Preto, poético e político

O famoso “soco no estômago”.Para homens brancos em constante procura de sua identidade, sua história, se aberto às reflexões, o soco expõe as víceras.Foi assim que desenvolvi meus sentimentos ao assistir a “WOYZECK, PRETO-POÉTICO-POLÍTICO”.Descendente de alemães, portugueses… a peça era para mim. “Nós, europeus,” somos expostos de uma maneira maravilhosa – mesmo que eu não me considere isso – sou brasileiro! -, mas sou literalmente enquadrado, com muita razão, inclusive.É uma obra de narrativa que expõe a construção de uma parte bem significante do racismo estrutural que se vive hoje – centenas de anos depois. O positivismo de Augusto Comte, importado pelo republicanismo e que deu ares ufânicos ao gauchismo “histórico”, tradicional, está ali. A teoria do embranquecimento da população… Está ali! E… Você sabia que isso existiu?! (Detalhe: eu não conheço Woyzeck, não precisa conhecer Woyzeck, a história é a nossa).Um texto de autor levado ao palco, com a fibra de seus executores à mostra. Cenário minimalista, mas que se enche de luzes e sombras bem apresentadas. De atuações que precisam se destacar – e se destacam. A peça é uma obra que merece arenas lotadas – e as lágrimas que derrubei.Sempre é muito difícil trabalhar com as saídas da estória para a história, a quebra da chamada 4ª parede, o determinante que torna, na frente da plateia, o personagem em pessoa – e eles fazem isso muito bem! Como parte que se enquadra em toda uma narrativa adaptada ao nosso tempo/lugar.Meu subjetivismo branco, pequeno-burguês, estava contemplado no seu cutuco, que constantemente procuro manter. Mas é uma peça nova, uma obra em desenvolvimento – e isso também é lindo de enxergar. Quem consegue observar o espaço de evolução que existe ali, curte mais ainda a produção. Um trabalho de alma das atuações de Yannikson, Mayura Matos, Eduardo Arruda, Rita Réus, Felipe Fiorenza, Sílvia Duarte, Alexander Kleine e Anderson Gonçalves, da encenação de Eduardo Arruda e Mayura Matos, e da produção de Dirce Maria Orth, de Ponto de Cultura, proveniente de pequeno município, mas de grande visão. (ficha técnica completa ali abaixo) Meu racionalismo artístico quer ver a obra de novo, com 30 minutos a menos, com os personagens em dinâmicas mais afinadas de entradas e saídas e com o som de suas vozes não destacados para baixo do áudio mecânico, produzido – “pausa para o momento homem branco crítico de arte aqui”, meu lugar de fala. Mas quer saber?! Vale a pena já do jeito que está! Eu não sou referência de nada, a não ser da satisfação de meu próprio ego… Parabéns aos envolvidos. E sigam! Ficha TécnicaDramaturgia: Georg BüchnerAdaptação dramatúrgica: Eduardo ArrudaEncenação: Eduardo Arruda e Mayura MatosElenco: Yannikson, Mayura Matos, Eduardo Arruda, Rita Réus, Felipe Fiorenza, Sílvia Duarte, Alexander Kleine e Anderson GonçalvesDireção musical / trilha sonora original: Felipe FiorenzaFigurinos: Carmem Arruda e Eduardo ArrudaConfecção de figurinos: Carmem Arruda, Rita Oliveira e Eduardo ArrudaCenografia: Eduardo ArrudaInterpretação / teclado da trilha sonora: Adriano KleemannGravação e edição musical da trilha sonora: Marcello MelloCriação de luz: Leandro GassOperação de luz: Leandro Gass e Haik KhatchirianOperação de som: Aterna PessoaEdição musical e efeitos sonoros: Alexander KleineMaquiagem: CoadjuvantesComposição original música “Voz ancestral”: Grupo AfroentesEdição da música “Voz ancestral”: Mayura MatosConstrução do intonarumori: Silvio Germano WesterhoferComposição original da música “Violinos em delírio”: João Batista SchmidtTexto “Ária Yannikson”: YanniksonTexto “Ária Mayura”: Mayura MatosVoz da performance: Clélio CardosoMídias sociais: Kelvin Prudêncio e YanniksonFotografia: Dani ReisMaterial gráfico: Eduardo ArrudaProdução: Dirce Maria Orth, Eduardo Arruda e YanniksonAgradecimentos: Goethe-Institut Porto Alegre, CCBB, Fora da Asa – Experiências PluraisCo-realização: Goethe-Institut Porto AlegreRealização: Coadjuvantes Aqui o release da peça: TEMPORADA DE ESTREIA 🎭 Semana de estreia de Woyzeck: preto – poético – político! Trabalho de estudo e pesquisa do grupo Coadjuvantes nos últimos anos, o espetáculo terá suas primeiras apresentações no teatro do @goetheinstitut_portoalegre! Os ingressos já estão disponíveis pelo link (https://bit.ly/woyzeck-preto-poetico-politico) e também podem ser adquiridos com os integrantes do elenco. Reserve a data e garanta já o seu! SINOPSE:O espetáculo “Woyzeck: preto – poético – político” é uma criação contemporânea que traz, em sua temática principal, a história de Woyzeck: um homem preto submetido a diversas experimentações científicas, sociais e comportamentais. Questionador de sua natureza enquanto indivíduo e ser repleto de subjetividades, é ao lado de Marie que Woyzeck vai descobrir os limites das atrocidades humanas, vivenciando, na própria pele, os resquícios de um sistema que é continuamente alimentado para não estar ao seu favor. Nesta história, personagens como o Capitão, o Médico, o Tamboreiro e a Beata surgem como imponentes símbolos de manutenção do racismo e dos privilégios da branquitude na nossa sociedade. woyzeck #espetaculoteatral #projetobuchner #teatro

Ventre Livre/Coletivo Catarse prensente no fechamento de atividades do Ponto de Cultura Africanidade, na Restinga

Numa ação para agregar parceiros, amigos e redes, o Ponto de Cultura Aficanidade fez ontem (30/11) o balanço histórico de suas atividades com o enfoque na continuidade! Não são poucas as expectativas e as iniciativas concretas de trabalho que este ponto, uma referência no bairro-cidade de Porto Alegre – sempre representado na importância da figura de Mestre José Ventura -, agora se vê às vésperas de realizar. Como não poderia deixar de ser, o Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre também se vê muito agradecido de fazer parte das funções e vem marcando presença com estes parceiros que agregam diversas frentes de relações. Aqui abaixo um relato do encontro de ontem realizado no Terreiro Oxum Demum, feito por André de Jesus. Alô! Alô! Comunidade! Final de 2023 chegando e 2024 batendo à nossa porta no ano deste grande Orixá Bará!!! Fomos contemplados com edital federal dos Ministérios da Justiça e da Cultura Pronasci/Cultura na cidade de Porto Alegre/Viamão, com parcerias em rede (tarrafas) com Ponto de Cultura Tambor Falante e o Centro Cultural Mestre Borel, com Alvo Cultural e Associação Força Maior da Pedreira, parceria e a realização AMO Ponto de Cultura, com certificação estadual. Nossa reunião de 30 de novembro teve uma grande representação de Pontos de Cultura, escolas públicas, entidades parceiras, agentes comunitários, artistas, meios de comunicação comunitários e representantes de comunidades de Terreiro. Realizamos nossa reunião trimestral do Comitê Gestor do Ponto de Cultura Africanidade/Restinga (André de Jesus e Denise Flores), Reino de Oxum Demun Mãe Cleide de Oxum, na Rua Arno Horn, 278, Restinga Velha. Presentes: Ponto de Cultura Quilombo do Sopapo (Cris e Alemão), Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre/Coletivo Catarse (Gustavo Türck), Ponto de Cultura Alvo Cultural (Ali), Ponto de Cultura Mídia Livre TV Restinga/Falante (Marcio Figueira), Maicon Martins (Vozes das ruas), Ponto de Cultura Mestre Borel (Jeff), Ponto de Cultura Tambor Falante (Cândido e Dayse reis), Escola Municipal Lidovino Fonton (Professora Cláudia), Associação Força Maior da Pedreira, Mestre Edu Nascimento, Mestre Zé Ventura, Mestre Felino (Grupo Capoeira Olufe), Yalorixás Mãe Cleide de Oxum e a Mãe Ana de Ossanha, Professora Sílvia Balestrin (DAD –UFRGS), Dr. Marco Maragato e nossa colaboradora de arte gráfica (Júlia). Tivemos um “salve!” em vídeo de Elisa Larkin (IPEAFRO – RJ), professores e a coordenação extensão IFRS Campus Restinga (Jean e Felipe) e da educadora slammer Poetadesperta. É a nossa defesa na sociedade e nos espaços, aquela que tem que ter atuação territorial cotidiana, tem que ter oferta de atividades gratuitas, precisando-se envolver diferentes agentes nos territórios, precisando atuar em rede no âmbito da Política Nacional Cultura Viva, com ações educativas, promoção da democracia e o combate às desigualdades! Fotos: divulgação dos presentes

VÂNIA: A HISTÓRIA DE UMA REVOLUCIONÁRIA

O título deste post é o título de uma série recém lançada. E o Coletivo Catarse esteve junto na finalização desta empreitada de mais de uma década, uma produção dirigida pelos Professores Carla Ferreira e Mathias Seibel. Vânia Bambirra (Belo Horizonte, 1940 – Rio de Janeiro, 2015), militante revolucionária e teórica fundadora da Teoria Marxista da Dependência junto com Ruy Mauro Marini e Theotonio dos Santos, foi uma das mais brilhantes intelectuais brasileiras e latino-americanas do século XX e começos do XXI. Perseguida pela ditadura empresarial-militar, viveu dois exílios (Chile, 1966-1973 e México, 1974-1979). Assista e conheça Vânia Bambirra! Minissérie documental em 15 Episódios (Tempo total: 4h)Fruto de pesquisa e extensão realizada no âmbito da universidade pública brasileira, a minissérie documental “Vânia: a história de uma revolucionária” (legendas em português e espanhol) é um bem público com finalidade educativo-pedagógica e de preservação da memória de Vânia Bambirra. Os Professores Carla Ferreira e Mathias Seibel, que conceberam, dirigiram e realizaram o trabalho de pesquisa que resultou no documentário sobre a vida e a obra da autora salientam que as milhares de horas de trabalho dedicadas ao projeto somente foram possíveis graças ao indissolúvel tripé ensino, pesquisa e extensão que estrutura a universidade pública brasileira. E graças, também, ao compromisso ético-político com o pensamento crítico. Residem nestes dois pilares as condições que tornaram possível este trabalho e sua disponibilização ao público, sem qualquer vinculação comercial nem monetização em plataformas digitais e redes sociais. Professores/as, estudantes e público em geral que desejarem utilizar o documentário em cursos, aulas e debates poderão fazê-lo mediante citação da fonte: Memorial-Arquivo Vânia Bambirra. A cerimônia de apresentação inaugural do documentário a convidados foi realizada no dia 14 de setembro de 2023, no Palácio Universitário do Campus da Praia Vermelha da UFRJ, com a presença de autoridades, representantes de movimentos sociais, de organizações da sociedade civil e familiares da homenageada. A Minissérie completa tem sua disponibilização na Internet, através deste Portal do Memorial-Arquivo Vânia Bambirra, a partir de 1º de outubro de 2023. (texto originalmente publicado no site da UFRGS: https://www.ufrgs.br/vaniabambirra/)

19 anos de Coletivo Catarse!

