Navio

por Eliana Mara Chiossi

Deixar a casa
para não levá-la nas costas
Deixar a casa
como se houvesse um
terremoto e houvesse pressa
Deixar a casa
como se fosse algum incêndio.

É assim que se sente ela,
perdida entre os móveis e os utensílios
numa casa grande demais,
repleta de quartos inúteis
e cômodos repletos de coisas inúteis.

A casa é um navio
parado no oceano
alimento da pergunta
daqueles que estão na praia
olhando e esperando
que algo aconteça
e a casa se mova.

A casa é um chão de areia

Onde estão espalhadas

As coisas inúteis e amadas

Como os vasos de flores

A coleção de fotos

As músicas e os vestidos.

Deixar a casa
como quem deixa o passado
e os livros, os incontáveis livros
com as milhares de histórias
até que seja contada a história

em que ela deixa a casa
para não esquecer de encontrar sua alma.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

%d blogueiros gostam disto: