Arquivo da tag: Moradia

Pelas trilhas da memória no Quilombo dos Alpes

No ano de 2019, o Quilombo dos Alpes conseguiu realizar um sonho coletivo: acessar o Minha Casa minha Vida. O projeto foi pensado para melhorar as condições de habitação da comunidade construindo 50 novas casas.

O início das obras foi um momento de muita alegria, porém também gerou um problema. Durante a construção, não seria mais possível a realização das trilhas com escolas no quilombo, uma das fontes de renda da comunidade.

Pensando nisso, foi construído um material audiovisual para que os moradores dos Alpes pudessem ir até as escolas falar (e mostrar) um pouco da história do quilombo. O vídeo foi mais uma parceria entre a Associação Quilombo dos Alpes Dona Edwirges, o Coletivo Catarse e o Núcleo de Estudos de Geografia e Ambiente (NEGA UFRGS).

No momento, o Quilombo dos Alpes está fazendo uma vaquinha para pagar custos adicionais da obra. É possível apoiar até a meia noite de quarta feira, dia 16/10.

Heavy Hour 56 – 09.09.19 – Quando os ricos invadem as áreas dos pobres…

Os bacanas estão de olho na Bonja! E não é para auxiliar a comunidade, é para desalojar as pessoas de lá! Porto Alegre, como qualquer grande cidade, “sofre” com a especulação imobiliária. Sofre, assim, entre aspas, porque sua administração joga contra a população. Conversamos, portanto, com duas representantes da resistência na Bom Jesus, Cris Medeiros, moradora do local e conselheira tutelar, e com a advogada Rosa, também moradora, sobre as invasões – sim! – de corporações privadas que querem retirar mais de 80 famílias de um local onde moram há mais de 30 anos para seguir seu empreendimento imobiliário – vulgo condomínio de bacana. Falamos também sobre a Grécia, onde, em Atenas, a polícia se prepara para demolir com um bairro autogestionado, praticamente anarquista, que não segue o ordem burocrática das coisas – fascismo em seu mais puro estado. Contribuições de Roberto del Monte no assunto, lutador social e curioso, mais Sinistro Parrhesia, direto da Grécia. Clementine, a antropóloga, sugere ainda 4 filmes sobre o tema: Não vivamos mais como escravos; Eu luto, logo existo; O amor e a revolução; e A cidade era nossa. Todos tem no Youtube…

Setlist:
Roberto del Monte – Cotravi Tierra Liberada
Make Believe – Leave me alone
Killah P – I won’t cry, I won’t fear
Wolf Down – Flames of Discontent
Matheu Corrêa – Meu black é rock
Chico César – Pedrada
Negra Jaque – 80 Motivos
Jefferson Airplane – White Rabbit

Negra Jaque: 80 Motivos

Lyric video realizado em parceria com o Coletivo Catarse.

Letra:
Com mais de 80 motivos pra jogar bem na sua cara
Ando aqui de pés descalços sobre o fio da navalha
Não vim pra explicar nada
Vim pra confundir sua mente
Subestimar aqui é de costume
Eu vim pra quebra correntes
Não vou ficar nessa cota, botamos o pé na porta
Mesmo com alvo nas costas, mostro aqui que eu não to morta
A mídia alimenta o medo, desligue o aparelho
Vire erva daninha vem pra pista desde cedo
Na época do fake News, o que vale são teus views
Teu sangue, tua luta interna ninguém sabe nunca nem viu
O rap perdido no beat, procurando o melhor hit,
não sabem não querem saber ,pra se posicionar tem que ter convite
sou da geração de 80, nos manos me diz violenta
mas pega a visão na situação ele não me representa

disseram que era pra eu viver, me encontro aqui muito viva
minha rima tem nada a temer
chego no pique da Queen Latifha
demônios que moram em mim
querem me chamar mas não sabem
sou iansã brisa do amanhã
vento, raios e tempestades
quando tu não é alvo aqui
é fácil dizer Marielle
a execução juiz promotor
e o lema e a bala que fere
quantos vão ter que morrer
Aqui nossas mães não suportam,
Ta na hora de aprender, que vidas negras importam
O bonde ta em formação temos brilhos em nossos olhares
Pega visão,sente a pressão
E o Brasil vai virar palmares

Direção Criativa : Fabiana Menini
Mix/Master: @noturno records

+ INFOS
Edição por Coletivo Catarse sobre imagens de arquivo de materiais próprios produzidos em frentes de resistências desde 2013.

facebook.com/NegraJaqueOficial
Instagram : @negrajaqueoficial
OneRPM Negra Jaque

Heavy Hour 54 – 27.08.19 – sobre o direito à cidade

As cidades não ficam inviáveis da noite para o dia. Há planos para isso. Projetos de décadas, que modificam a dinâmica e a paisagem urbana drasticamente. Porto Alegre, metrópole, espelha um modelo de crescimento e pasteurização comum a outras cidades grandes pelo país – cada vez menos uma urbe para se passear, caminhar, curtir espaços públicos, cada vez mais a cidade do carro, do lazer privado, do manual de relações de apenas um tipo de sociedade. Perde-se a cultura local, perde-se a diversidade da população. Trouxemos para falar do tema João Volino, delegado da Região 1 de Planejamento e vice-presidente da Amacais, Pedro Araújo, também delegado da Região 1 de Planejamento e integrante da Comissão Cidades do IAB (Instituto de Arquitetos do Brasil), e Silvio Jardim integrante do Coletivo Cidade Que Queremos. Pois saibam que “eles”, os que mandam na cidade, já lotearam toda a nossa orla do Rio, ããã… Lago… Não! Estuário(?) Guaíba, e dificilmente você faz parte desses planos. A não ser que se encaixe no modelo casa-carro-shopping-carro-trabalho-carro-shopping…

Setlist:
Deborah Finocchiaro e Gustavo Petry – Zero Grau
Hempadura – As Sombras dos Prédios no Morro
Fito Paez – La ciudad liberada
Santana – Singing winds, crying beasts
Pearl Jam – Do the evolution
Sepultura – Politricks
Atahualpa y us Panquis – Todo mundo saca
Chico Science & Nação Zumbi – Da lama ao caos
Black Sabbath – Spiral Architect

Audiência Pública sobre o projeto de mineração “Mina Guaíba” acontece no Ministério Público Estadual em Porto Alegre

Nessa terça-feira à noite, 20/08, o MPE-RS abriu suas portas para a realização de uma audiência pública em Porto Alegre para tratar do projeto da Mina Guaíba. Essa exigência foi feita às autoridades estatais por parte do Comitê de Combate à mega-mineração que demandou ao MPE que os moradores de Porto Alegre pudessem se pronunciar a respeito desse projeto que tantos impactos poderá trazer ao cotidiano dos moradores da capital. A sociedade gaúcha ainda aguarda que a FEPAM marque uma audiência pública na cidade como parte do processo de licenciamento ambiental.

O auditório lotado reuniu em grande maioria opositores ao projeto de mineração e ao polo carboquímico que pretende se instalar na região metropolitana de Porto Alegre caso o projeto seja aprovado. A promotora de justiça do Meio Ambiente, Ana Maria Marquezan, cedeu a palavra à Cristiano Weber que representou os interesses da mineradora Copelmi durante mais de 20 minutos de muitas especulações.

O que passou-se, então, a se chamar de “mentiras, reveladas por alguns convidados como o doutor em geociência, Rualdo Menegat, e a doutora em ciências, Marcia Käffer, que ressaltaram os perigos da instalação da mina de carvão para a saúde da população gaúcha que, caso o projeto seja aprovado, estaria exposta entre outras coisas a chuvas ácidas e a uma poluição do ar extremamente alta que chegaria a provocar uma série de problemas respiratórios como a asma ou até problemas neurológicos devido aos componentes químicos do carvão.

O membro do Instituto de Justiça Fiscal, João Carlos Loebens, apontou que a mina Guaíba iria efetivamente trazer benefícios, sim, mas do outro lado do oceano – para Suíça. O pesquisador lembrou que a empresa não deverá pagar quase nenhum imposto para o Estado, deixando o grande lucro para os empresários. Ele tomou como exemplo os benefícios da Vale que, em 21 anos de exercício, realizou mais de 320 bilhões de reais de benefícios (e alguns desastres). E ainda há, além disso, quem ouse clamar, como o engenheiro Luís Roberto Andrades Ponte, que o projeto da Copelmi irá “erradicar a pobreza”. Mas a população presente no auditório ressaltou em muitas manifestações que a pobreza foi historicamente criada por empreendimentos do tipo da Copelmi, que, atrás do discurso do “desenvolvimento”, escondem o esbulho territorial e suas terríveis consequências, reafirmando um ditado popular que diz que “a única coisa que o desenvolvimento desenvolveu até agora são as desigualdades”.

Quando a hora das manifestações públicas chegou, várias pessoas testemunharam sua experiência com a mineração. Moradores de Arroio dos Ratos expuseram as rachaduras e os resquícios de carvão nas suas casas, resultado de anos de exercício da mineração no local, exigindo que a empresa tomasse suas responsabilidades e indenizasse os moradores. Estes comentaram que toda indenização foi negada sob o pretexto que suas casas eram “mal construídas”. No que diz respeito à saúde, foi também apontado que após alguns habitantes e funcionários desenvolverem problemas respiratórios e comentar tal situação à empresa, seus representantes teriam negado se fazer cargo dos gastos sob o pretexto dos funcionários serem fumantes.

Outro problema sério apontado é que os relatórios da empresa sequer mencionam as comunidades indígenas que habitam e vivem desse território, descumprindo, assim, a convenção 169 da Organização Internacional do Trabalho – uma expressão que pode subsidiar uma reflexão acerca de um racismo institucional permeando a lógica de atuação da empresa.

Da mesma maneira, equanto algum engenheiro pretende que a mina de carvão seja a solução para a “erradicação da pobreza”, uma moradora do loteamento Guaíba City lembra que era feliz até que ficou sabendo que uma mina quis se instalar no lugar onde ela mora: “Vamos a viver dependendo de um caminhão pipa para tomar um copo de água”, apontava.

Hoje, os moradores do loteamento Guaíba City e do assentamento do MST Apolônio de Carvalho vivem produzindo comida saudável para a sociedade, enquanto a mineradora Copelmi propõe transformar a região metropolitana de Porto Alegre em um local que vai receber os rejeitos de carvão…

A audiência encerrou à meia-noite.

Para mais informações: https://www.facebook.com/ComiteCombateMegamineracao/

*texto e foto: Clementine Tinkamó