E finalizamos um novo ciclo nos reestruturando, como sempre, em movimentos contínuos, numa árdua tarefa de levantar um projeto que nos fez olhar para nós mesmos – mais uma vez. A possibilidade de termos uma programação continuada e financiada com dinheiro público, via Funarte, nos permitiu revisitar nossas redes de relações e – como já havia acontecido em outros momentos, também em projetos parecidos – recebermos um retorno que nos emocionou. Então, nada mais justo que se marcasse o início do novo giro no entorno do Sol com agradecimentos! A todos que nos reconheceram – e reconhecem! -, não necessariamente aos que nos entregaram cartas, mas que o fazem nas singelezas de suas atitudes diárias; aos próprios cooperados – que passaram e que seguem!; a todos aqueles que encostamos, de uma maneira ou outra, com esses 19 anos de atividades; e ao Ricardo Retamal, que nos apoiou por muito tempo, de maneira silente, mas seguida, representando aqui todos aqueles que, de alguma forma, também nos deram suporte do jeito que fosse. Com certeza, sem isso tudo, não estaríamos aqui, com um belo plano de seguir! Agora, aproveite e leia o que escrevemos para justificar a sequência de nossa existência: Ao Edital Funarte – Ações Continuadas. O Coletivo Catarse completa 20 anos em 2024. Apesar de ser constituído formalmente como uma cooperativa de trabalho, para tratar das relações formais de direitos sociais de seus cooperados e sua colocação no mercado de trabalho, sempre se caracterizou por ser um coletivo agregador e compartilhador de estruturas e ações. E é assim que segue pautando suas atividades, e é assim que propõe este projeto de um 20° ciclo cheio de atividades que, de certa forma, representam exatamente sua existência. A rede que o Coletivo apoia, propaga e circula é muito reflexo desse histórico – em anexo, seguem cartas de reconhecimento da nossa relevância cultural pelas mãos de artistas, grupos, representantes de comunidades indígenas, instituições, de ações integradas, etc. Foram mais de 100 coletadas (15 pontos de cultura, 13 entidades/núcleos de pesquisa, 5 profissionais relacionados ao patrimônio, 3 lideranças indígenas, 3 indigenistas, 23 pessoas relacionadas à música, 15 representando o teatro, 6 do cinema, 10 da negritude, 9 da ecologia, 4 mulheres ativistas negras, 3 do hip-hop, 3 da dança, 7 de mídia, 6 representando manifestações culturais de matriz Africana – capoeira, samba, sopapo, culinária etíope – , 1 liderança quilombola, 5 instituições ligadas também ao patrimônio – IPHAN, MuseCom, Museu Júlio de Castilhos, Museu Antropológico do RS –, 2 profissionais da acessibilidade, 1 coletivo LGBTQI+ e 2 entidades ligadas à saúde), algumas com o comprometimento, inclusive, de participação nesta proposta (em anexo, também, vai já parte da programação diversa e inclusive acertada, com as devidas referências, para o Eixo Maria Maria). E o que é importante nisso para além do apoio recebido? Esta é uma REDE ATIVA. Só nesta lista, dos que se dispuseram a encaminhar formalmente seu reconhecimento, calculam-se cerca de 400 pessoas que se beneficiaram diretamente com o compartilhamento da estrutura do Coletivo ou que desenvolveram trabalhos em conjunto – e que serão atingidos por esta proposta ou que estarão diretamente envolvidos! Ou seja, o nosso 20° ano não pretende-se ser diferente do que já realizamos historicamente, mas, sim, programado com resultados de um evidente e maior potencial de se atingir, ainda mais público a se tocar, e fomentar com recursos uma rede que vem se apoiando em escambos culturais, com recursos muitas vezes insuficientes para toda uma cadeia de envolvidos, literalmente na militância de fazer sua arte. Assim, o Coletivo planeja com muito mais força, com o aporte pretendido, dar ao dinheiro público o seu sentido que entende como principal – o usufruto coletivo, a disponibilização pública, a produção artística e cultural de matriz comunitária. E isso já é algo que, através de iniciativas como o projeto do Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre, por exemplo, o Coletivo já efetiva! Não foram poucas as vezes que se produziram projetos com financiamentos públicos em que o objetivo principal era a devolução à sociedade daquele investimento (2008/2020 – Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre – com atividades ininterruptas financiadas ou não financiadas até o momento presente, conveniamento com Ministério da Cultura e SEDAC-RS; 2010 – Prêmio Interações Estéticas – Projeto Famílias do Jardim, Ministério da Cultura; 2010 – Projeto Tambor de Sopapo – Resgate Histórico da Cultura Negra do Extremo Sul do Brasil, Edital Patrimônio Cultural Imaterial – IPHAN; 2011 – Prêmio Pontinhos de Cultura – Projeto Fazendo Cena, Ministério da Cultura; 2012 – Participação no Projeto LabCultura Viva, UFRJ – Ministério da Cultura; 2012 – Projeto Carijo: Herança do Conhecimento Ancestral na Fabricação da Erva-Mate, Edital Patrimônio Cultural Imaterial – IPHAN; 2012 – Contemplado no Edital da terceira edição do Etnodoc – Projeto Batuque Gaúcho, Associação Cultural de Amigos do Museu de Folclore Edison Carneiro, em parceria com o Centro Nacional de Folclore e Cultura Popular e o Departamento de Patrimônio Imaterial – IPHAN; 2012 – Projeto “Araucária: de braços erguidos para o céu”, contemplado no Edital SEDAC nº 9/2012 Edital de Concurso “Rio Grande do Sul – Pólo Audiovisual”, Pró-cultura RS FAC, vinculado à SEDAC-RS; 2012 – Filme Nega Lú, contemplado no edital nº 41/2012 Edital de Concurso “Pró-cultura RS FAC das Artes”, vinculado à SEDAC-RS; 2013 – Projeto Nós da Rede, contemplado no Edital SEDAC nº 07/2013, Edital de Concurso “Pró-cultura RS FAC Processos Culturais Colaborativos”, vinculado à SEDAC-RS; 2015 – Projeto Roda Carijo, contemplado no edital 03/2015 Edital de Concurso “Pró-cultura RS FAC #juntospelacultura”, vinculado à SEDAC-RS; 2016 – Projeto Uma Tainha no Dilúvio – contendo filme/websérie ficcional e site – apoiado pelo Fundo Socioambiental CASA, em edital na linha de ação: Água e questões socioambientais do meio urbano; 2016 – Websérie “O ser Juçara”, apoiada no edital Fortalecendo Comunidades na busca pela Sustentabilidade, uma parceria entre o Fundo Socioambiental CASA e o Fundo Socioambiental CAIXA; 2018 – Projeto em parceria com o músico e bonequeiro Mestre Bira/Ubirajara Toledo, contemplado no Edital de Seleção Pública n.º …

