Restou como lembrança desse assassinato o fato de a mesma ONU, em 17 de junho de 2010, consagrar a data da sua morte (24 de março) como o “Dia Internacional do Direito à Verdade sobre as Violações dos Direitos Humanos e da Dignidade das Vítimas.”

Vale a pena conhecer-se o que este santo homem disse dois meses antes do seu assassinato-martírio, na Universidade de Lovaina, até para se poder formar juízo do que uma ditadura, mesmo fantasiada de democracia – num país como o nosso, onde o ódio, as fake News, os preconceitos ideológicos de toda ordem estão crescendo de forma avassaladora, alimentados por intrigas, fofocas, injúrias e calúnias – pode produzir de modo irreversível:

“A estação de radio arquidiocesana e as instituições educacionais católicas ou de inspiração cristã foram atacadas, ameaçadas, intimidadas, até bombardeadas. Diversas comunidades paroquiais foram fechadas. Se tudo isso aconteceu com pessoas que são os representantes mais evidentes da Igreja, bem podeis imaginar o que ocorreu com os cristãos comuns, os camponeses, os catequistas, os ministros leigos e as comunidades eclesiais de base. Houve centenas e milhares de ameaças, prisões, torturas, assassínios. Como sempre, mesmo na perseguição, entre os cristãos foram os pobres os que mais sofreram. É, pois, um fato indiscutível que, nos últimos três anos, nossa Igreja tem sido perseguida. Mas é importante observar porque ela tem sido perseguida. Nem todos os padres foram perseguidos, nem todas as instituições foram atacadas. Foi atacada e perseguida a parte da Igreja que se colocou ao lado do povo e que se dispôs a defender o povo.” (In “A dimensão política da fé dentro da perspectiva de opção pelos pobres”. Vários autores. São Paulo: Paulinas, 1987, p. 267 e seguintes).

Nem todas/os as/os brasileiras/os consideram advertências graves como essas se justificarem agora, mesmo diante do passado e da repetida agressividade manifestada no discurso do candidato Bolsonaro. Não pensa assim grande parte do laicato cristão do Brasil. Já no mesmo domingo da canonização de Dom Oscar Romero, a Caritas, a Comissão de Justiça e Paz da CNBB e o Conselho Indigenista Missionário, entre outras organizações desta parte do povo lançou um manifesto assinado por seus representantes, cujo teor já se encontra disponível em vários sites da internet, intitulado “Democracia: Mudança com Justiça e Paz”. Ali, entre outros avisos, pode-se ler o seguinte, com base no preâmbulo da nossa Constituição:

“No processo eleitoral em curso, um movimento antidemocrático fere estes valores supremos assegurados pela Constituição e apela ao ódio e à violência, colocando o povo contra o povo. Demoniza seus opositores, classifica-os de comunistas e bolivarianos, menospreza a população do nordeste brasileiro e tenta semear o ódio e o medo. Esta atitude já se concretiza por meio de agressões e assassinato contra os que manifestam posições divergentes. A Constituição sai ferida com esta intolerância que nega a diversidade do povo brasileiro, estimula preconceitos e incentiva o conflito social. Estes candidatos e seus seguidores, que pregam a tortura e a pena de morte, sustentam que as mulheres podem ter menos direitos que os homens, usam de violência contra a população LGBT, discriminam negros, índios e quilombolas com insultos, racismo e xenofobia. Em resumo, atacam a democracia pelo desprezo dos seus valores republicanos.”

“O candidato deste movimento quer se valer de eleições democráticas em sentido contrário para dar legalidade e legitimidade a um governo que pretende militarizar as instituições, garantir impunidade aos abusos policiais, armar a população civil e reduzir ou cortar programas de direitos humanos e sociais. Em poucas palavras, é o abandono do Estado Democrático de Direito. O Brasil é um país de desigualdades sociais profundas em que os ricos estão cada vez mais ricos à custa dos pobres cada vez mais pobres. Estes candidatos antidemocráticos atendem às imposições do sistema financeiro e da política neoliberal que atacam direitos sociais, ambientais e o patrimônio do país. As possíveis consequências deste programa são: o fim do décimo terceiro salário, a diminuição do Bolsa Família, a extinção das cotas nas universidades e a privatização sumária das estatais. Na verdade, tais medidas constituem a intensificação do Governo Temer, que está produzindo desemprego, sofrimento e abandono da população.

“Tais políticas, já receberam veemente condenação do reconhecido líder mundial, o Papa Francisco: “Assim como o mandamento «não matar» põe um limite claro para assegurar o valor da vida humana, assim também hoje devemos dizer «não a uma economia da exclusão e da desigualdade social». Esta economia mata.” (Evangelii Gaudium, 53).

“Este movimento apoia um candidato que pretende ser um político novo, salvador da pátria, que está no Congresso há quase trinta anos, trocou de partido oito vezes e não aprovou um projeto sequer para melhorar as condições de vida do nosso povo, votando contra todas as políticas sociais que beneficiariam os trabalhadores e trabalhadoras, principalmente, os mais pobres. Por tudo isso, nós, integrantes de organizações da sociedade civil, portadores da convicção da inafastável dignidade da pessoa humana, fundamento dos direitos humanos, não podemos nos omitir. Respeitamos todos aqueles que, por motivos variados, tenham votado no 1º turno sem atentar para estes valores, mas queremos dialogar francamente com todos. A possibilidade de se instalar um governo como esse movimento deseja, retoma o passado de ditadura já superado. Nosso Brasil pode ter divergências, porém sem ódio. Há necessidade do crescimento da economia com diminuição da desigualdade. Com base nestes valores, temos o dever fraterno de alertar a todos os nossos concidadãos e concidadãs, para que sua escolha no 2º turno contemple os princípios aqui defendidos e o candidato que os representa, integrante de uma ampla frente democrática pluripartidária, para assegurar um futuro de Justiça e de Paz para o Brasil. Brasília, 15 de Outubro de 2018.”

Aviso dado, parece conveniente pensar-se em recebê-lo, antes que o pior aconteça.