Arquivo da tag: Questão Quilombola

Metralhadora giratória reacionária do Ministro Peluso

por Onir de Araujo
Militante do MNU e da Frente Nacional em Defesa dos Territórios Quilombolas

No apagar das luzes de seu mandato como Presidente do STF, o Ministro Cesar Peluso sai como uma verdadeira metralhadora giratória reacionária atacando direitos fundamentais das comunidades quilombolas e procura jogar cortina de fumaça sobre seu conservadorismo atacando colegas de pasta. E tudo isso a seviço dos interesses das oligarquias racistas que sempre dominaram o país.

Continue lendo Metralhadora giratória reacionária do Ministro Peluso

Quilombolas de Porto Alegre realizam manifestação no carnaval em apoio ao Quilombo Rio dos Macacos na Bahia

Os quilombolas urbanos de Porto Alegre uniram-se para realizar uma manifestação em apoio a permanência da posse e do título do território do Quilombo dos Macacos, na Bahia. A Marinha está tentando despejar os quilombolas de uma área que habitam há mais de 100 anos.

Continue lendo Quilombolas de Porto Alegre realizam manifestação no carnaval em apoio ao Quilombo Rio dos Macacos na Bahia

Acompanhe ao vivo debate com o Quilombo da Família Silva

Cineclube Cine 48 apresenta quilombo família silva um documentário do Coletivo Catarse e Inverso Coletivo, que trata da A história do primeiro quilombo urbano titulado do Brasil, expõe a luta dos quilombolas pelo direito a terra no bairro mais rico de Porto Alegre. Continue lendo Acompanhe ao vivo debate com o Quilombo da Família Silva

Mobilização quilombola e popular no Fórum Social Temático

O Comite Popular da Copa/ Porto Alegre-Centro (Proponente), conjuntamente, com a Frente Nacional em Defesa dos Territórios Quilombolas, Quilombo da Família Silva (RS), Quilombo da Família Fidelix (RS), Quilombo da Pedra do Sal (RJ), CIMI (Conselho Indigenista Missionário/POA-RS), Odomode, GT-Quilombola – MNU/RS, Ocupação 20 de Novembro- MNLM/POA-RS, LBL (Liga Brasileira de Lébiscas-RS), AGB (Associação Geografos Brasileiros-RS) , Coletivo Catarse, Sintect /RS- (Secretaria de Combate ao Racismo- Sindicato dos Correios e Telegrafos do Rio Grande do Sul), Quilombo Rassa e Classe da CSP-CONLUTAS, Rede Quiombos do Sul, convocam e convidam os(as) ativistas presentes no FORUM SOCIAL TEMÁTICO (2012) em Porto Alegre-RS.

PROGRAMAÇÃO SUGERIDA:

24/01- MARCHA DE ABERTURA DO FORUM- CONCENTRAÇÃO LARGO GLÊNIO PERES – PONTO DE ENCONTRO BANNER DO COMITE POPULAR DA COPA DO CENTRO E FRENTE NACIONAL EM DEFESA DOS TERRITÓRIOS QUILOMBOLAS

25/01(09hs) – 10 Anos de Articulação da Rede Quilombos do Sul, Balanço e Perspectiva da Luta Quilombola no Brasil. Local: Quilombo Oliveira Silveira – Largo Zumbi dos Palmares. Proponentes: Rede Quilombos do Sul – MNU – Frente Nacional em Defesa dos territórios Quilombolas.

26/01 (9 às 17hs) – Seminário Internacional de Reparação. Local: Quilombo Oliveira Silveira – Largo Zumbi dos Palmares. Proponente: MNU.

27/01 (14hs)- As Políticas de Ações Afirmativas como Enfrentamento do Racismo no Ambiente Escolar e Acadêmico– Local: Quilombo Oliveira Silveira. Proponente: GT de Ações Afirmativas da UFRGS.

28/01(9hs) – Balanço e Perspectivas da Luta Quilombola no Brasil – Local: Quilombo Oliveira Silveira. Proponente: Rede Quilombos do Sul – MNU e Frente Nacional em Defesa dos Territórios Quilombolas.

Dia 28/01- A Copa ,os megaprojetos e os direitos dos explorados e oprimidos: a situação indígena, negra, quilombola e popular no Brasil e Porto Alegre. O local da atividade: Quilombo da Família Silva, carrega forte simbologia dessa resistência contra o Racismo e todas as formas de exploração e opressão, portanto, contamos com a importante presença dos compas na atividade no dia 28.01 á partir das 14h.

Ponto de encontro diário , a partir das 19h , Rua Lobo da Costa nº 24 , Cidade Baixa, Final da Rua José do Patrocínio, Bar da Carla, Quilombo Fidelix.

CARTA DO COMITÊ POPULAR DA COPA/CENTRO POA:

Companheiros(as),

Somos negras(os), quilombolas, indígenas, pobres, trabalhadores(as), desempregados(as), gays, lésbicas, jovens, idosos, que ao longo de nossas vidas, nos comprometemos com a luta pela transformação social.

Juntos, estivemos em greves – como a dos Correios e Telégrafos -, ocupações de órgãos públicos, manifestações de rua, Audiências Públicas, Marchas – inclusive em Brasília – e realizamos trabalhos de base em nossos territórios.

As demandas que esses movimentos representaram e representam, seguem em aberto, mantendo-se os ataques as comunidades quilombolas, indígenas, o genocídio da juventude negra e pobre em geral, a homofobia, a lesbofobia, o machismo, os assassinatos e perseguição de ativistas, quilombolas e indígenas.

Apesar da existência de lutas e resistência, das quais somos integrantes, as raras conquistas obtidas estão ameaçadas. Mas algo ainda mais difícil de enfrentar no cenário: percebemos que boa parte das organizações do Movimento Social, em geral, e também do movimento negro abriu mão de seu papel histórico e hoje é parte integrante do projeto político e econômico que prepondera.

A economia da dominação usa e se baseia nos Megaprojetos – as grandes obras – não respeitando a exploração da mão de obra nem respeito ao meio ambiente do país. Usa a cultura popular, a música, a gastronomia o esporte, como as Olimpíadas e a Copa do Mudo de Futebol para o aprofundamento do projeto de Colonização.

Favorecem os mesmos de sempre, contra e em detrimento da maioria da população.

As maiores vítimas desta fase política do país são os povos originários, os quilombolas, os negros(as), a juventude em geral. Vítimas da institucionalização da violência, do racismo, da homofobia, da lesbofobia, do machismo.

Mais do que nos encontrarmos e confraternizarmos, neste momento emblemático da história, temos que enfrentar o desafio de construirmos uma agenda comum de luta, resistência e organização.

Se juntos identificamos o inimigo enfrentaremos melhor os ataques que se avizinham, com independência e autonomia em relação ao Estado, aos Governos e aos governistas de plantão.

Felipe da Costa Franco