Arquivo da tag: Meio Ambiente

Heavy Hour 30 – 11.03.19 – Das antiga! A extinção não virá pelo meteoro, mas pela soja!

Estamos na estrada! Em Mata, município histórico, o local onde aflora uma quantidade impressionante de fosseis de árvores petrificadas, de mais de 200 milhões de anos! No meio de tanta história natural, em um local que é um museu a céu aberto, um tipo de cultura contemporânea ameaça acabar com tudo em meio século: a produção extensiva de soja. Uma ganância sem tamanho, que não respeita limites privados e públicos, borrifa um veneno que mata a tudo e a todos – e quem está nos dando este alerta?! A abelhas! O power trio do Coletivo Catarse grava este programa direto do epicentro da hecatombe das abelhas, mas também celebra as eras, botando muito som raiz, das entranhas do heavy metal e do rock ‘n roll!

Setlist do programa:
Titãs – Cabeça Dinossauro
Black Sabbath – The Wizard
Mastodon – Oblivion
Iron Maden – Quest for Fire
Tenacious D – Tribute
Red Fang – Prehistoric Dog
Dirty Mac – Yer Blues
Exodus – The Toxic Waltz
Red Hot Chilli Peppers – Scar Tissue
Raul Seixas – Eu nasci a 10 mil anos atrás
Jethro Tull – Thick as a Brick
Queens of the Stone Age – The Bronze

Heavy Hour 28 – 26.02.19 – A hecatombe das abelhas! Lá se vai indo o mundo…

Constam informações de que mais de 250 milhões de abelhas morreram desde outubro do ano passado somente no centro-oeste do Rio Grande do Sul. A causa? O veneno usado nas lavouras de soja. Que coincidência!

Neste programa, conversamos com o veterinário e professor de apicultura, João Bernardo Feeburg, tratando desse desastre anunciado, que encaminha um colapso ambiental – mais um! -, e como pode nos afetar.

E o livreiro Bolivar em mais uma dica Bibliografia Social da semana: A Não Violência – Uma História Fora do Mito, de Domenico Losurdo. Ouve aqui e fala com ele (51-989.050.672)!

Power trio do Coletivo Catarse completo nesta edição.

Setlist:
No Rain – Blind Melon
Toxicity – System of a Down
Here Comes The Sun – George Harrison
Núcleo Base – Ira!
When a Demon defiles a Witch – Whitechapel
Do The Evolution – Pearl Jam
Bete Balanço – Barão Vermelho

Heavy Hour 22 – 15.01.19 – senhores ruralistas, bebam um copo de glifosato e falamos!

Qual a relação entre alimentação e saúde no país campeão mundial de consumo de agrotóxicos? As decisões governamentais que atingem a agroecologia no campo e na CIDADE! No Heavy Hour desta semana a gente conversa com João Francisco Moraes Cardoso, o vereador Tigre, assentado e produtor rural agroecologista, feirante da mais tradicional Feira Ecológica de Porto Alegre. Também no Estúdio da Lua, a Monica Meira, doutora em antropologia, pesquisadora, integrante do Coletivo A Cidade que Queremos, ativista de Hortas Comunitárias.

Pelo áudio de zapzap (não é fakenews!!), Dr Ricardo Ghelman, coordenador da Unidade de Pediatria Integrativa do Hospital das Clínicas da Faculdade de Medicina da USP, fala sobre os malefícios do agrotóxicos e a relação entre alimentação e saúde. E o Livreiro Bolívar (51-98905.0672) com sua dica na Bibliografia Social, o livro “A vantagem acadêmica de Cuba”!

Setlist:
Lona Preta – Eu Acuso!
MST – Dead Fish
The Secret Life of Plants – Stevie Wonder
Desterro – F.U.R.T.O
Goddamn Trouble – Overkill
Capim Guiné – Raul Seixas
Bushcraft – Baptists

Uma batalha pela preservação na zona sul de Porto Alegre

Organizações não governamentais e moradores da zona sul lutam pela preservação do arroio Espírito Santo e de sua mata ciliar. A construtora Maiojama, dona do terreno, pretende canalizar o arroio e lotear a área de mata – em um empreendimento chamado de loteamento Ipanema – para construir um condomínio de edifícios.

A área de 12,9 hectares de mata fica na divisa entre os bairros Ipanema e Espírito Santo e está sendo disputada judicialmente há cerca de 20 anos.

A licença ambiental para a obra foi emitida em 1996 pela Fepam.  Porém, no ano 2000, a sociedade civil se organizou e conseguiu que o Ministério Público impedisse o início da obra.

O Supremo Tribunal Federal se manifestou a favor do loteamento da empresa Maiojama, exigindo que a Secretaria Municipal do Meio Ambiente (Smams) concedesse nova licença ao empreendimento este ano.

De uma sala em Brasília, os excelentíssimos senhores decidiram que não existe Mata Atlântica no local, e que por isso não se aplicam as leis de proteção ambiental desse bioma – apesar de diversos estudos já publicados de professores e doutores em meio ambiente atestarem com dados concretos a característica ambiental de Porto Alegre pertencer exatamente à Mata Atlântica.

José Paulo Barros, presidente da Sociedade de Amigos do Guarujá afirma que as instituições jurídicas deram sentenças baseadas em laudos de vinte anos atrás, quando havia outro plano diretor, outras leis e uma população diferente na cidade. Thiago Gimenez, conselheiro municipal do meio ambiente, explica que a zona sul sofreu uma grande urbanização nesses vinte anos, e que muitos ambientes naturais foram desmatados.

Por causa disso, á área do loteamento seria um dos últimos refúgios da vida selvagem na zona urbana de Porto Alegre.

José Paulo Barros conta ainda que as entidades estão buscando uma autorização para entrar na área com biólogos e instituições que possam realizar novos laudos. Já que a área abriga muitas espécies animais e vegetais em extinção,  o advogado entende que cortar esta mata se caracterizaria em um crime ambiental. Além disso, explica que o desmatamento da área agravaria o calor na cidade: “ São 12 hectares de mata fechada, isso serve como um refrigerador natural. Tirando aquela mata dali, o calor ficará ainda mais infernal. Ao longo de algumas décadas o impacto deve ser assustador”.

A canalização do arroio Espírito Santo, que atravessa a área de mata e deságua no lago Guaíba também é alvo de diversas críticas. Thiago Gimenez associa a canalização a enchentes e relata que muitas cidades estão descanalizando seus arroios para favorecer o escoamento da água. O conselheiro municipal do meio ambiente afirma que a região do arroio Espírito Santo é cercada por um banhado, que desempenha um importante papel de contenção da água. Canalizando o arroio e aterrando este banhado, Thiago entende que os alagamentos, que já são um problema na região, iriam se tornar ainda mais frequentes.

Outra questão que preocupa entidades e moradores do entorno é o trânsito. Quando os edifícios fossem vendidos, haveria um grande aumento no número de habitantes e de carros. Assim, os engarrafamentos na região tenderiam a piorar.

Pensando em todas estas questões, José Paulo Barros afirma que busca reverter este loteamento. O presidente da Associação de Amigos do Guarujá se coloca contra a política de emitir licenças ambientais sem levar em conta o bem-estar da população. Por fim, conclui: “ Na verdade, só se visa ao lucro”.

Empresa não apresenta projeto à comunidade

Para ouvir o ponto-de-vista da Maiojama e entender melhor o seu projeto para o local (quantos edifícios, com quantos andares e apartamentos), a equipe do Coletivo Catarse foi a uma reunião no Conselho Municipal do Meio Ambiente (COMAM) de Porto Alegre, no dia 29 de novembro, em que supostamente a empresa estaria presente.

Porém, a empresa não mandou nenhum representante, deixando a nossa equipe, os conselheiros do meio ambiente e os moradores da região que foram assistir à reunião sem saber exatamente o que a empresa deseja construir no local. O desabafo da conselheira Andrea Loguercio, representante da UFRGS, ilustra bem esta falta de informação sobre o projeto:

“Eu vim para cá na expectativa de que o empreendedor nos apresentaria o projeto. Não conheço o projeto. Fico confusa com um processo que parece ter nascido em 2015 e que agora descobri que nasceu na década de 1990. Volto para minha instituição, na qual faço o papel de representante, com mais dúvidas do que quando entrei”.

O Secretário Municipal do Meio Ambiente, Maurício Fernandes, deu a entender que não poderia impedir o empreendimento, visto que o STF se manifestou em favor da Maiojama. “Não compete a qualquer gestor descumprir decisão judicial. O gestor público também tem suas limitações”, declarou.

Licença está embargada

No momento, a licença de instalação está temporariamente suspensa por conta de uma decisão da juíza Nadja Zanella da 10ª vara da Fazenda Pública de Porto Alegre.

Em audiência de conciliação realizada no dia 5 de dezembro, a juíza julgou o processo  proposto pelas organizações da sociedade civil. Nadja decidiu que o município precisa complementar os documentos do processo. Depois disso, a documentação será examinada pela empresa, pelo município e pelo Ministério Público.

A decisão é uma vitória temporária para a preservação do local, porém, a batalha judicial irá continuar se desdobrando em 2019.

Para seguir a mobilização da comunidade, o Movimento Preserva Arroio Espírito Santo mantém uma página no Facebook (https://www.facebook.com/PreservaArroioES/) em que segue atualizando todos os passos de sua luta. Já a Maiojama publicou ao final de novembro uma nota, também no Facebook, defendendo seu ponto-de-vista: https://www.facebook.com/notes/maiojama/loteamento-ipanema-comunicado/2050617138348941/.

Heavy Hour 17 – 27.11.18 – Questão Indígena de novo em pauta, porque Bonoro odeia índios!

Programa com Roberto, do Conselho Indigenista Missionário, Clémentine Marechal, antropóloga e parceira do Coletivo Catarse no Projeto Resistência Kaingang, Iracema Gá Teh Nascimento, xamã Kaingang, e Jósimo, membro da etnia Puyanaua, do Acre. Em pauta o patrulhamento absurdo que vem sendo realizado ilegalmente por seguidores de Bolsonaro em áreas indígenas e a situação geral de desespero que toma conta dessas populações de sul a norte – mas também com espaço para valorização dessas culturas!

Apresentação de Gustavo Türck (@GustavoTurck), Marcelo Cougo e Billy Valdez.

Nosso Livreiro Bolívar (51-989.050.672) também da a sua dica de mais uma importante leitura!

Quem toca neste programa:
Bloco 1
Anthrax – Indians
Hell Bound – Black Storm
Machete Bomb – Temporada de Caça

Bloco 2
Black Moon Riders – She Dies
Primus – Lacquer Head
Heart Attack – Fight to Overcome

Bloco 3
Amitraz – Concepção
Bayside Kings – Tired of this Earth
Motörhead – In the Name of Tragedy
Legião Urbana – Índios

Te comunica com a gente!
heavyhour@coletivocatarse.com.br
facebook.com/programaheavyhour