Arquivo da tag: Música

Heavy Hour 50 – 30.07.19 – 50° HH da nova era! 15 anos de Coletivo Catarse! Quanta lambeção…


Neste programa, atingimos uma baita meta – a de empobrecer comprando ceva e cachaça a cada uma das 50 semanas de novo Heavy Hour! Afora isso, foram muitos temas interessantes expostos desde 10 de agosto de 2018. Muitos convidados passaram pelos nossos estúdios e uma bela rede de veiculação se formou. Dessa forma, decidimos celebrar nesta edição explicando um pouco de quem somos enquanto Coletivo Catarse e apresentando músicas exclusivas de nossas produções! Para além de alguns participantes antigos – tanto de coletivo como de Heavy Hour e da rede – estivemos Gustavo Türck e Marcelo Cougo na presença de Têmis Nicolaidis, Cris Cubas, Bruno Pedrotti e Paulinho Betanzos no Estúdio Monstro (com Zé da Terreira nos curtindo)! Ouves o programa e não sabe direito o que a gente faz? Então escuta este aqui e terás uma noção de uns 15% de nossa trajetória… Vá lambeção, hein?!

Setlist Marcelo Cougo:
Trilha do filme O Grande Tambor – A Princesa é uma Senhora
Trilha do filme Caligrafia – Cuidado e Delicadeza
Trilha do filme Carijo – Bem cedo um mate
Trilha do filme Laceiros Negros estão vivos – Eu e meus camaradinhas
Trilha do filme Crenças a Céu Aberto – Crenças a Céu Aberto
Trilha da websérie Tainhas no Dilúvio – Lições de Água
Trilha do filme O Grande Tambor – Suíte Senzala

Cidadão bem de merda

Quando lançaram o petardo em clipe “5 Tiros“, virei para um dos integrantes da Hempadura e disse: ih, quero ver superarem isso que vocês acabaram de produzir!

Pois esse é um dos grandes dilemas das artes: obras tão boas, tão impactantes, que passam a assombrar os seus autores.

Confesso que a curiosidade me embalou por um tempo numa morbidez hardcore, tentando entender o que as mentes duras de hempa estavam tramando mais uma vez – “Ha-ha! Lá estão eles, de novo, atrás das telas dos computadores, matutando o que fazer… Pffff, 5 tiros de verdade, e o sexto de festim…” – subestimava.

Que nada! Desgraçados, destroçadores de críticos-crônicos de música. Mais uma vez, conseguiram.

A narrativa do novo clipe é tão foda quanto a própria música. A estética já é de um selo conhecido de quem segue a banda – imagens sujas, galera gritando cantando em semicírculo, em plano médio, muitos filtros… Não é ruim, muito pelo contrário, é uma marca, um tipo Hempadura de “clipar”.

Na história, a estupidez humana de um tipo dominante, infelizmente, na sociedade brasileira. Não que todos esses que se identifiquem ao estereótipo “de bem” sejam misóginos, racistas e estupradores, mas é, de fato, um conceito que catapulta essa violência pela cortina da defesa de costumes. Que se levanta e serve direitinho para escamotear atitudes de perversão sexual – se você duvida, pergunte para qualquer profissional Assistente Social que lida com abusos de crianças e adolescentes, que não seja ligado a alguma igreja, e a confirmação virá. Sem falar que as informações estão todas ali, em vários momentos do clipe, sem nuances de linguagem.

E, então, talvez o “pior” do clipe seja isso: é preciso assisti-lo algumas vezes para assimilar tudo o que é exposto. Mas, vamos combinar, com uma obra dessas num momento destes, a adrenalina agradece!

Heavy Hour 41 – 28.05.19 – Alvo dos patifes

E os patos viraram patifes. Depois de vestirem suas camisetas da CBF e conseguirem dar suporte a um golpe engendrado nos manuais da CIA, eles voltam às ruas e apontam suas armas diretamente ao seu mais novo inimigo: a educação! Sim, muitas – nem tantas – pessoas se fantasiaram novamente e trataram de contra-marchar apoiando seu presidente, a ignorância e o ideologismo racista e fascista – tudo abertamente. Neste programa, desvelamos a marcha dos patifes pela história de 3 antropólogxs: Cleyton Rocha, do Macapá, capital do Amapá, Lucy Cavalcante, de Caucaia, no Ceará, e Bruno Domingues, de Barcarena, interior do Pará. Todos negrxs e mestrandos da UFRGS – bolsistas ou não, de cotas ou não, são aqueles com a mira do ódio em suas paletas. Na condução do programa, o power trio do Coletivo Catarse recebe o reforço – permanente? – de Clementine Marechal, também antropóloga e de espírito de luta ativo.

Setlist:
Eu Acuso! – Marcha dos Patifes
Maria Bethânia – Carcará
Vitor Jara – Movil Oil Special
O Rappa – Minha Alma
Belém Pará Brasil – Mosaico de Ravena
Slave in Hell – W.O.E.
Possessed – Graven
Rockin 1000 – Smells Like Teen Spirity

Heavy Hour 39 – 14.05.19 – Contra a demonização dos trabalhadores! Chega de reformas infames!

O ódio como estratégia de poder, a demonização dos trabalhadores – é isso que está por trás de toda a sujeira das reformas propostas desde o golpe de 2016. Neste programa, recebemos Leandro Reis, do Sindicato dos Metalúrgicos de Canoas, trabalhador de chão de fábrica, e Jonas Reis, do SIMPA, municipário de Porto Alegre, há bons anos declarado inimigo pelo “prefake” (suas palavras) Marchezan, assim como todos os servidores públicos da cidade, alvos constantes de ataques de uma pessoa que despreza a cidade que governa e a coisa pública. Aliás, não parece ser uma regra dessa frente toda podre de direita que está por aí dando as cartas nesses anos?!

Drinks neste Heavy Hour gentilmente cedidos pela Caipora, cachaça de primeira! Não por coincidência, só fomos na canha em homenagem a “o” preso político brasileiro, que assombra os sonhos e fetiches minions em todas as noites… Livre!

Setlist
Dona Ivone Lara – Sonho Meu
Chico Buarque e Milton Nascimento – Cálice
Humanicide – Visualizer
Asfixia Social – Get Ready O Começo
Bezerra da Silva – Candidato Caô
Cake – I Will Survive
Audiozumb – 111 Tiros
Megadeth – In my darkest hour