Pontos de Cultura de Porto Alegre debatem com a Prefeitura da Capital a Lei Paulo Gustavo

Em reunião realizada em 25 de abril, na sede do Ponto de Cultura Cirandar, a Rede POA de Pontos de Cultura discutiu diversos âmbitos da implementação da Lei Paulo Gustavo (LPG) no município. Representando a Secretaria de Cultura e Economia Criativa, o servidor Miguel Sisto, explanou diversos aspectos sobre a lei e recebeu considerações e questionamentos dos presentes. Uma questão levantada por Miguel é que os Pontos de Cultura passam a ser vistos pela prefeitura como um segmento cultural ao qual se deve destinar recursos específicos da LPG. Para tanto, devem ser divididos os cerca de 3 milhões de reais (30% da LPG) destinados aos segmentos, e um percentual ficará com cada em concurso de editais. Em deliberação, a rede entendeu a iniciativa, mas expressou preocupação com um montante tão pequeno e também com as questões de sombreamento que se poderia acarretar tanto com outras iniciativas da LPG no município quanto no estado. Para isso, solicitou-se esclarecimentos e possibilidade de deliberação com os entes públicos envolvidos. De outra parte, também se encaminhou solicitação a Miguel que se articulasse reunião com a coordenação do audiovisual da SMCEC para que se tratassem temas como o acesso pelos pontos aos 70% restantes da lei, direcionados exclusivamente ao audiovisual, com a visão de que mais projetos deveriam ser contemplados, com valores mais baixos, mas mais distribuídos em diversas iniciativas, visto que a Lei Paulo Gustavo é de caráter extraordinário e emergencial, de enfoque de manutenção e sustentabilidade, não de consagração. As reinvidicações dos Pontos de Porto Alegre foram encaminhadas, e as articulações com a Secretaria estão em andamento para que se consiga uma participação ativa da Rede POA nas deliberações relacionadas à Lei Paulo Gustavo no município, tendo novo encontro sido marcado para o dia 12 de maio, no Ponto de Cultura Cirandar, Centro Histórico de Porto Alegre.

INFORMAR É VACINAR! – LIVE de lançamento

Nesta segunda-feira, 10 de abril, será realizada a live de lançamento do documentário “Informar é Vacinar!”, no canal do YouTube do Coletivo Catarse (youtube.com/@coletivocatarse). Um trabalho fruto de uma parceria com o Conselho Municipal de Saúde de Porto Alegre, o projeto foi contemplado na Chamada Pública Fiocruz/OPAS para projetos de comunicação popular e comunitária em saúde. SINOPSE: Ambientado no contexto caótico de infodemia, o filme acompanha a dúvida de Machado de Assis, que pede ajuda a seu amigo Oswaldo Cruz para entender se deve ou não se vacinar. A partir da cultura popular do teatro de bonecos, a obra busca refletir sobre os efeitos das fake news na vacinação e no sistema de saúde. A live conta com a participação dos dois personagens principais – confeccionados e interpretados pela Trupi di Trapo – e Fernanda Marques, Assessora de Gestão da chamada pública na Fiocruz. ACOMPANHE NO CANAL DO YOUTUBE DO COLETIVO CATARSE! (youtube.com/@coletivocatarse) FICHA TÉCNICAEste filme faz parte do projeto “Informar é Vacinar – uma história de fake news contra as vacinas e o sistema público de saúde”. Contemplado na “Chamada Pública para Projetos da Sociedade Civil de Comunicação Popular e Comunitária em Saúde da Fiocruz/OPAS”. Uma produçãoPonto de Cultura e Saúde Ventre Livre/Coletivo Catarse Com apoioConselho Municipal de Saúde de Porto Alegre Produção ExecutivaGustavo TürckBruno Pedrotti DireçãoGustavo Türck Assistência de DireçãoBruno Pedrotti Direção de ProduçãoMarcelo Cougo RoteiroGustavo TürckBruno PedrottiTêmis NicolaidisMarcelo Cougo Operação de câmerasBilly Valdez Operação de somMarcelo CougoGustavo Türck EdiçãoTêmis Nicolaidis Finalização de vídeoBilly Valdez Finalização de áudioGustavo Türck Arte de bonecosTrupi di Trapo Direção de Trilha SonoraMarcelo Cougo EntrevistadesBenjamin RoitmanBruno MussaFernando D’AndreaIsabella BallalaiKaren CarvalhoLuana RodriguesMarcia Thereza CoutoMellanie DutraPaola Falceta Machado de AssisAnderson Gonçalves Oswaldo CruzViviane Marmitt Unidade de Saúde Nossa Senhora AparecidaSônia José de Souza ElyseuJosé Antônio Souza da SilvaGeorges Peres de OliveiraJéssica Machado Trilha SonoraNeonazi GratiluzRatos de Porão Tema de baixo e caixa (gravação demo)Marcelo Cougo (baixo)Paulinho Bettanzos (caixa) Tema de Prata PretaMúsica de Marcelo CougoMarcelo Cougo (violões, escaleta, assovio e sopapinho)Marcelo Lalo (guitarras)Bruno Africanamente Capoeira Angola (berimbau viola)Gravação e mixagem – Gustavo Türck CosmonautaTrilha originalmente composta para o curta-metragem CosmonautaMúsica de Marcelo CougoMarcelo Cougo (Baixo)Stefano (Piano e Guitarra)Yvan Etienne (Sax)Paulinho Bettanzos (Sintetizador) Aires de TangoMúsica de Marcelo LaloMarcelo Lalo (guitarras e violões)Gravação e mixagem – Gustavo Türck Pesquisa e coleta de materiaisBruno Pedrotti Assessoria de Comunicação e Jornalistas Responsáveis Bruno Pedrotti (MTB 0019855-RS)Gustavo Türck Arte GráficaTêmis NicolaidisBilly Valdez Agradecimentos Fiocruz FiocruzGrupo Hospitalar Conceição (GHC)Simone Faoro BertoniHelena Beatriz Silveira CunhaAdiel Coelho da CunhaUnidade de Saúde Nossa Senhora Aparecida (Georges Peres de Oliveira, Sônia José de Souza Elyseu)Ana Lúcia Valdez PolettoClaunara Schilling MendonçaCarla DominguezNúcleo de Coordenação do Conselho Municipal de Saúde de Porto AlegreKatia CamargoTiago VeitLeandro Carbonato e Power Line Music ProdutoraRatos de Porão e João GordoMercado 453Maria Maria Espaço Cultural

Rede POA de Pontos de Cultura faz reunião aberta para conversar sobre Lei Paulo Gustavo

Nessa segunda-feira, 03/04, no Ponto de Cultura Cirandar, sediado no Centro Histórico de Porto Alegre, a Rede POA de Pontos de Cultura contou com a presença de Pedro Vasconcellos, diretor de articulação e governança do Ministério da Cultura, Alceu Silva, ponteiro e integrante do colegiado de audiovisual do Estado do Rio Grande do Sul, e Dinorah Araújo, integrante da operativa nacional da Lei Paulo Gustavo, para uma reunião aberta transmitida ao vivo (na qual tivemos cerca de 20 pessoas presenciais, representando pontos de cultura do município, e mais de 40 pessoas acompanhando online). A seguir, segue como foi o encontro, que teve como objetivo, alguns esclarecimentos sobre o funcionamento desta lei que vai injetar muito recurso na cultura brasilera. Realização: REDE POA DE PONTOS DE CULTURA.Transmissão: Ponto de Cultura e Saúde Ventre LIvre e Pontão Digital Minuano/Cine Kafuné – com equipamentos e estrutura bancados por projetos dos pontos de cultura.

Oficina de Discotecagem e Formação de Oficineiros HipHopers – com Piá

No Ponto de Cultura e Saúde Ventre Livre, dia 24 de janeiro, 18:30, inicia um curso gratuito e completo, com aulas divididas em teoria e prática, sendo utilizados toca-discos, mixer, microfones, caixas de som, controladoras e tudo o que envolve a prática. Confere aqui como foi a live de lançamento, com Piá dando a letra de como vai ser nossa oficina! E aí?! Quer te inscrever? Acessa este formulário: https://forms.gle/xMy2L711S1nPPUj27 Lembrando que as vagas são limitadas! Onde:Ponto de Cultura e Saúde Ventre LivreRua Fernando Machado, 464, Centro Histórico de Porto Alegre Quando:24/01 – 18:30 às 22:3025/01 – 18:30 às 22:3026/01 – 18:30 às 22:3031/01 – 18:30 às 22:3001/02 – 18:30 às 22:30