Destribunal debate criminalização dos movimentos sociais

Desde as jornadas de junho de 2013, integrantes do Bloco de Lutas vem sendo criminalizados. Os militantes reivindicam um transporte que seja de fato público, passe livre para estudantes, desempregados, indígenas e quilombolas. Suas mobilizações por direitos afrontam interesses econômicos e políticos. Como em todo o país, suas lutas sociais sofrem com a repressão e abuso policial, sob orientação ou conivência de governos, e com ações de parte do Judiciário. São constantemente massacrados pela mídia corporativa. No Rio Grande do Sul, seis destes militantes foram indiciados. Há muitos outros Brasil afora. A situação se agravou com as obras da Copa, que violou direitos principalmente na periferia, mas também atingiu moradores de rua e populações historicamente marginalizadas, como a juventude negra e os indígenas.

Na noite de ontem, no auditório do CPERS, em Porto Alegre, aconteceu o (Des) Tribunal Popular: A Criminalização dos Movimentos Sociais no Banco dos Réus. Dezenas de organizações estiveram presentes para debater a situação e prestar solidariedade aos militantes e movimentos sociais criminalizados. Nós, do Coletivo Catarse não estávamos lá, mas nos solidarizamos com a luta social que propõe um mundo melhor do que este em que vivemos, e com todos os militantes de movimentos sociais que são perseguidos por suas ações e posições políticas.

josep 1

Acompanhe a cobertura do Sul 21:

“Dezenas de coletivos políticos se reuniram na noite desta quinta-feira (3) em Porto Alegre para debater, juntamente com ativistas da área jurídica e lideranças nacionais, o processo de criminalização dos movimentos sociais vivido no país após a eclosão dos protestos do ano passado. Um dos principais eixos discutidos foram as violações ao direto de manifestação que ocorreram durante o período em que a Capital recebeu as partidas da Copa do Mundo.” Continue lendo aqui.

Aqui a matéria do Jornalismo B:

“Com o auditório do CPERS-Sindicato lotado, organizações políticas com atuação em Porto Alegre debateram, na noite desta quinta-feira, o avanço da criminalização dos movimentos populares em todo o Brasil desde junho passado – e em especial durante a Copa do Mundo. Mais de 30 entidades sindicais, organizações e movimentos estiveram presentes no encontro, nomeado “(Des) Tribunal Popular – A Criminalização dos Movimentos Sociais no Banco dos Réus”.” Siga lendo aqui.

Vídeo por Josep Juan Segarra:

Paulo Pasin, Trabalhador metroviário demitido SP from ANTROPO TV on Vimeo.

Foto de Josep Juan Segarra.

Cartuns de Carlos Latuff.

descriminalizacao

descriminalizacao 2

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *