Arquivo da tag: Direitos Humanos

Heavy Hour 46 – 02.07.19 – Polícia para quem precisa!

Não, não fomos alvo de uma operação do DENARC, mas oferecemos nosso espaço para conversarmos sobre um assunto até certo ponto tabu nas frentes esquerdopatas. Recebemos no Estúdio Monstro, na sede do Coletivo Catarse, 3 representantes das forças do Poder Coercitivo do Estado – que serve à propriedade privada: Luciana Rocha, da Guarda Municipal em Canoas, mestranda em Segurança Cidadã na UFRGS; Airton Garcez, policial militar da reserva, um dos fundadores dos Policiais Antifacismo; e Leonel Radde, policial civil e vocalista da banda Calibre. O papo foi intenso e uma das ideias foi bem convergente: a esquerda precisa discutir segurança pública também pelo campo dos policiais, porque, se seguir não fazendo, a direita vai seguir hegemônica – e o cassete vai comer, não é mesmo?! Ouça para saber como o power trio do Heavy Hour nervosamente interagiu e conversou junto “das poliça” temas como Direitos Humanos, bandidagem e um pouco de aerococa…

E saca essa setlist com umas obviedades clichês…
Titãs – Polícia
Johnny Cash – Folsom Prison Blues
Calibre – O Jogo
Dead Fish – Pobres Cachorros
Criolo – Subirusdoistiozin
Willie Nelson – Seven Year Itch
Damned Things – Cells
The Police – Message in a bottle

MAIS QUE UM JOGO | A luta pelo direito ao amor

“Eles perderam esse olhar de medo que todas as bichas tinham há 10 anos” – Allen Ginsberg, poeta homossexual, sobre a Revolta de Stonewall.

Há 50 anos, em um bar no Greenwich Village em Nova Iorque, acontecia um dos mais importantes movimentos pela luta pelos direitos LGBT nos Estados Unidos e no mundo. A Revolta de Stonewall – movimento popular instantâneo e espontâneo que durou seis dias, foi um ponto de inflexão: pela primeira vez, gays, lésbicas e trans se uniram e resistiram com toda a força contra as leis e violência homofóbicas do estado americano.

Ironicamente, no Brasil (país que mais mata LGBTs no mundo), ser homossexual deixou de ser crime durante o Império, em 1830. Nos Estados Unidos, porém, os relacionamentos com pessoas do mesmo sexo eram vistos como uma anomalia que precisava de cura ou motivo para prisão. Na Nova Iorque dos anos 60, as pessoas eram obrigadas por lei a usar roupas de acordo com seu sexo biológico e batidas em bares gays eram frequentes, com prisões de donos, empregados e clientes.  Na noite do dia 28 de junho de 1968, quando a polícia entrou no Stonewall Inn, ao contrário das vezes anteriores, o público resistiu. Segundo relatos da época, a multidão – cansada da opressão e violência policial, começou a atirar garrafas, pedras e tijolos contra as viaturas. Em menos de uma hora, o bar foi invadido e apesar das viaturas continuarem chegando e mais pessoas serem presas, havia resistência na forma de danças e cantos que riam da ação da polícia. Apesar da destruição do bar, por cerca de cinco dias ocorreram novas revoltas na região até que o caos foi finalmente contido. Em 2016, o presidente Barack Obama declarou o Stonewall Inn como monumento nacional dos direitos LGBT.

A homossexualidade é tão antiga quanto a própria humanidade, e perceber que uma revolta como a de Stonewall ocorreu há apenas meio século nos leva a pensar na necessidade urgente e no profundo significado que as lutas por direitos para a população LGBT têm. Faz apenas meio século que falamos em orgulho. Para efeitos comparativos – e já que falamos em orgulho – a nossa inigualável Coligay surgiu em 1977, apenas 8 anos depois de Stonewall. Cinco décadas depois da revolta, existem países no dito mundo civilizado onde diplomatas são orientados a frisar que gênero é apenas sexo biológico, aberrações irreais como uma suposta “cura gay” (existe cura para o que não é doença?) são defendidas por uma parte dos psicólogos do país e o presidente considera “completamente equivocada” a criminalização da homofobia. 50 anos não foram o suficiente.

Em 13 de junho de 1980 – há quase 40 anos, portanto – mil manifestantes se juntaram nas escadarias do Theatro Municipal de São Paulo para protestar contra a violência da chamada “Operação Limpeza”, ação policial que pretendia varrer a população LGBT do centro paulistano. João Silverio Trevisan, um dos criadores do “Lampião da Esquina” – uma das publicações pioneiras do movimento LGBT no Brasil – classificou o movimento de 1980 como uma tentativa de sobrevivência, um ato de indignação de pessoas que buscavam espaço em uma sociedade injusta.

Stonewall ou a sua “versão brasileira” foram isso: o levante de uma população violentada ao limite e que se revolta e revida. Stonewall, sua versão brasileira, as diversas paradas pelo mundo, os tantos dias de orgulho e visibilidade (lésbico, trans, bi…) e a luta individual diária de cada pessoa LGBT – são em nome de algo que parece óbvio para um hétero: o direito das pessoas serem quem quiserem. Quando o Grêmio Antifascista defende a existência de um outro modo de habitar o estádio – o modo da inclusão e do respeito – nos colocamos ao lado dessa luta, a luta pelo direito ao amor.

Movimento Grêmio Antifascista

Heavy Hour 45 – 25.06.19 – Ocupar e resistir! Ocupação não é invasão e é um direito constitucional

Por mais que não pareça haver mais regra nenhuma neste país, que a lei não valha para todos, mas apenas para aqueles que os poderosos querem penalizar, ainda há que se resistir e lutar. Nessa inglória jornada estão pessoas como a advogada Clarice Zanini, que retorna ao programa, uma representante da Associação de Juristas Pela Democracia na tentativa de usar sua profissão para que a Constituição seja cumprida; Constituição esta, carta magna da República, que permite ocupações em imóveis que não cumpram sua função social, que estão abandonados, ociosos – um grito que muitas vezes saiu da boca de pessoas como Cláudia Fávaro, arquiteta e urbanista, lutadora das causas sociais no campo e na cidade; e das duas que representam a Ocupação Baronesa, recentemente despejada em Porto Alegre, Alice Martins e Lara Werner, que nos contam entre outras questões do porquê ocupar é um ato de cidadania. Por aúdio, a arquiteta Karla Moroso, um sobrenome interessante, pois seu significado é antítese ao seu trabalho de arquiteta preocupada com as questões relacionadas com a cidade, ela expõe em números e nos contextualiza ao início a situação atual de moradia em Porto Alegre e no estado.

Setlist:
Adoniran Barbosa – Saudosa Maloca
Ernani Cousandier – O Boçal
Flávio Venturini – Clube da Esquina 2
Confeitaria Brasil – A Pedrada
Bezerra da Silva – Defunto Caguete
Slash e Miles Kennedy – Civil War

Cidadão bem de merda

Quando lançaram o petardo em clipe “5 Tiros“, virei para um dos integrantes da Hempadura e disse: ih, quero ver superarem isso que vocês acabaram de produzir!

Pois esse é um dos grandes dilemas das artes: obras tão boas, tão impactantes, que passam a assombrar os seus autores.

Confesso que a curiosidade me embalou por um tempo numa morbidez hardcore, tentando entender o que as mentes duras de hempa estavam tramando mais uma vez – “Ha-ha! Lá estão eles, de novo, atrás das telas dos computadores, matutando o que fazer… Pffff, 5 tiros de verdade, e o sexto de festim…” – subestimava.

Que nada! Desgraçados, destroçadores de críticos-crônicos de música. Mais uma vez, conseguiram.

A narrativa do novo clipe é tão foda quanto a própria música. A estética já é de um selo conhecido de quem segue a banda – imagens sujas, galera gritando cantando em semicírculo, em plano médio, muitos filtros… Não é ruim, muito pelo contrário, é uma marca, um tipo Hempadura de “clipar”.

Na história, a estupidez humana de um tipo dominante, infelizmente, na sociedade brasileira. Não que todos esses que se identifiquem ao estereótipo “de bem” sejam misóginos, racistas e estupradores, mas é, de fato, um conceito que catapulta essa violência pela cortina da defesa de costumes. Que se levanta e serve direitinho para escamotear atitudes de perversão sexual – se você duvida, pergunte para qualquer profissional Assistente Social que lida com abusos de crianças e adolescentes, que não seja ligado a alguma igreja, e a confirmação virá. Sem falar que as informações estão todas ali, em vários momentos do clipe, sem nuances de linguagem.

E, então, talvez o “pior” do clipe seja isso: é preciso assisti-lo algumas vezes para assimilar tudo o que é exposto. Mas, vamos combinar, com uma obra dessas num momento destes, a adrenalina agradece!

28 DE JUNHO NO MEMORIAL DO RIO GRANDE DO SUL: DEBATE COM DEOCLIDES DE PAULA – LIDERANÇA KAINGANG DA COMUNIDADE DE VOTOURO/KANDÓIA

O Núcleo de Antropologia das Sociedades Indígenas e Tradicionais (NIT/PPGAS-UFRGS) e Museu Antropológico do Rio Grande do Sul convidam para o I Ciclo de Encontros do Observatório Social das Populações Indígenas da Região Sul.

O debate será realizado por Deoclides de Paula, liderança Kaingang da comunidade Votouro – Kandóia, membro do CEPI (Conselho Estadual dos Povos Indígenas) e do CONDISI (Conselho Distrital de Saúde Indígena). Deoclides também foi membro tutelar do CNPI (Conselho Nacional de Políticas Indigenistas) de 2007 a 2013.

O evento ocorrerá no dia 28/06 às 17h, no auditório do 1° andar no Memorial do Rio Grande do Sul.

– originalmente publicado em https://memoriaterritorioeperseguicao.wordpress.com/2019/06/24/28-de-junho-no-memorial-do-rio-grande-do-sul-debate-com-deoclides-de-paula-lideranca-kaingang-da-comunidade-de-votouro-kandoia/