O que é a Defesa Pública da Alegria?

A Defesa Pública da Alegria é uma manifestação artística, popular, apartidária e pacífica, em defesa da humanização da cidade. Foram mais de seis horas de muita alegria, celebração a favor da arte e da cultura de rua em uma manifestação pública realizada pelos artistas, coletivos, trabalhadores, população de rua, ou seja, cidadãos. Passaram pelo local mais de 1.500 pessoas.

A derrubada do boneco inflável da Coca Cola foi consequência da truculenta ação da tropa de choque e guarda municipal ao ato pacífico que busca a defesa das manifestações públicas, sociais e artísticas, feiras populares no Largo Glênio Peres; ao repúdio às políticas de remoção das famílias e comunidades atingidas pela Copa do Mundo FIFA e a especulação imobiliária, às privatização do espaço público, ao fechamento seletivo de bares e locais de encontros e ao aumento das passagens de ônibus.

Repudiamos que a segurança pública (Brigada Militar), defenda o patrimônio privado ao invés de garantir a integridade física da população.

Nos comprometemos seguir nas ruas com nossas artes, nossas danças, nossos teatros, nossa voz, nossos tambores, dialogando com o povo dessa cidade, na defesa pública da alegria.

Movimento em Defesa Pública da Alegria

4 thoughts on “O que é a Defesa Pública da Alegria?”

  1. “A derrubada do boneco inflável da Coca Cola foi consequência da truculenta ação da tropa de choque e guarda municipal ao ato pacífico que busca a defesa das manifestações públicas, sociais e artísticas” Por favor protestem, mas não invertam a ordem dos acontecimentos a favor de vcs, o incidente começou com a violência com que foram para cima do boneco, por favor tenham pelo menos dignidade de assumirem seus atos e não distorcerem para que possam posar de anjos. Fizeram assumam.

  2. Concordo que acima de tudo foi um ato irresponsável. Nós que estivemos a tarde não concordamos e a maioria queria que a policia fosse solenemente ignorada e nossa passada por lá registrada com algo bom. Não foi nunca será com agressão ou provocação irresponsável.

  3. A polícia incitou os jovens com a tropa que os supervisionava do outro lado da rua e esperava anciosa para usar o poder. Aquele tatu não deveria estar ali, além disso, não é um patrimônio público que merece ser cuidado por órgãos de segurança pública. E a ação da polícia foi extremamente truclenta, espancou aleatoriamente as pessoas, “agressores” ou não do tatu, usou balas de borracha não para dispersar e sim para ferir, muitos jovens foram perseguidos e apanharam fora de contexto.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *