Arquivo da tag: Música

Negra Jaque lança álbum Diário de Obá

Ouça o disco completo no Spotfy – aqui.

Um lugar no mundo. É isso que Negra Jaque canta.

Um lugar onde a mulher negra possa caminhar lado a lado com todas as outras, que possa, por mérito, por dedicação, mas mais ainda por oportunidade, ver sua vida andar pra frente, ser reconhecida e ter sua voz e seu lugar de fala respeitado.

Em seu novo trabalho, DIÁRIO DE OBÁ, Jaque traça essa trajetória e apresenta Obá, mulher orixá ancestral símbolo da mulher brasileira com toda sua força resistência e beleza.

*texto retirado da divulgação do lançamento em show dia 04/10 – infos aqui.

Inimigo Eu: A Carta

A banda Inimigo Eu, da cidade de Esteio/RS, acaba de  lançar seu mais novo Videoclipe da música “A Carta”, faixa integrante do E.P Queda e Ascensão.

A mensagem forte contida na letra da música deu origem a uma narrativa que aborda uma questão bem atual: a ganância por dinheiro e corrupção sistêmica em cima do meio ambiente. A história se desenvolve em torno de um escritório de engenharia ambiental em que um engenheiro recebe uma proposta para fraudar uma licença para uma barragem. O personagem se confronta com vários sentimentos e vai decidir qual o caminho a tomar entre muita grana e seus ideiais e convicções.

O roteiro foi escrito por Guilherme Barcelos, filmagens da banda por Lucas Machado, produção, filmagens, direção e edição por Billy Valdez, do Coletivo Catarse.

Banda: Inimigo Eu
Música: A Carta
Álbum: Queda e Ascensão
Produção: Coletivo Catarse
Lançamento: Estrondo Records

Negra Jaque: 80 Motivos

Lyric video realizado em parceria com o Coletivo Catarse.

Letra:
Com mais de 80 motivos pra jogar bem na sua cara
Ando aqui de pés descalços sobre o fio da navalha
Não vim pra explicar nada
Vim pra confundir sua mente
Subestimar aqui é de costume
Eu vim pra quebra correntes
Não vou ficar nessa cota, botamos o pé na porta
Mesmo com alvo nas costas, mostro aqui que eu não to morta
A mídia alimenta o medo, desligue o aparelho
Vire erva daninha vem pra pista desde cedo
Na época do fake News, o que vale são teus views
Teu sangue, tua luta interna ninguém sabe nunca nem viu
O rap perdido no beat, procurando o melhor hit,
não sabem não querem saber ,pra se posicionar tem que ter convite
sou da geração de 80, nos manos me diz violenta
mas pega a visão na situação ele não me representa

disseram que era pra eu viver, me encontro aqui muito viva
minha rima tem nada a temer
chego no pique da Queen Latifha
demônios que moram em mim
querem me chamar mas não sabem
sou iansã brisa do amanhã
vento, raios e tempestades
quando tu não é alvo aqui
é fácil dizer Marielle
a execução juiz promotor
e o lema e a bala que fere
quantos vão ter que morrer
Aqui nossas mães não suportam,
Ta na hora de aprender, que vidas negras importam
O bonde ta em formação temos brilhos em nossos olhares
Pega visão,sente a pressão
E o Brasil vai virar palmares

Direção Criativa : Fabiana Menini
Mix/Master: @noturno records

+ INFOS
Edição por Coletivo Catarse sobre imagens de arquivo de materiais próprios produzidos em frentes de resistências desde 2013.

facebook.com/NegraJaqueOficial
Instagram : @negrajaqueoficial
OneRPM Negra Jaque

Heavy Hour 55 – 03.09.19 – O judiciário atenta contra a democracia!

A frase título deste programa não vem da boca dos esquerdopatas que comandam a atração, mas, sim, de um juiz, o convidado João Ricardo Costa, participante do Juízes pela Democracia, que, juntamente com o policial militar da reserva e ativista do Policiais Antifascismo, Airton Garcez, suportaram cerca de 2 horas na presença de uma rapaziada provocativa. Aliás, não só isso, deixaram o boquirroto do nosso âncora meio sem palavras e o poliana Marcelo Cougo meio desconcertado – só Billy Valdez mesmo que foi o que ele sempre é: lacônico. Mas o papo foi legal, regado a muita cachaça Caipora e os drinks fantásticos de Clementine, a antropóloga – fugitiva deste programa (medo da poliça?!) -, fomos desde a discussão do papel da polícia e da justiça na democracia até a reflexão de que é o poder coercitivo que mantém a merda existente hoje. João e Airton – sem essas de vossas excelências, inclusive – se dispuseram a nos ouvir e a serem de certa forma pressionados em suas funções, mas trouxeram suas perspectivas e não pipocaram em fazer a autocrítica de suas profissões e de darem as suas opiniões. Prova de que a arma do Estado não necessariamente é sempre contra o seu povo…

Setlist provocativo:
Hempadura – 5 Tiros
Ozzy Osbourne – Crazy Train
O Rappa – Ninguém regula a América
Allen Toussaint – Bright Mississippi
Motorcaveira – Idiocracia
Ratos de Porão – Farsa Nacionalista
The White Buffalo – The House of The Rising Sun

Heavy Hour 51 – 06.08.19 – Pra “desmascarar” o MST! Essa gente que luta pelo país!

Nossa produção foi rápida e foi atrás de duas pessoas dispostas a, enfim, enfrentar a nossa sanha justiceira para colocar um ponto final nessa baderna toda do MST! Marcelo Paiacan, morador do assentamento de Eldorado do Sul, onde produzem arroz orgânico e tentam impedir o progresso da Mina Guaíba, que vem pra trazer muita riqueza ao estado com toda a poluição que vai jogar no Rio Jacuí e na água consumida na Grande Porto Alegre, e Paulo Almeida, do assentamento de Vacaria, onde insistem com produção de orgânicos, contrapondo a lógica na terra da maçã envenenada – bando de bruxas e serpentes! -, tentam de todas as formas se esquivar de nossas colocações. Tem ainda a participação por zap-zap de Salete Carolo, também assentada e do MST, que estava a caminho da Marcha das Margaridas, mulheres unidas com o lema “Margaridas na luta por um Brasil com soberania popular, democracia, justiça, igualdade e livre de violência” – nota-se bem o mote de badernagem desse pessoal. Então, com uma equipe contando com nosso repórter Bruno Pedrotti, Clémentine, a antropóloga, mais Marcelo Cougo e Gustavo Türck nas pick-ups, descobrimos que… Bom, o MST não tem nada a ver com a cocaína achada no avião do Bolsonaro, não é eles que estão avançando e desmatando a floresta amazônica, não são os sem-terra que estão empregando parentes nas estruturas de governo, não é o movimento que está pressionando indígenas para largarem suas terras, eles não estão se armando, não estão manipulando a justissa… Mas não estão desistindo! O que descobrimos é que a luta vai continuar e que se pode contar com o MST para uma resistência legítima e democrática. Pátria livre!

E aqui vai o setlist do programa, bem doutrinador pra ver se os guerrilheiros venezuelanos e cubanos nos ouvem e venham nos salvar de uma vez por todas:
Pedro Munhoz – Canção da Terra
Zé Ramalho – Admirável Gado Novo
Beth Carvalho – Ordem e Progresso
Grandfúria – Cavalo
Neil Young – Wolf Moon
Victor Jara – A desalambrar
F.UR.T.O – Verbo à Flor da Pele