Em outubro, reiniciadas as atividades da Rede Juçara

IPEMA recebeu participantes da Rede Juçara no início do mês em Ubatuba, litoral norte de São Paulo.

Representantes das entidades participantes e produtores que praticam o manejo sustentável da Palmeira Juçara, dos estados de Minas Gerais até o Rio Grande do Sul, estiveram reunidos nos dias 2 e 3 de outubro, em Ubatuba, na sede da Fundart, em uma iniciativa do IPEMA – Instituto de Permacultura da Mata Atlântica.

A reunião da Rede Juçara se realizou em um momento importante para o fortalecimento da mesma, já que o interesse pelo manejo da espécie vem crescendo e muitas questões se colocam para as instituições que vêm trabalhando no Bioma Mata Atlântica. Durante a reunião foi elaborado um Plano de Melhorias, que apontou as principais preocupações da Rede: desenvolvimento da cadeia de valores da polpa dos frutos e das sementes; possíveis linhas de financiamento para projetos e para a produção; sensibilizar o poder público para a inclusão social dos palmiteiros; maior difusão do fruto da juçara como alimento; a importância da inclusão da polpa na alimentação escolar dos municípios; necessidade de pesquisa e desenvolvimento de novos produtos derivados da palmeira juçara, entre outros. A avaliação da reunião foi bastante positiva em todos os aspectos.

A Rede Juçara está organizada em polos regionais. O IPEMA faz parte do Polo Serra e Mar, que reúne ainda a AKARUI, sediada em São Luiz do Paraitinga, e a AMOQC, do Quilombo do Campinho, em Paraty. Fazer valer as diretrizes de manejo estabelecidas em processo participativo da REJU e praticar a agroecologia como estratégia de desenvolvimento e gestão territorial são dois pontos fortes definidos no encontro do polo regional e levados para a REJU. Valorização das manifestações culturais, garantia dos territórios e sustentabilidade para as comunidades tradicionais; e valorizaçãodo papel da culinária na divulgação dos produtos agroecológicos locais, são algumas das estratégias de trabalho já definidas.

Além disso, fortalecer as ações para a ligação entre as diversas redes, como do Mosaico Bocaina, Fórum das Comunidades Tradicionais, AARJ, Articulação Nacional de Agroecologia – ANA, Rede de Sementes do Litoral, Rede Agroflorestal do Vale do Paraíba, entre outras.

A troca de experiências enriqueceu o encontro, reafirmando a importância da união entre todos para o fortalecimento desse trabalho. Uma visita à Unidade de Beneficiamento construída na comunidade tradicional do Sertão do Ubatumirim com o apoio do IPEMA, uma das conquistas através do Projeto Juçara representou uma oportunidade para concretizar essa aproximação. No segundo dia, uma troca de sementes trouxe a discussão da importância dos bancos de sementes para a garantia da diversidade.

A reunião da REJU é uma das ações propostas no Projeto Juçara, que tem o patrocínio da Petrobras, através do Programa Petrobras Ambiental.

Fonte: Lenina Mariano/Ipema (www.projetojucara.org.br; www.novo.ipemabrasil.org.br; www.redejucara.org.br)

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *